Beyoncé compartilha dores legítimas e distribui pontapés em questões machistas e racistas em disco

Foram precisos seis discos – só na carreira solo, afinal foram quatro álbuns de estúdio com o trio Destiny’s Child – para sentirmos Beyoncé. Enfim, ela traz os fãs para perto. Para a vida dela, suas questões e dúvidas, sejam sociais, políticas e amorosas. Beyoncé, maior nome do pop da atualidade, viu sua carreira crescer exponencialmente, hit seguido de hit com velocidade invejável.

Por PEDRO ANTUNES . do Estadão

Posicionou-se em questões importantes da luta feminista, colocou o dedo na ferida do racismo nos Estados Unidos, em canções ou em ações fora dos palcos e estúdios. Poderosa, afinal. É esse o único adjetivo que se pode pensar depois de ouvir o nome de Beyoncé. A cantora vestiu essa armadura e partiu para a briga que merecia ser brigada ao longo dos anos.

Em Lemonade, sexto disco, lançado e surpresa no último fim de semana com exclusividade no serviço de música por streaming Tidal, ela está mais forte do que nunca. Sua persona pública não esmorece e ainda lida com temas que lhe são caros, escarrados em universo pop que só agora parece deixar de ser apático e apolítico – vide o buz formado em torno de Pimp My Butterfly, do rapper Kendrick Lamar, que, aliás, foi chamado para participar com versos raivosos na faixa Freedom, a décima do álbum.

Ela assume para si a função de dar socos e pontapés em toda a apropriação da cultura negra nos Estados Unidos, questiona o “embranquecimento cultural” sofrido por ela mesma, em diferentes momentos da carreira. O título do disco, “limonada”, em português, é um gancho de direita diretamente no queixo do passado e presente racista. “Meus ancestrais escravizados tomavam limonada, achando que isso iria embranquecê-los”, ela explicou. “A mídia me deu limonada, mas não adiantou.” Escancarar isso na ótima Formation, que encerra o disco, na apresentação do Super Bowl, final do campeonato de futebol americano e evento mais assistido do planeta, foi um cruzado de esquerda. Nocaute por um futuro melhor.

É curioso, no entanto, como agora Beyoncé também é capaz de se despir. Tirar aquela couraça e, por vezes, a impessoalidade das canções dançantes. Mostra ser de carne e osso – em um processo difícil para uma figura tão emblemática e pública. Mostra o coração. E ele está partido. Ou melhor, partindo. Confuso. Fluem de Lemonade raiva, compaixão, tristeza, alegria que só a filha que tem com Jay-Z, Blue Ivy, é capaz de promover.

E entrega, com isso, o conjunto de canções mais corajoso que ela já produziu. Basta ouvir Sandcastles: Beyoncé canta de sonhos perdidos e desafina de forma genuinamente bonita (acredite), como nunca na carreira. Como se a voz viesse de um lugar desconhecido. Esse espaço inacessível até então, no qual a figura pública e privada da artista se fundem em uma só.

 

 

+ sobre o tema

Panos africanos, tradição reinventada

São actualmente uma peça comum para a grande maioria...

Rap ganha popularidade entre índios ao denunciar violência

  Dados da Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai) obtidos...

para lembrar

“Sou escritor de expressão angolana e não portuguesa”, diz Ondjaki

    Brasília – Convidado a participar de um seminário para...

Dida chega para comandar defesa da Lusa: ‘Acredito que posso resolver’

Goleiro, que estava aposentado desde 2010, afirma que não...

Copa do Mundo incentiva pesquisa de combate ao racismo

Pesquisador brasileiro quer colher DNA de jogadores de todo...

Dia no atletismo tem fim de hegemonia e quebra de recorde

Entravam Olimpíadas, saíam Olimpíadas, era sempre a mesma coisa:...
spot_imgspot_img

Quem é Linda Martell, citada em “Cowboy Carter”, novo álbum de Beyoncé?

O esperado novo álbum de Beyoncé contém uma música que leva o nome de uma mulher que parece ter sido a inspiração para o projeto. “Act...

Beyoncé revela que Stevie Wonder tocou gaita em uma das faixas de seu novo disco ‘Cowboy Carter’; ouça

Beyoncé revelou que Stevie Wonder tocou gaita em "Jolene", uma das faixas do seu novo disco "Cowboy Carter". A informação foi dada pela própria cantora durante o...

Beyoncé diz que seu novo disco nasceu de experiência de rejeição no country

Beyoncé divulgou nesta terça-feira (19) a capa do seu novo disco "Cowboy Carter", o segundo capítulo de uma coleção que começou com "Renaissance", de...
-+=