“Ativismo que cola”: jovens vendem tatuagens feministas para o carnaval do DF

Estampas trazem frases como “Meu corpo, minhas regras” e “Não é não”

Por  Marianna Holanda, do Correio Braziliense 

Nos blocos de pré-carnaval em Brasília deste fim de semana, duas garotas passavam com um quadro de tatuagens temporárias e um spray d’água. O objetivo das designers Gabriela Alves e Luciana Lobato com o “ativismo que cola” era vender 14 tipos diferentes de estampas feministas. “No Carnaval, as pessoas bebem e acham normal ficar puxando pelo braço, pelo cabelo, e não é. Álcool não é desculpa para tudo. E no momento em que você coloca uma tatuagem com mão [mostrando o dedo] falando que não é obrigada, de alguma forma, você está coibindo isso”, explica Carolina Ferrare, a produtora e terceira idealizadora.

As tatuagens da Conspiração Libertina trazem frases como “Meu corpo, minhas regras” e “Não é não”. Há também algumas do movimento LGBT, como o unicórnio com a legenda “boy magia”. Elas funcionam como as “tatuagens de cliquete”: deve-se remover o plástico, colocar na o papel sobre a pele e molhar a região.

Não só para épocas de caraval, a loja também produz cartazes, ímãs e adesivos com a mesma proposta. O empreendimento surgiu em setembro do ano passado, quando as garotas procuravam um adesivo do símbolo feminista e não encontravam.

“Senti falta e pensei que outras pessoas pudessem sentir também, então resolvemos arriscar”, lembra Carolina. O carro-chefe da loja são as tatuagens, principalmente a do símbolo feminista com estampa floral.

Público diverso
No começo, as jovens acreditavam que o público seria como elas: jovens feministas. No entanto, elas se surpreenderam com a pluralidade do público que procura os produtos temáticos. “Outro dia, encontrei uma senhora de 70 anos com um adesivo de ‘Não sou obrigada’ na capinha do celular. É muito legal isso”, conta Carolina.

Em breve, a marca lançará uma cartela de tatuagens temporárias para crianças – outro público surpreendente, segundo a empreendedora. Bento, de 6 anos, viu as tatuagens em uma feirinha e logo se interessou. “Não acho que ele tenha plena consciência sobre a mensagem, mas não deixa de ser um gancho para tratar de questões que eu acho importante, de uma forma lúdica”, explica a mãe, Tiana Oliveira.

+ sobre o tema

Ministra Luiza Bairros é condecorada com a medalha Mérito Santos Dumont

A ministra da Secretaria de Políticas de Promoção da...

Os homens estão prontos para tomar pílula anticoncepcional?

Os cientistas estão desenvolvendo há quase meio século uma...

para lembrar

Casos de estupro crescem no Estado de São Paulo e na capital paulista

Registros passaram de 4.532 no primeiro semestre de 2015...

Simone de Beauvoir: o que é ser mulher?

Justamente por ter uma lógica própria de se colocar...

Polícia indicia 14 em inquérito sobre morte de mulher durante tentativa de aborto

Dez pessoas foram indiciadas pelos crimes de aborto, homicídio...
spot_imgspot_img

Mãe Hilda de Jitolú, a matriarca do Ilê Aiyê

Em 1988, quando uma educação afrocentrada ou antirracista ainda não estava no imaginário brasileiro, uma mulher preta que nunca frequentou a escola abriu sua casa, em Salvador (BA)...

Aos 80 anos, Zezé Motta celebra uma carreira de grandes feitos e garante: “Eu não paro!”

É com um sorriso solto e uma presença indescritível que Zezé Motta conversa comigo no camarim do estúdio onde fotografamos as imagens e a capa que...

Justiça nega aborto legal de adolescente de 13 anos após seu pai pedir manutenção da gravidez

Uma adolescente de 13 anos que vive em Goiás teve o aborto legal negado pelo TJ-GO (Tribunal de Justiça de Goiás), após o pai da jovem...
-+=