A gripe suína sem black-tie exige velhos acertos de contas

Fonte: O Tempo –

Há leitos inativos suficientes para suprir a demanda

por: Fátima de Oliveira

O governo Lula navega bem na atenção à gripe suína. Preparou-se para tanto: Plano de Contingência para a Pandemia Influenza (2005). A PBH tem sido exemplar no gerenciamento local da pandemia, mas há muita quilometragem a vencer.

Do lugar de cumpridora de normas sanitárias, coordenando o plantão de 27 de abril, quando a biossegurança da UFMG comunicou, na metade da manhã, que receberíamos os dois primeiros casos suspeitos de gripe suína, não tive dúvidas: acionei o jamais usado “protocolo gripe aviária”. Foi automático, parecia rotina!

O protocolo de atenção à gripe aviária foi definido pelo Ministério da Saúde (MS) em 2005. Investiu uma fortuna numa anunciada epidemia, que não veio. Dinheiro jogado fora? Desde quando prevenção não é investimento responsável? Foi uma cartada de mestre do MS, e Beagá respondeu com prontidão ao investimento preventivo.

Neurônios a mil, consultei o gerente administrativo. Convictos de que “quem não tem cão caça com gato”, acionamos a portaria e o andar reservados à gripe aviária. Relembramos o fluxo aos funcionários e ao Samu. Eis a diferença do investimento numa instituição que tem lastro, memória, convicção e honra de ser um patrimônio do povo mineiro: enquanto o MS na TV anunciava reunião para estabelecer condutas, o Hospital das Clínicas da UFMG agia de modo acertado, o mesmo definido depois pelo MS: acionou o protocolo de gripe aviária para abrigar gripe suína.

O cotidiano de urgências e emergências é mais ágil que os níveis centrais de decisão. Tem o papel de responder com prontidão ao inesperado, segundo os cânones da biossegurança. O MS podia esperar até um dia. Não chegam doentes à sua porta! No olho do furacão, defendemos que só a autoridade sanitária municipal autorizasse uma internação. Não se justificava transformar a epidemia num palco de egos. BH tem gestão plena do SUS, detém autoridade moral e política para responder às epidemias!

Reeditando o conceito de cordão sanitário, pronto-atendimentos e pronto-socorros não são locais de eleição para atender a epidemia no estágio em que ela se encontrava: sem transmissão sustentada. Para que instalar o pânico e aprofundar o caos das urgências e emergências? Cabia à PBH fazer o que fez, com rara competência: equipes volantes de triagem e atenção domiciliar, que receberam reforços e nova feição com os ambulatórios de H1N1 influenza A do Hospital das Clínicas e Eduardo de Menezes, de domingo a domingo. E novas medidas similares virão.

Com absoluta honestidade intelectual: a Secretaria de Saúde de BH e a de Minas pautaram a diferença numa epidemia que rapidamente virou pandemia, cuja evolução é uma incógnita. Os vírus da gripe são capazes de mutações inimagináveis. Surfamos bem na primeira onda. Superar as outras (e elas virão!) exige que urgências e emergências tenham retaguarda para drenar casos, de qualquer doença, que exigem internação. Beagá – desde pimentéis eras – e seu entorno, a Grande BH, com muitas prefeituras abaixo da crítica, vivem um déficit abissal de leitos de apoio hospitalar para a demanda das urgências e emergências. Eis o gargalo que pode nos abater na epidemia!

Em Beagá há leitos inativos suficientes para suprir a demanda; concretamente existem, mas não estão credenciados pelo SUS! É hora de o Conselho Municipal de Saúde agir com brios e autonomia: definir prioridades segundo as circunstâncias, desde já. É o seu papel. Ou vai amarelar na epidemia?

Matéria original: A gripe suína sem black-tie exige velhos acertos de contas

+ sobre o tema

SP enquadrou 31 mil negros como traficantes em situações similares às de brancos usuários

Para a polícia de São Paulo, a diferença entre um traficante e...

STF retoma julgamento sobre descriminalização do porte de drogas

O Supremo Tribunal Federal (STF) retoma nesta quinta-feira (20)...

STF começa a julgar nesta terça (18) supostos mandantes da morte de Marielle

O Supremo Tribunal Federal (STF) inicia, na tarde desta...

PL antiaborto viola padrões internacionais e ameaça vida, diz perita da ONU

O PL antiaborto viola padrões internacionais de direitos humanos...

para lembrar

O papel dos juízes no grande encarceramento: um estudo sobre sentenças de tráfico

A política criminal brasileira para as drogas conseguiu a...

Seminário Afro-Brasil: reflexões contemporâneas

Um grupo de intelectuais se reúne no próximo dia...

A biologia sintética projeta novas soluções ou problemas?

Por: FÁTIMA OLIVEIRA   O feito que substituiu o DNA natural...

Prefeitura de São José dos Campos retira obra sobre mulheres cientistas das escolas

A prefeitura de São José dos Campos (SP) recolheu a obra Mulheres Sonhadoras, Mulheres Cientistas, composta por dois livros, das escolas e bibliotecas do município. Escritos por...

A direita parlamentar parece ter perdido sua bússola moral

Com o objetivo de adular a extrema direita e constranger o governo, o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, facilitou a aprovação de...

Janja defende direito ao aborto legal, diz que projeto é ‘absurdo’ e afirma que Congresso deve garantir acesso ao SUS

A primeira-dama Rosângela da Silva, a Janja, afirmou que do projeto de lei (PL) 1904, que quer colocar um teto de 22 semanas no acesso ao...
-+=