A branquitude, a negritude e o jornalismo investigativo – narrativas controversa

Recentemente, muitos casos envolvendo a prática de crime em tese por membros do Poder Judiciário, da Advocacia e do Ministério Público têm invadido as redes sociais e as manchetes dos telejornais. Uma característica comum às notícias chama a atenção: os/as investigados/as ou acusados/as são todos/as brancos/as e, invariavelmente, da (proto)elite hegemônica instalada no país desde há muito, destacada pela cútis, pelo cargo e pelo patronímico que ostenta.

Trata-se de mais uma evidência da racialização da sociedade brasileira, que reserva os melhores postos e condições de vida à mesma parcela de indivíduos. Evidencia, também, que o cometimento de delitos não é exclusivo da parcela mais vulnerável da sociedade, como desejado pela criminologia da reação social, mas um ato passível a qualquer ser humano, por sua própria essência.

Outro dado desperta curiosidade. As notícias de supostos crimes praticados por representantes da (pseudo)elite branca brasileira têm o cuidado de tratá-los como presumidamente inocentes, valendo-se de expressões como “suposto”, “teria praticado”, “em tese”, “o senhor”, “a senhora”, “o juiz”, “a desembargadora”, “a jurista”, “o doutor”, etc. Isto, talvez, esteja justificado no fato de que o/a “outsider” do sistema de (in)justiça penal tem acesso a assistência jurídica personalíssima, logo no embrião da persecução penal. Outra explicação, mais certa, está no fato de que estas notícias são trabalhadas, editadas e transmitidas, via de regra, por pessoas brancas que se preocupam em expressar uma identificação com o poder (no figurino, no vocabulário, no tom da fala, etc.). Isto resulta em uma premente empatia do/a profissional da imprensa com o/a suposto/a autor/a de crime, que destoa do padrão dos indivíduos perseguidos, diariamente, pelo Estado-Polícia.

Esta deveria ser a narrativa universal, a valer para toda e qualquer pessoa que se vê envolvida em um caso penal, porque o sistema criminal é/deve ser regido pelos princípios constitucionais de um Estado Democrático de Direito, com destaque para a presunção de inocência, o contraditório e a ampla defesa.

Lamentavelmente, não é o que se observa quando a notícia envolve a juventude pobre negra, constantemente associada à criminalidade e, por isso, alvo preferido da violência pública. Estes/estas jovens – independentemente de sua culpa, que só pode ser assentada após o devido processo legal – já aparecem condenados, rotulados/as de “criminosos”, “bandidos”, “comparsas”, “vagabundos”, “canalhas”, “traficantes”, sendo denominados/as pelo “vulgo”, submetidos/as a duplo interrogatório (um pela autoridade policial e outro pelo/a repórter), o que contribui para a personificação do medo e para a perpetuação do racismo institucional e estrutural entranhado na sociedade brasileira. Essa prática, ainda, reforça o ódio de uma classe por outra, acentuando as desigualdades que impedem a efetivação de uma sociedade justa e solidária.

É preciso estender para o alvo preferencial dos jornais policialescos as mesmas garantias que seus/suas âncoras observam para a branquitude, num exercício de responsabilidade social e ética necessária. Este é um dever que decorre dos princípios mais básicos do Estado Constitucional, dos quais a imprensa brasileira não pode se afastar, sob pena de, pelo aspecto coletivo, ferir a alma da democracia substancial, inspirada, acima de tudo, na igualdade; e, no aspecto individual, ensejar a necessidade de reparação judicial para quem se sentir lesado/a.


** ESTE ARTIGO É DE AUTORIA DE COLABORADORES OU ARTICULISTAS DO PORTAL GELEDÉS E NÃO REPRESENTA IDEIAS OU OPINIÕES DO VEÍCULO. PORTAL GELEDÉS OFERECE ESPAÇO PARA VOZES DIVERSAS DA ESFERA PÚBLICA, GARANTINDO ASSIM A PLURALIDADE DO DEBATE NA SOCIEDADE

+ sobre o tema

Folha ignora evidências favoráveis às cotas raciais

Na quinta-feira (7), pela oitava vez, esta Folha publicou um editorial...

Segue perseguição às religiões de matriz africana em MG: alguém se importa?

Makota Celinha – coordenadora do Centro nacional de Africanidade...

Prender alguém por portar vinagre não é só ilegal. É ridículo

A tentativa absurda do estado de criminalizar os movimentos...

A estágiária Ester Elisa da Silva Cesário diz que foi transferida para o arquivo

A estudante de pedagogia Ester Elisa da Silva Cesário,...

para lembrar

Movimento negro na linha de frente do combate ao pacote anticrime de Moro

Comitiva da luta antirracista convidada pela CIDH denuncia o...

Livro causa polêmica ao acusar Smurfs de racistas e antissemitas

Um livro lançado na França tem provocado polêmica ao...

Poder (ser) negro

Nem um único jornal português foi capaz de se...
spot_imgspot_img

Senado aprova prorrogação e ampliação da política de cotas para concursos públicos

O Senado aprovou, nesta quarta-feira (22), o projeto de lei (PL) 1.958/2021, que prorroga por dez anos a política de cotas afirmativas para concursos...

Morte de senegalês após ação da PM em SP completa um mês com investigação lenta e falta de acesso a câmeras corporais

Um mês após a morte do senegalês Serigne Mourtalla Mbaye, conhecido como Talla, que caiu do 6º andar após ação policial no prédio em que morava...

Maurício Pestana: escola de negros e o Terceiro Vagão

Em vários artigos já escritos por mim aqui, tenho apontado como o racismo no Brasil utiliza a via da questão econômica e educacional para...
-+=