Bancada religiosa resiste em votar projeto de Marielle contra homofobia

A Câmara Municipal do Rio de Janeiro aprovou 5 dos 7 projetos da vereadora Marielle Franco (PSol), assassinada em 14 de março. Projeto relacionado à luta contra homofobia, lesbofobia, bifobia e transfobia, no entanto, foi adiado. O outro de assistência pública e gratuita para moradia de interesse social sofrerá alterações técnicas e voltará à pauta ainda este mês.

A principal resistência em relação ao PL 72/2017, que institui o Dia de luta contra a Homofobia, é a bancada religiosa. O texto saiu de pauta nesta quarta-feira (2) após um pedido do vereador Cláudio Castro (PSC), do movimento carismático da Igreja Católica. Além dessa proposta, a bancada ainda tenta tirar a palavra gênero de outros 2 projetos que foram aprovados, mas que ainda terão que passar por mais uma votação.

Ao jornal O Globo, o vereador do PSC afirmou que há uma discussão muito centrada em apenas uma camada da população que sofre preconceito. “Existem outros preconceitos, como o contra gagos“, exemplificou.

O vereador Alexandre Isquierdo (DEM), ligado à Assembleia de Deus Vitória em Cristo, acrescentou ao O Globo que muitos políticos são contra debate ideológico sobre gênero nas escolas.

“Todos somos contra discriminações, mas, por trás desses projetos, está uma tentativa de abrir espaço para que a questão de gênero entre em debate nas escolas com viés de convencimento. E com isso nós não concordamos.”

O vereador Tarcísio Motta (PSol) relembrou que no ano passado a Câmara Municipal barrou projeto de Marielle que criava o Dia da Visibilidade Lésbica. “É lamentável que essa bancada fundamentalista faça isso, que não permita que no calendário oficial da cidade tenham esses dias. Quem é LGBT ou apoia a luta LGBT sabe que não precisamos de um dia oficial para passar todos os dias lutando contra LGBTfobia.”

Não é o fato de não ter um dia oficial que vai nos fazer parar de lutar contra a LGBTfobia.Vereador Tracísio Motta (PSol)

Apesar da resistência, vereadores do PSol comemoraram o resultado e a aprovação da resolução que homenageia Marielle com nome da tribuna do plenário. “Os assassinos de Marielle tentaram fazer calar a voz dela. Hoje, a Câmara Municipal deu a resposta política a esses que tentaram calar a voz dela fazendo Marielle falar em leis aprovadas, que lutaremos que agora se transformem em políticas públicas”, afirmou Motta.

Conheça os projetos que foram aprovados:

1. Espaço Coruja (PL 17/2017)

Institui o Espaço Coruja, programa de acolhimento às crianças no período da noite, enquanto seus responsáveis trabalham ou estudam. É também essencial para conquistar igualdade entre homens e mulheres, permitindo que mães com dupla jornada continuem seus estudos ou permaneçam em seus empregos.

2. Assédio não é passageiro (PL 417/2017)

Cria a Campanha Permanente de Conscientização e Enfrentamento ao Assédio e Violência Sexual no município do Rio de Janeiro, nos equipamentos, espaços públicos e transportes coletivos.

3. Dossiê Mulher Carioca (PL 555/2017)

Cria o Dossiê Mulher Carioca, para auxiliar a formulação de políticas públicas voltadas para mulheres através da compilação de dados da Saúde, Assistência Social e Direitos Humanos do Município do Rio de Janeiro.

4. Efetivação das Medidas Socioeducativas em Meio Aberto (PL 515/2017)

Prevê que o Município se responsabilize por suas obrigações legais, garantindo que as medidas socioeducativas do Judiciário sejam cumpridas pelos adolescentes em meio aberto e, eventualmente, dando-lhes oportunidades de ingresso no mercado de trabalho.

5. Dia de Thereza de Benguela no Dia da Mulher Negra (PL 103/2017)

Inclui no calendário oficial da cidade o Dia de Thereza de Benguela como celebração adicional ao Dia da Mulher Negra, em homenagem à líder quilombola Thereza de Benguela, símbolo de força e resistência.

(Foto: NACHO DOCE / REUTERS)

Marielle, presente!

Marielle e seu motorista Anderson Gomes foram atingidos por um total de 13 tiros em Estácio, na região central do Rio. Negra, da periferia e lésbica, a vereadora, que era uma das vozes de denúncia sobre violência policial, se tornou um símbolo de luta pelos direitos humanos.

Um mês e meio após o assassinato ainda não se sabe quem matou Marielle. Logo após o crime, um artigo da Human Rights Watch alertou que a ousadia para assassinar uma pessoa com tanta visibilidade pressupunha que não haveria consequências na Justiça.

“A impunidade no caso das execuções extrajudiciais é particularmente devastadora, não apenas pelo sofrimento das famílias das vítimas”, ressaltava a HRW.

+ sobre o tema

Como resguardar as meninas da violência sexual dentro de casa?

Familiares que deveriam cuidar da integridade física e moral...

Bruna da Silva Valim é primeira negra a representar SC no Miss Universo Brasil

Bruna da Silva Valim, candidata de Otacílio Costa, foi...

Luiza Bairros lança programas de combate ao racismo na Bahia

O Hino Nacional cantado na voz negra, marcante, de...

Elizandra Souza celebra 20 anos de carreira em livro bilíngue que conta a própria trajetória

Comemorando os 20 anos de carreira, a escritora Elizandra...

para lembrar

Na época do Brasil colonial, lei permitia que marido assassinasse a própria mulher

Jorge Amado abre o clássico Gabriela, Cravo e Canela...

Mulheres negras conquistam lugar de fala na internet, no rádio e no audiovisual

"Não quero saber de outra no nosso lugar de...

Vices têm em comum a luta por afirmação negra e feminina

Integrantes de legendas que têm propostas políticas diferentes, o...

Jay Z pagará fiança de diversos pais presos nos EUA

Radiante com a chegada dos gêmeos que nasceram nesta...
spot_imgspot_img

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...

“O Itamaraty me deu uma bofetada”, diz embaixadora Isabel Heyvaert

Com 47 anos dedicados à carreira diplomática, a embaixadora Isabel Cristina de Azevedo Heyvaert não esconde a frustração. Ministra de segunda classe, ela se...
-+=