‘Há ausência da Mulheres Negras nos espaços onde as Mulheres Brancas estão avançando’

Em entrevista, militante histórica do movimento negro fala sobre feminismo e mercado de trabalho

Por Marcela Reis Do Observatório

O Dia Internacional da Mulher, no oito de março, foi marcado por manifestações em diversas capitais de todo território nacional como um dia de luta e resistência das mulheres.

Em entrevista ao Observatório, Cida Bento, coordenadora executiva do Centro de Estudos de Relações de Trabalho e Desigualdades (CEERT), falou sobre a importância da data para as mulheres negras, além de feminismo e mercado de trabalho.

Confira os pontos mais importantes da entrevista:

Dia Internacional da Mulher

O oito de março é importante para resignificar essa data de luta e pensar que, quando falamos de mulheres, são todas. Há ausência de mulheres negras nos espaços onde as mulheres brancas estão avançando. Temos que repensar esse problema de gênero que envolve as mulheres negras.

Leia Também

Branquitude – O lado oculto do discurso sobre o negro – Cida Bento

Cida Bento é uma das 50 profissionais mais influentes do mundo

Falta representatividade

As mulheres negras não estão contempladas pelo feminismo genérico, principalmente as mulheres negras da periferia. Elas não avançam no movimento, permanecem sem representatividade nos espaços. Ainda tem muita coisa a ser alcançada.

Nos últimos tempos houve o aumento de 54% da violência contra as negras [O Mapa da Violência mostra que, entre 2003 e 2013, o número de homicídios de mulheres negras aumentou 54,2%, enquanto o número de homicídios de mulheres brancas caiu 9,8%]. É necessário que o movimento seja repensado. Tem que haver uma conversa entre as mulheres brancas e as negras para tentar entender se as mulheres negras estão por conta própria ou não.

Feminismo negro no Brasil

Desde a época da escravidão as mulheres negras já percebiam que havia algo errado, porque a violência que elas eram submetidas era enorme.  Eu acho que para nós, a Sueli Carneiro foi um marco, um divisor de águas, ela nos fez repensar o feminismo, perceber a necessidade do movimento para as mulheres negras.

Mercado de Trabalho

O mercado de trabalho é muito diferente para as mulheres brancas e as negras. As oportunidades não são as mesmas [Em 2010 o IBGE mostrou que 17,7% das mulheres brancas tinham ensino superior completo. Já entre as negras e pardas, só 6,7% tinham], nem o salário.

Nas grandes corporações, por exemplo, já não têm muitas mulheres, mas negras não têm. Nos comitês de diversidade dessas corporações não tem mulher negra, não tem representação. Isso coloca muitos conceitos em xeque, porque as mulheres negras não avançam em sua agenda de forma alguma.

Mas existem políticas públicas que ajudam. O Programa Pró-Equidade de Gênero e Raça [Programa da Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República] é um deles. É um ótimo programa, mas tem que haver mais debate com as mulheres negras e sobre o que elas precisam.

+ sobre o tema

Erraram, por Sueli Carneiro

onte: Jornal Correio Braziliense - Coluna Opinião Em um dos...

11 mulheres do cinema Indie para conhecer e ficar de olho

Todo ano desde 1998 a revista “Filmmaker” publica uma lista intitulada...

Moralismo e machismo imperam em decisões judiciais que envolvem conflitos de gênero

Militante social e professora de Direito da FGV consideram...

para lembrar

Luana Tolentino: É preciso ouvir as alunas e os alunos!

No intuito de conhecer melhor os alunos, uma professora...

Morre Tia Dodô, a porta-bandeira do primeiro título da Portela

Morreu, nesta terça-feira, Maria das Dores Alves, a Tia...

Festival Mulheres do Mundo promove debates e atrações até domingo

Começou hoje (16), no Rio de Janeiro, o Festival...

CPMI: faltam informações precisas sobre violência contra a mulher

O Brasil não dispõe de dados sobre violência contra...
spot_imgspot_img

Documentário sobre Lélia Gonzales reverencia legado da ativista

Uma das vozes mais importantes do movimento negro e feminista no país, Lélia Gonzales é tema do Projeto Memória Lélia Gonzalez: Caminhos e Reflexões Antirracistas e Antissexistas,...

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

Lançamento do livro “A importância de uma lei integral de proteção às mulheres em situação de violência de gênero”

O caminho para a criação de uma lei geral que reconheça e responda a todas as formas de violência de gênero contra as mulheres...
-+=