50 anos depois da lei de direitos civis nos EUA, veja o que mudou

Em 2 de julho de 1964, o presidente Lyndon Johnson assinava a lei que acabaria com a discriminação de cor, raça, religião ou nacionalidade nos EUA.

Cinquenta anos depois da lei dos direitos civis nos EUA, afro-americanos ainda lutam para acabar com a discriminação racial do pais. A maioria ainda sofre ou já sofreu algum tipo de discriminação racial. De acordo com uma pesquisa realizada pelo site CBSNews, três em cada quatro americanos aprovam a lei dos direitos civis de 1964 e afirmam que foi um marco histórico para o pais.

A mesma pesquisa diz que apenas 5% dos norte-americanos, acham que todos os objetivos de Martin Luther King foram atingidos, e 52% acreditam que nem todos os objetivos da lei dos direitos civis foram alcançados. Portanto, para a maioria, mesmo tendo um presidente afro-americano, os EUA ainda lutam com o preconceito e a discriminação racial, mulheres ainda recebem menos que homens e, membros da comunidade LGBT, que não estão explicitamente inclusos na lei, lutam pelos seus direitos.

Sem dúvidas é uma data de comemoração mas também de reflexão pois o grande legado de Martin Luther King e de Rosa Parks ainda é um sonho a ser perseguido pelo qual os americanos ainda tem muito que lutar.

Para saber mais sobre lei de direitos civis nos EUA leia:

Hoje na História, 1964, Martin Luther King recebe o Prêmio Nobel

Martin Luther King

Rosa Parks 

Mostra nos EUA revisita relação entre arte e luta por direitos civis

+ sobre o tema

Ex-integrante do Panteras Negras é libertado nos EUA após 43 anos em solitária

Um juiz no Estado americano de Louisiana ordenou a...

Michelle Obama e Hillary homenageiam Sojourner Truth, negra que lutou contra escravidão

Washington, 28 abr (EFE).- Michelle Obama e Hillary Clinton...

Elizabeth Eckford, a mulher que desafiou o racismo americano

Como todas as pessoas negras no sul dos Estados...

As melhores fotos de Obama nos últimos 8 anos

Poucos empregos parecem ser tão instigantes quanto ter no...

para lembrar

Cam Newton usa camiseta com frase de Martin Luther King antes de jogo

O quarterback do Carolina Panthers Cam Newton entrou na...

Aplicativo grava e envia vídeos de abuso de poder da polícia a advogados nos EUA

A associação de direitos civis dos Estados Unidos, American...

O racismo na “terra da liberdade”

Os protestos na cidade de Ferguson, em agosto, ressuscitam...

Hoje não se negoceia em Wall Street: é dia de Martin Luther King Jr.

Desde 1986 que se realiza, nos Estados Unidos, na...
spot_imgspot_img

Primeira fase da Unicamp aborda ChatGPT, ‘Guardiões da Galáxia’ e racismo com textos de Sueli Carneiro e Luther King

Inteligência artificial, racismo, reflexo da colonização nos indígenas, música brasileira sob o regime militar, testes em animais e uso de anabolizantes estiveram entre os...

O sonho de Martin Luther King continua a ecoar indignação 60 anos depois

"Eu digo a você hoje, meus amigos, que embora nós enfrentemos as dificuldades de hoje e amanhã, eu ainda tenho um sonho. É um...

Heróis negros “invisíveis”

Quando pensamos em antirracismo no Brasil é mais fácil lembrar de nomes do século 19 (como o do abolicionista Luiz Gama) ou de ícones...
-+=