Tag: racismo na infancia

    blank

    Mãe denuncia que filha foi impedida de assistir aula por causa de tranças

    A professora Alexandra Almeida Silva, denunciou ao Conselho Tutelar que sua filha de apenas 10 anos de idade foi impedida de assistir aulas por conta de uma trança de cor vermelha em seu cabelo. O fato ocorreu na última sexta-feira (24), mas a menina desde então não retornou mais à Escola Municipal Parque Itararé, na zona Sudeste de Teresina. Por Rayldo Pereira, do CidadeVerde.com Foto: Reprodução / Facebook "Na hora do intervalo chamaram a minha filha e falaram que a diretora queria vê-la. Ao chegar lá ela afirmou o que uma secretária já havia dito, que ela deveria retirar as tranças e a mexa vermelha, pois não era adequado a farda da escola. Ao fim da aula, ela deveria retornar à direção e não foi mais recebida. Nesse dia passou o horário dela chegar em casa, e eu fui até a escola e ela não estava mais lá. Ao chegar em casa ela ...

    Leia mais
    blank

    Filho de André Marinho, ex-Br’oz, é vítima de racismo

    Cantor fez vídeo com desabafo do menino e recebeu apoio dos fãs Do Catraca Livre  Crédito: Reprodução/Instagram André Marinho, ex-integrante do grupo Br’oz, relatou que seu filho, Lucas, foi vítima de racismo por parte de uma colega de escola, em um post emocionante no Instagram, no dia 23 de agosto. “Seu amigo da escola falou o que?”, perguntou o cantor. “Que não gosta de negro. Tem uma amiga lá no transporte, hoje ela me contou que eu quase encostei nela e ela disse ‘não encosta em mim pois eu tenho nojo de encostar em negro'”, disse o menino. Marinho, por sua vez, aconselhou o herdeiro a não revidar na criança: “Papai luta, os amigos do papai lutam, para que esse tipo de pensamento não exista mais. Você vai lutar também. Você vai ensinar para o seu amigo, não é para ficar com raiva dele, vai ensinar para ele ...

    Leia mais
    iStockphoto

    Tem racismo na escola sim. É só perguntar às crianças negras

    A semana passada fomos atingidas por uma notícia dolorosa. Numa escola de educação infantil, todas as crianças tinham seus cabelos lavados pela professora, menos a menina negra. Há dias voltando  para casa sem ter o cabelo lavado, de repente não aguentou mais e confidenciou à sua mãe: “A professora não lava meu cabelo, meu cabelo porque meu cabelo  é duro, quero alisar meu cabelo; E não quer mais voltar a escola.” iStockphoto no Palavras de Preta Diante da denúncia da mãe, a escola anuncia: foi um engano, quem estava nessa turma era uma pessoa auxiliar,  é certo que essa mãe está confusa pois foi a mesma quem pediu que não se lavasse os cabelos da criança. Algumas pessoas da comunidade escolar vão parecer chocadas  diante da violência tão bárbara e pensam que se trata de uma nova forma de violência, desses tempos sombrios que estamos vivendo. E ai ...

    Leia mais
    Geledés

    Professora da creche lavou os cabelos de todas as crianças, menos da menina negra de 4 anos

    Vítima é menina de 4 anos. Professora lavou cabelo de colegas, mas não o dela; creche diz que não houve discriminação. no G1 Geledés Polícia Civil investiga um caso de discriminação racial em uma creche pública de Samambaia, no Distrito Federal. A vítima é uma menina de 4 anos. A mãe da criança, Polyelle Conrado, disse que na última segunda-feira (20), a filha chegou chorando em casa porque a professora teria lavado o cabelo de todas as colegas, menos o dela porque era “duro”. A mãe registrou ocorrência na delegacia que agora vai ouvir a escola. O Centro de Educação da Primeira Infância Caliandra é uma creche pública que atende 136 alunos em turno integral. Todos os dias, antes de voltar para casa, as crianças tomam banho com a ajuda de monitores. De acordo com Polyelle, desde segunda-feira a filha não quer mais voltar para a escola ...

    Leia mais
    blank

    Racismo na infância: terreno fértil para a violência

    Ser uma criança negra no sul e sudeste. Eu escolhi esses recortes porque foram as regiões onde vivi quando criança. Apesar de uma breve temporada na Bahia, minha vida foi São Paulo e Paraná. Por Gabriela Moura, do Medium  @PIXABAY Desde pequena eu soube o que era racismo, mas nem lembro onde aprendi o “conceito”, porque isso não era muito debatido em casa. Num geral, pessoas negras descobrem o racismo na prática, já que as escolas — públicas e particulares — se recusam a adotar práticas inclusivas. Minha mãe comentava algumas histórias dela quando criança, tendo sido insultada por membros da própria família por causa de sua pele e cabelo. Mas quando comecei a ouvir as primeiras ofensas racistas óbvias a instrução que eu recebia dos adultos era “não ligue, finja que não ouviu”. Isso era muito pouco eficiente para eu enfrentar as crianças que passavam por mim me chamando de ...

    Leia mais
    blank

    Pouca presença de negros na TV leva a racismo na infância, dizem especialistas

    Para marcar a passagem do Dia da Criança, TV Brasil começa a exibir hoje o desenho colombiano Guilhermina e Candelário, que mostra o dia a dia de dois irmãos negros no Rede Brasil Atual O estudante Anderson Ramos passou boa parte da 4ª série (hoje 5º ano) sendo chamado de "macaco", "preto fedido", "sujo" e ouvindo "piadas" por causa do cabelo crespo. As ofensas vinham de colegas da escola que, assim como ele, tinham 10 anos. O menino relatava os casos para a professora, que nada fez, e para a mãe, que demorou a entender que o filho estava sendo vítima de injúrias raciais. "Quando comecei a chorar muito para não ir à escola e pedi para raspar o cabelo, minha mãe percebeu que eu estava sofrendo com aquilo, mesmo sem eu saber direito o que era", afirma Ramos, hoje com 20 anos. "Quando a gente é criança, não tem ...

