7 artistas feministas e não-brancas para você deixar Clarice Falcão em paz

Caso não tenha ficado claro o suficiente, este texto começa com um apelo: ESQUEÇAM CLARICE FALCÃO.

Fonte: Medium

por, Iyara Vidal

Clarice é feminista. Branca. Filha de um cineasta e uma escritora famosa. Mora num apartamento. Como feminista branca de apartamento, ela fala sobre o que entende: suas vivências brancas de apartamento em músicas brancas de apartamento para ouvintes brancos de apartamento. E não há problema nenhum em falar e cantar sobre suas vivências.

Designar a um intérprete branco a atividade de falar com propriedade de algo que ele não conhece é cruel. Cruel com o público, que não receberá conteúdo sincero, cruel com o artista, que, mesmo empático, sabe que não pode lidar com esta missão, e cruel com todos os artistas negros e negras, que já fazem isso com louvor há tempos, mas não têm a devida projeção.

Representatividade é necessária nos clipes, afinal mais da metade da população brasileira é negra. E não estou isentando Clarice da culpa de ter deixado xoxotas e piruzinhos negros de fora da festa no seu último e (não sei por que) polêmico clipe. Mas, para além da representatividade, a chance de brancos ricos falharem documentando vivências de pessoas negras em primeira pessoa é grande. São estrangeiros, afinal, perdidos entre nossos costumes e perrengues.

Dito isso, apresento artistas feministas e não-brancas (negras e latinas) com a mesma idade de Clarice (ou até mais novas) que dão conta do recado e contam, com muita propriedade, suas próprias histórias. Se elas não fizerem você deixar a cantora de ‘Eu Escolhi Você’ cantar sobre a própria vida em paz, eu não sei o que vai.

Xenia Rubinos

‘Latinos criaram a América no lugar da mãe’, canta Xenia, que questiona o lugar de tudo e cria, do zero, o seu mundo ideal. Munida de uma voz poderosa, a cantora de raízes porto-riquenhas e cubanas mistura ritmos caribenhos, soul, noise, punk e uma evidente (e bem-vinda) inspiração em Erykah Badu, cantando sobre temas como machismo, consumismo, violência policial e discriminação contra latinos nos Estados Unidos.

Comece por: ‘Just Like I’,Right?’ eMexican Chef’, as três do álbum Black Terry Cat.

Tássia Reis

Natural de Jacareí, no interior paulista, Tássia é uma das maiores potências do rap brasileiro. E a sua música não poderia ser mais atual: rimas sobre machismo na cultura hip-hop, racismo, empoderamento da mulher, depressão e outros temas em um ótimo flow e uma voz incrível.

Comece por: ‘Se Avexe Não’, ‘No Seu Radinho’ e ‘Afrontamento’

Tripulantes da Sabiabarca

Com Ilya no vocal, o trio de Fortaleza casa, de forma perfeita, a psicodelia e o cancioneiro popular. No palco, Ilya é quase uma entidade, e a sua presença é um espetáculo à parte: ela dança, se descabela e se permite levar pela correnteza das melodias. A Sabiaguaba, no litoral leste do estado, é fonte confessa de inspiração para as composições do projeto.

Comece por: Céu e Mar’

Alambradas

“Já que não tem ninguém pra fazer uma banda comigo, vou fazer música sozinha”, pensou Nicole Patrício, de 22 anos, que tem o trabalho influenciado por artistas como Fiona Apple e Imogen Heap. No EP Cíclica, feito de forma independente e distribuído pela Tratore, ela canta de amor, solidão, desilusão e a vida na cidade. Soa como uma noite em claro conversando com sua melhor amiga.

Comece por: ‘Real First Step’, ‘Mapa dos Arredores’ e a instrumental ‘Cíclica’

Luana Hansen

Sonoplasta, DJ, MC, técnica de áudio, produtora musical, negra e lésbica. Quer mais? Ganhou o prêmio Hutúz, considerado o maior da América Latina e participou do Festival do Rap Feminista de Cuba.

Comece por: ‘Flor de Mulher’, uma resposta à letra machista de ‘Trepadeira’, do Emicida.

Mahmundi

A cantora, produtora e compositora carioca Marcela Vale foi a responsável por um dos projetos mais refrescantes de 2016. O mais recente disco de Mahmundi, lançado pela Stereomono (mesmo selo de Boogarins e Jaloo), é delicado, confessional, acolhedor e nostálgico, mas não necessariamente triste. Música para dançar sentindo saudade. Pra que melhor?

Comece por: ‘Hit’, ‘Eterno Verão’ e ‘Leve’.

Abra

Abra é novaiorquina, mas começou a fazer música em Atlanta. O som da cantora e produtora cria uma atmosfera sexy, anos 80, com elementos de hip hop. Ela questiona o fato de seu som ser comumente rotulado como R&B. ‘Ser uma cantora negra não quer dizer que eu seja R&B. Pode ser pop alternativo, soul experimental, soul eletrônico. Criem novos rótulos ao invés de nos encaixar nos mesmos só porque somos negros’.

Comece por: ‘No Chill’, ‘Roses’ e ‘Fruit’

Menção honrosa: Elza Soares

Hors-concours. Elza nasceu na favela, passou fome, casou jovem, foi ameaçada de morte pelo relacionamento com Garrincha, lidou com o alcoolismo do marido até a sua morte, perdeu dois filhos e continua aqui pra contar a história. Em seu último disco, ‘A Mulher do Fim do Mundo’, de 2015 – no top 10 do The New York Times ao lado de Beyoncé e David Bowie – Elza canta sobre violência doméstica, negritude e sobre o que realmente é ser uma mulher: sobreviver.

Comece por: Maria de Vila Matilde’

Agradecimentos especiais aos meus colegas da Boldo Musical, à página Quase Todo Dia Uma Banda de Mina Diferente e às meninas fodas dos selos Banana e PWR Records, por me lembrarem todos os dias que eu posso até fugir, mas o meu lugar é falando de música mesmo.

+ sobre o tema

Mulheres negras: sororidade e luta

“8 de março o que é o que é?...

Mulheres negras ganham 55% de remuneração de homens brancos, diz estudo

Pesquisa afirma que número vai a 68% para homens...

Jovem de Feira é aceita em nove universidades dos EUA

A estudante de Feira de Santana Geórgia Gabriela da...

Pretahub: apoio e fomento ao empreendedorismo negro

No Terra Há 18 anos, a empreendedora Adriana Barbosa criou...

para lembrar

Morre Tia Dodô, a porta-bandeira do primeiro título da Portela

Morreu, nesta terça-feira, Maria das Dores Alves, a Tia...

Vera Verônika se junta a Ellen Oléria em um tributo a mulheres negras

Música 'Soul negra, soul livre!' também tem participação da...

Também de olho no Super Bowl, Serena Williams revela que gostaria de ser quarterback; veja

Buscando uma vaga nas semifinais do Australian Open, a...

Jornal italiano publica HQ sobre Marielle Franco

No último dia 30 de março, o jornal italiano Il...
spot_imgspot_img

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Saiba por onde andava Tracy Chapman, que voltou às paradas após apresentação no Grammy 2024

A rara aparição pública de Tracy Chapman, no Grammy Awards, deixou muitos fãs se perguntando por que ela havia se afastado da música por mais...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...
-+=