Angolanos exigem desculpas de Dilma, por assassinato de estudante

Reivindicação foi feita por um grupo de aproximadamente 150 pessoas, durante protesto realizado nesta quinta-feira (21), na cidade de São Paulo. O crime, que completa um mês, ocorreu na noite do dia 22 de maio.

A comunidade angolana exigiu um pedido formal de desculpas da presidenta Dilma Rousseff pelo assassinato da estudante universitária Zulmira de Souza Borges Cardoso. A reivindicação foi feita por um grupo de aproximadamente 150 pessoas, durante protesto realizado na última quinta-feira (21), na cidade de São Paulo (SP). O crime, que completa um mês, ocorreu na noite do dia 22 de maio.

Além de Zulmira, outros três angolanos foram alvejados por disparos de arma de fogo quando estavam reunidos em um bar, no bairro paulistano do Brás. Entre as vítimas, havia uma grávida. A criança nasceu dias depois, apresentando bom estado de saúde.

Até o momento, a Polícia não identificou o suspeito de efetuar os disparos, nem o cúmplice que dirigia o carro utilizado na fuga. Os advogados sugerem que houve motivação racial, pois o ataque foi precedido por uma discussão, na qual os estudantes foram chamados de “macacos miseráveis”.

O universitário angolano Marseu de Carvalho, amigo de Zulmira, afirma que os sobreviventes não receberam nenhum apoio por parte do governo brasileiro. As despesas médicas foram custeadas pelo Consulado Geral de Angola. Para além da assistência, ele defende iniciativas de combate ao preconceito.

“O importante para nós agora é encontrar o culpado, e que o Estado brasileiro mostre solidariedade ao povo angolano. A princípio, algumas pessoas preconceituosas acham que têm superioridade racial em relação à cor negra. Então, é importante que o Estado brasileiro faça um trabalho de inserir a história mais profunda da África na Educação.”

A manifestação contou com o apoio de cerca de 40 organizações, que continuarão se reunindo em torno do movimento “Zulmira Somos Nós”. O próximo passo será uma Audiência Pública, na Câmara Municipal, marcada para a próxima quinta-feira (28), às 11h.

De São Paulo, da Radioagência NP, Jorge Américo.

+ sobre o tema

135 anos de desrespeito à liberdade

O mérito de proibir a escravização e libertar as...

Chacina de Osasco e Barueri – 5 anos de impunidade

Na data de 13 de agosto de 2020, completou...

Quando as cotas se tornam uma questão moral

Novamente surge a manchete do médico "branco" que passou...

para lembrar

Jovens indenizarão garota de programa por atacá-la com extintor

Na madrugada de 4 de novembro de 2007, Luciano...

EUA condenam à prisão perpétua homens brancos que mataram Ahmaud Arbery

A Justiça da Geórgia, nos Estados Unidos, condenou nesta...

Racismo na Itália: Ministro da Integração quer combater o racismo na web

Depois de ouvir imigrantes e hebreus, o ministro Andrea...
spot_imgspot_img

Como o diabo gosta

Um retrocesso civilizatório, uma violência contra as mulheres e uma demonstração explícita do perigo que é misturar política com fundamentalismo religioso. O projeto de lei...

Homens, o tema do aborto também é nossa responsabilidade: precisamos agir

Nesta semana, a escritora Juliana Monteiro postou em suas redes sociais um trecho de uma conversa com um homem sobre o aborto. Reproduzo aqui: - Se liberar o...

A falácia da proteção à vida

A existência de uma lei não é condição suficiente para garantir um direito à população. O respaldo legal é, muitas vezes, o primeiro passo...
-+=