    Leia mais
    iStockphoto

    Racismo em prova da Seduc vai parar no Ministério Público

    Duas tirinhas. Uma criança é informada que durante o dia terá que fazer aulas de francês, futebol, música e reforço escolar. Diante da agenda, o garoto pergunta: “Que horas eu vou ser criança?” Na segunda, um menino desapontado reclama que o carrinho que ele pediu não era o carrinho que tinha recebido, de mão, destes usados na construção civil. por Tatiane Calixto no A Tribuna iStockphoto Na primeira situação, o menino é branco. Na segunda, negro. Para a secretaria de Educação de Santos, que utilizou as tirinhas em uma prova, a questão central era a vontade de cada um deles de ser criança. Para o Educafro Valongo, foi o racismo. A pergunta era sobre qual o assunto comum entre os dois textos e integrava uma avaliação aplicada, no último dia 16, a todos os alunos do 4º ano do Ensino Fundamental da rede municipal, como forma ...

    Leia mais
    blank

    O racismo que nos tira a autoestima já na infância

    Lembro que, ano passado, ao conversar com a professora de artes do colégio no qual eu fazia estágio, ela me disse que, quando pedia pra turma fazer um autorretrato, as crianças negras (principalmente as meninas) se desenhavam como brancas, com cabelos lisos. E ao serem questionadas por ela, respondiam, com toda a sinceridade do mundo, que daquele jeito "era mais bonito". Quando eu ouvi aquilo, fiquei meio perplexo. Por mais que eu soubesse que se amar e ver beleza em si mesmo fosse difícil pra nós negros, eu não imaginava que começasse tão cedo. O relato era sobre alunos entre 9 e 11 anos. Enviado Caio Cesar dos Santos via Guest Post para o Portal Geledés Mas pensando aqui e relembrando a minha vida, vejo que eu era igualzinho. Quem joga vídeo game vai saber que, nos jogos de futebol, é possível criar bonecos, dar nome, características etc., e eu sempre fazia os meus. ...

    Leia mais
    @PIXABAY

    A uma criança negra sonhar não é permitido

    @PIXABAY Há poucos dias estava em uma sala onde haviam várias crianças, cada uma delas se divertia a seu modo. Enquanto observava vi duas meninas sentadas em volta de uma mesa com bonecas no colo, certamente representavam suas filhas, uma outra menina longe da mesa. De repente escuto: empregada... você tá demorando pra trazer o café! por Bernadete Aparecida Martins dos Santos via Guest Post para o Portal Geledés Acredito que seja desnecessário dizer que a criança que representava a empregada era negra. A menina sai correndo em direção à mesa e pede desculpas enquanto servia as outras. Eu enquanto mulher, adulta, munida de alguns conhecimentos sobre o racismo, não consegui me controlar diante daquela situação e intervi na brincadeira. Questionei do que estavam brincando e a menina que representava a empregada respondeu, estamos brincando de casinha e eu sou a empregada delas. Perguntei novamente, por que ela era a ...

    Leia mais
    blank

    Conheça cinco formas de combater o racismo na infância

    A Fundação Cultural Palmares divulgou em sua página na rede social facebook cinco formas que, se bem trabalhadas na infância pode contribuir de fato e de direito para termos pessoas com respeito às diferenças étnica-raciais e com um sentimento de pertencimento por Nicolau Neto  Do Informacoes em Foco Divulgação/Fundação Cultural Palmares São formas e atitudes que devem nortear os pais na educação dos filhos para o combate a um dos maiores cânceres sociais que emergiu no Brasil desde sua invasão no século XVI, que estão abaixo elencadas: Eduque as crianças para o respeito à diferença. Ela está nos tipos de brinquedos, nas línguas faladas, nos vários costumes entre os amigos e as pessoas de diferentes culturas, raças e etnias. As diferenças enriquecem nosso conhecimento. Valorize e incentive o comportamento respeitoso e sem preconceito em relação à diversidade étnico-racial. Ajude a escola de seus filhos a adotar a ...

    Leia mais
    iStockphoto

    Racismo na infância: as marcas da exclusão

    Como uma pessoa se torna racista e que tipo de efeitos a criança vítima de discriminação carrega para a vida adulta? A reportagem que você lerá a seguir propõe uma reflexão sobre essas e outras perguntas Por Maíra Streit, do MamaPress iStockphoto A pequena estudante*, de quatro anos, acordou alegre naquele dia. Estava orgulhosa por ter sido escolhida pela professora para ser a noivinha da festa junina da escola. Os cabelos crespos foram cuidadosamente arrumados pela mãe e enfeitados com um véu branco, que emoldurava um rosto expressivo e sorridente. Era para ser uma data especial na vida daquela criança. Porém, o encantamento durou pouco. Durante a quadrilha, a avó do colega que fez par com a menina mostrou indignação ao ver que o neto dançaria com uma aluna negra. Dias depois, voltou à escola para tirar satisfações. Segundo consta no boletim de ocorrência registrado pela família ...

    Leia mais

    Últimas Postagens

    Artigos mais vistos (7dias)

    Instagram

    Twitter

    Facebook

    Welcome Back!

    Login to your account below

    Create New Account!

    Fill the forms bellow to register

    Retrieve your password

    Please enter your username or email address to reset your password.

    Add New Playlist