Barbie não me representa

A trajetória de luta de mulheres negras que a história oficial quis ocultar

Esperança Garcia, Maria Firmina dos Reis, Enedina Alves Marques, Antonieta de Barros. Mais do que gênero e raça, elas têm em comum o fato de terem aberto caminho ao escreverem páginas relevantes da história que a história oficial quis ocultar.

No século 18, no Piauí, Esperança Garcia redigiu uma carta (considerada a primeira petição escrita por uma mulher negra) denunciando maus tratos sofridos pelos escravizados como ela e seus filhos.
Do Maranhão, Maria Firmina dos Reis foi a primeira romancista brasileira a ter um livro publicado no país. A obra “Úrsula”, de 1859, tinha como enredo o abolicionismo. Em 1888, ano da abolição, ela compôs o “Hino da Libertação dos Escravos”.

Enedina Alves Marques foi outra precursora: nascida em 1913, tornou-se a primeira engenheira do país e a primeira mulher a obter um diploma de curso superior no Paraná. Criada pela mãe, que trabalhava como escravizada doméstica, Antonieta de Barros (1901), de Santa Catarina, foi professora, jornalista, escritora e a primeira deputada estadual negra do Brasil.

Como elas, muitas outras personagens pouco ou nada conhecidas são importantes para entender as conquistas e a trajetória de luta das mulheres negras por direitos, equidade e justiça.

Para dar visibilidade ao enfrentamento ao racismo e ao sexismo, há 31 anos, em 25 de julho, um grupo de mulheres reuniu-se na República Dominicana. Nascia o Dia Internacional da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha, marco da resistência à opressão de gênero e raça.

Por aqui, onde pretas e pardas são a maioria entre os trabalhadores domésticos e despontam como público mais afetado em todos os índices de desigualdades, a data é também Dia Nacional de Tereza de Benguela – a “Rainha Negra do Pantanal”, líder que se destacou por instituir uma espécie de parlamento no quilombo do Quariterê (MT).

Pelas que me antecederam e para as que irão me suceder, digo: Barbie não me representa.

+ sobre o tema

Mais um ataque à democracia

Semana passada tirei da estante e reli trechos do...

As 7 consequências dos atos racistas na Arena

por Luiz Zini Pires Os atos racistas na Arena 1) O Grêmio...

Muritiba: Caso do carteiro vítima de injúria racial será julgado nesta quarta (27)

Jaguaracy Cruz Barbosa, 39 anos, casado, pai de uma...

ONU diz que polícia brasileira mata 5 por dia; maioria é afrodescendente

A Organização das Nações Unidas (ONU) acusa a polícia...

para lembrar

Obama não conseguiria ser presidente do Brasil, dizem especialistas

GABRIELA MANZIN, da Folha de São Paulo  Eu gostaria de...

Uruguai: Marcharon contra el racismo y, en especial, por el nigeriano golpeado

Discriminación. Unas 50 personas de organizaciones afro pidieron Justicia...

Fui preso suspeito de roubar o meu próprio carro

Era 19h de segunda-feira, dia 30/03, quando cheguei à...

Justiça determina que UFSM mantenha cotista afrodescendente

Comissão teria questionado a raça e a origem do...
spot_imgspot_img

Futuro da gestão escolar

A educação pública precisa de muitos parceiros para funcionar. É dever do Estado e da família, com colaboração da sociedade, promover a educação de todas as...

Educação para além dos muros da escola

Você pode fornecer escolas de qualidade para os mais pobres e, mesmo assim, talvez não veja a mudança na realidade do país que se...

Criança não é mãe

Não há como escrever isto de forma branda: nesta quarta-feira (12), a Câmara dos Deputados considerou urgente discutir se a lei deve obrigar crianças vítimas de estupro à...
-+=