Apenas 34% dos brasileiros confiam na polícia, diz estudo

por: Gustavo Gantois

Violência e corporativismo são características mal vistas pela população

Apesar dos investimentos em formação, 65% dos moradores de Minas Gerais, Pernambuco, Rio Grande do Sul, Bahia, Rio de Janeiro, São Paulo e Distrito Federal afirmam que a polícia é nada ou pouco confiável. O dado consta do Anuário Brasileiro de Segurança Pública, lançado nesta quarta-feira (23). A pesquisa foi feita entre abril e junho de 2011.

A desconfiança em relação à polícia atinge todas as classes sociais e perfis, como sexo e escolaridade. Entre as mulheres, no entanto, a polícia tem uma imagem ligeiramente pior: 69% delas não confiam nos agentes. Quanto aos homens, esse índice é de 61%.

Um dado que chama atenção é que a população de baixa e alta escolaridade enxerga a polícia da mesma forma. A diferença se dá, porém, entre os que possuem média escolaridade: 71% dessas pessoas desconfiam da polícia, contra 62% entre os de baixa escolaridade e de 63% entre os de alta.

Os pesquisadores dizem que isso é resultado, em parte, de escândalos de corrupção e das ações policiais violentas, que estão constantemente na imprensa.

Um exemplo disso está no questionário feito aos pesquisados. Quando perguntados se houve alguma notícia sobre a Justiça ou o Judiciário que chamou a atenção, 22% responderam afirmativamente. Das notícias citadas, 44% referiam-se a casos policiais.

Em primeiro lugar ficou o caso do menino Juan Moraes, de 11 anos, morto pela polícia do Rio de Janeiro durante operação na favela Danon, em Nova Iguaçu. Bem depois apareceram os casos envolvendo o ex-goleiro Bruno e o assassinato de Mércia Nakashima, em Guarulhos (SP).

Outro motivo para a desconfiança da população em relação à polícia é que o país não tem dados consolidados sobre violações cometidas pelas forças de segurança. As corregedorias de polícia (militares, civis, rodoviária federal e federal) chegam a registrar casos, mas as informações não são analisadas.

Em São Paulo, cujos dados vão de 1995 a 2006 apenas, as principais denúncias recebidas pela ouvidoria da polícia tratam de infrações disciplinares (13,6%) e homicídios cometidos por policiais (10,5%), seguidos por má qualidade no atendimento (10,4%) e abuso de autoridade (6%).

O anuário, elaborado pela ONG (organização não governamental) Fórum Brasileiro de Segurança Pública em parceria com o Ministério da Justiça, aponta ainda que o Brasil gastou, em 2010, R$ 47,6 bilhões com a área de segurança pública, um valor 4,4% superior ao do ano anterior.

Fonte: R7

+ sobre o tema

Ludmilla processa Val Marchiori por injúria racial

Funkeira exige indenização por danos morais após comentário da...

Lugar de fala & A Fala do lugar

Em espanhol, quando queremos compartilhar a nossa opinião sobre...

Não é cansativo? Paulo Gustavo faz ‘blackface’ e causa polêmica na internet

No último domingo, dia 12, o ator Paulo Gustavo...

Baile de favela? Só se for bem longe dela!

A favela é quase um mito urbano. Não porque...

para lembrar

Caso Extra: Criança negra depôe no Inquérito e reconhece segurança

  S. Paulo - Acompanhado do pai, Diógenes...

Clamando por Justiça, mãe de DG afirma: ‘Vou buscar força no mar’

Maratonista e nadadora, Maria de Fátima Silva afirma que...

Nos EUA, prefeita renuncia após apoiar insultos racistas contra Michelle Obama

A prefeita Beverly Walling, da pequena cidade de Clay,...
spot_imgspot_img

Presos por racismo

A dúvida emergiu da condenação, pela Justiça espanhola, de três torcedores do Valencia por insultos racistas contra Vini Jr., craque do Real Madrid e da seleção brasileira. O trio...

Formação territorial do Brasil continua sendo configurada por desigualdades, diz geógrafo

Ao olhar uma cidade brasileira é possível ver a divisão provocada pela segregação espacial no território, seja urbano, seja rural. A avaliação é fruto...

Família de João Pedro protesta contra decisão que absolveu policiais

Os parentes do adolescente João Pedro, morto por policiais civis durante uma operação na comunidade do Salgueiro, em São Gonçalo, no Grande Rio, em...
-+=