Após declaração de Guedes, filha de Brigitte Macron lança movimento contra misoginia

Tiphaine Auzière, filha do primeiro casamento de Brigitte Macron, se irritou com os comentários de autoridades brasileiras visando a primeira-dama francesa. Em um vídeo divulgado nas redes sociais, ela lançou um movimento no qual pede que a população denuncie atos misóginos.

No RFI

Tiphaine Auzière, ao lado da mãe Brigitte Macron, durante campanha presidencial. A filha da primeira-dama francesa raramente aparece na mídia. (Foto: Philippe HUGUEN / AFP)

A advogada Tiphaine Auzière, que raramente aparece na mídia, se exprimiu na noite de sexta-feira (6), um dia após o ministro brasileiro da economia, Paulo Guedes, ter feito comentários sobre a aparência física de sua mãe.

Ela aparece em um vídeo segurando uma folha na qual está impressa uma matéria publicada na imprensa francesa sobre as declarações de Guedes. “Estamos em 2019 em um responsável político visa uma personalidade pública sobre seu físico. Isso ainda existe”, diz a filha de Brigitte Macron.

Ela reage à declaração de Paulo Guedes que disse, sobre a primeira-dama, que “essa mulher é realmente feia”. “Não estamos aqui para dar lição em ninguém, pois a França não está livre disso”, continuou Tiphaine Auzière, lembrando episódios em que a ministra francesa Cécile Duflot foi alvo, em 2012, de assobios ao fazer um discurso usando um vestido florido.

Para a advogada, essa é uma oportunidade para que a população se mobilize contra o desprezo e o preconceito visando as mulheres. “Vamos juntos, a partir de amanhã, reagir, nos engajar dentro de nossas famílias, no nosso trabalho e nas urnas para denunciar os misóginos”. Ela conclui a mensagem mostrando um cartaz com os dizeres #Balancetonmiso (denuncie o seu misógino, em tradução livre).

O hashtag segue a mesma linha do “Balance Ton Porc”, slogan lançado na esteira do movimento #MeToo.

Além de Tiphaine Auzière, várias lideranças políticas francesas, de esquerda e de direita, demonstraram indignação na sexta-feira após as declarações de Paulo Guedes sobre Brigitte Macron.

 

Leia Também: 

O que o sexismo de Bolsonaro nos diz sobre submissão de primeiras-damas

Primeiras-damas ou damas decorativas com pimentões?

+ sobre o tema

Filme mostra grupo de mulheres negras que ajudou a NASA a vencer a Corrida Espacial

Com direção de Theodore Melfi (Um Santo Vizinho), "Hidden...

Comunicado do IPEA sobre trabalho doméstico

Este texto dedica-se à análise das condições de vida...

Diarista ou doméstica?

De acordo com a Organização Internacional do Trabalho (OIT),...

para lembrar

Cineasta baiana é finalista do Prêmio ABRA de Roteiro

A diretora e roteirista baiana, Ana do Carmo, foi...

De A a Z: Artista colombiana adota o alfabeto como nome

ABCDEFG se beneficiou da legislação colombiana sobre mudanças de...

Mãe perde o bebê e carrega filho morto no ventre há 13 dias

Grávida de gêmeos, a auxiliar de cozinha Angélica Chaves,...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

Lançamento do livro “A importância de uma lei integral de proteção às mulheres em situação de violência de gênero”

O caminho para a criação de uma lei geral que reconheça e responda a todas as formas de violência de gênero contra as mulheres...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...
-+=