A uma criança negra sonhar não é permitido

@PIXABAY

Há poucos dias estava em uma sala onde haviam várias crianças, cada uma delas se divertia a seu modo.

Enquanto observava vi duas meninas sentadas em volta de uma mesa com bonecas no colo, certamente representavam suas filhas, uma outra menina longe da mesa. De repente escuto: empregada… você tá demorando pra trazer o café!

por Bernadete Aparecida Martins dos Santos via Guest Post para o Portal Geledés

Acredito que seja desnecessário dizer que a criança que representava a empregada era negra.

A menina sai correndo em direção à mesa e pede desculpas enquanto servia as outras.

Eu enquanto mulher, adulta, munida de alguns conhecimentos sobre o racismo, não consegui me controlar diante daquela situação e intervi na brincadeira.

Questionei do que estavam brincando e a menina que representava a empregada respondeu, estamos brincando de casinha e eu sou a empregada delas.

Perguntei novamente, por que ela era a empregada e ela respondeu que não sabia, as outras meninas riram meio sem graça, mas também não responderam…

Sugeri então que não tivesse a empregada, que todas poderiam ser amigas e prepararem o café juntas e cuidassem das coisas como boas amigas.

Elas até aceitaram minha sugestão e seguiram a brincadeira.

No mesmo dia ouvi de longe a criança que representava a empregada dizendo as colegas: – Não, não vou ser empregada, nem a babá, se a gente for brincar vamos ser amigas, cada uma cuida da sua filhinha e a gente toma café juntas.

Situações como essa trazem uma reflexão triste a ser feita; são crianças reproduzindo um estereótipo produzido culturalmente que interfere na construção da subjetividade do outro.

Nosso processo de subjetivação passa pelo crivo do outro também!

Ninguém perguntou o que aquela menina queria ser na brincadeira ou na vida, simplesmente lhe deram o papel de empregada e pronto.

Fico me perguntando em que momento aquela menina poderá sonhar os seus sonhos e não representar os sonhos que essa cultura tem para ela? Quando é que o outro poderá contribuir para que ela tenha a possibilidade de sonhar como um ser igual?

Estou falando de crianças que sonham em serem patroas, e de crianças a quem não é permitido sonhar os mesmos sonhos e nem ao menos reproduzir isso nem sagrado momento da fantasia, onde teoricamente se pode tudo.

Quando é que o simbólico dessa menina conseguirá se apropriar de algo que ela não pode se quer simbolizar?

Sim, este é apenas mais um pequeno recorte que tece essa colcha de retalhos imensa de proporcionais à dimensão do horizonte, sobre o racismo, mais uma evidência que precisamos cada vez mais nos fortalecer e nos empoderar.

Somos negros e podemos sonhar sim!

 

** Este artigo é de autoria de colaboradores ou articulistas do PORTAL GELEDÉS e não representa ideias ou opiniões do veículo. Portal Geledés oferece espaço para vozes diversas da esfera pública, garantindo assim a pluralidade do debate na sociedade.

+ sobre o tema

Racismo: modelo grávida é criticada ao postar foto de biquíni

“Nós não vemos com frequência a barriga de pessoas...

Anacronismos de Mainha – Por Ísis Carvalho

"- você está louca! Vou te internar. Quem te pariu...

Após ‘Estrelas além do tempo’, Lego lança coleção sobre mulheres da Nasa

A empresa dinamarquesa de brinquedos Lego informou nesta quarta-feira...

Modos de libertação e sobrevivência

Mulheres escravas usavam estratégias para conseguir comprar a alforria...

para lembrar

Fábricas de Cultura inauguram Estúdios de Gravação para uso gratuito

As Fábricas de Cultura Brasilândia, Capão Redondo, Jaçanã, Jardim...

Brasil tem compromisso muito baixo em dar fim ao racismo – por Fátima Oliveira

Brasil tem compromisso muito baixo com erradicação do racismo Herança...

Meninos da Fundação Casa de Sorocaba tentam reescrever a própria história

Arthur de Sousa, 17 anos, tem o desejo de...

Mulheres negras e literatura – Por: Helena Theodoro

1. Apresentação A literatura atua em nossas vidas para unir...
spot_imgspot_img

“Uma voz feminina preta”

Desde que nos apropriamos do lugar de fala, e ousamos a bradar nossas dores e nossas lutas que temos que de momento a momento,...

“A urgência climática precisa chegar à boca do povo”

Arquiteta, mestre em Urbanismo e feminista, Tainá de Paula, não se desconecta da origem, em uma favela da Praça Seca, para conduzir sua trajetória...

‘Racismo é estrutura que aprisiona pessoas negras’, diz Bárbara Carine

Desejos por profundas e assertivas mudanças no aspecto educativo moveram e ainda movem a baiana Bárbara Carine. Nascida e criada no bairro de Fazenda...
-+=