Bira diz que probabilidade de um negro ser morto na PB é maior que em outros estados

Em sessão especial realizada na última quinta-feira (13), para debater o período pós-abolição na Paraíba, o vereador Bira apresentou dados sobre a violência no estado e afirmou que probabilidade de um negro ser vítima de arma de fogo na Paraíba é maior que em outros estados da federação. Os dados são do Mapa da Violência.

“A Paraíba hoje é o estado onde mais se mata negros por arma de fogo. A juventude também representa outro dado alarmante, pois João Pessoa é a quarta cidade do Brasil onde existe a maior taxa de vitimização da população negra”, disse Bira.

De acordo com o parlamentar, é preciso que o poder público, a secretaria de segurança e as instituições desenvolvam ações efetivas para lidar com essa realidade. “Necessitamos de ações mais concretas e efetivas. Somente questionar os indicadores é um discurso muito pobre. Temos que reconhecer a realidade para entendê-la e acima de tudo, intervir, porque a primeira reação da secretaria de segurança do estado é sempre não reconhecer a realidade dos dados”, criticou o vereador Bira.

O parlamentar também ressaltou o desemprego e os baixos salários dos trabalhadores negros na Paraíba como uma forma de racismo, que em média alcança pouco mais de 60% do salário dos trabalhadores brancos.

*Pós-abolição*

A sessão tratou de questões relativas à saúde, emprego e renda, educação, religião e cultura voltadas para a população negra. O evento encerrou a programação das festividades do Dia da Abolição deste ano, promovida pela Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP) desde o último dia 13 de maio.

Conforme justificou o vereador Bira, “discutir o pós-abolição é discutir o cenário em que tivemos um ato formal, legal, jurídico, mas que, na verdade, foi inconcluso. É preciso situar essa discussão a partir de outro referencial, um referencial de luta, de mobilização, de autoafirmação e, ao mesmo tempo, situar essa discussão do pós-abolição no sentido de uma reparação histórica que a Nação Brasileira deve à população negra”.

*Reparação histórica*

O representante do Conselho Estadual de Promoção da Igualdade Racial (Cepir-PB), Dalmo Oliveira, explicou: “O processo de abolição no Brasil foi meramente simbólico, não houve nenhuma garantia por parte do Estado brasileiro para a população negra que foi escravizada durante mais de 200 anos”. Segundo Dalmo Oliveira, ainda hoje existem sequelas da escravização, e os espaços criados para a reparação histórica desses danos é fruto da luta dos movimentos sociais: “Nossas reivindicações buscam apenas a igualdade de direitos para todos”.

Uma dessas conquistas, segundo ele, é a Coordenadoria Municipal de Cidadania LGBT e de Igualdade Racial do município. Conforme explicou a coordenadora Socorro Pimentel, seu papel é assessorar o Poder Executivo Municipal na formulação e implementação de políticas públicas de reparação e combate às desigualdades resultantes no processo histórico de exclusão e discriminação, além de promover a população negra, quilombola e das comunidades tradicionais de terreiro. “Os dados comprovam que nós ainda vivemos na desigualdade e que o processo de abolição foi inconcluso. Desse modo, lutamos pela implementação de políticas públicas para o município de João Pessoa em sintonia com as reivindicações das diversas representações da sociedade civil”, salientou.

*Combate à anemia falciforme*

O vereador Bira e representantes dos movimentos sociais também cobraram um cuidado maior em relação à saúde da população negra, em especial na identificação e no tratamento da anemia falciforme, que tem maior incidência nessa parcela da população, atingindo um em cada 500 negros no Brasil.

A doença genética e hereditária é decorrente de uma anomalia da hemoglobina dos glóbulos vermelhos do sangue, e, de acordo com a Associação Paraibana de Portadores de Anemias Hereditárias (ASPPAH), estima-se que, em todo o estado, 3% da população seja portadora da doença ou do traço falcêmico. Neste último caso, os portadores não manifestam os sintomas da doença, mas, caso venham a se relacionar com pessoas que possuam o mesmo gene, podem gerar filhos doentes.

O representante do Cepir-PB, Dalmo Oliveira, revelou que a Secretaria de Saúde do estado está concluindo junto ao Ministério da Saúde o processo de institucionalização da segunda fase do Teste do Pezinho, que detecta no nascimento a anemia falciforme. “Provavelmente, nas próximas semanas nós vamos poder dizer que a Paraíba vai realizar a segunda fase do teste e também uma terceira que pode detectar inclusive outras doenças raras no sangue”, adiantou.

*Intolerância religiosa*

Também foi lembrada, durante a sessão especial, a agressão à estátua de Iemanjá, na praça de mesmo nome, em Cabo Branco, que teve a cabeça arrancada por vândalos no início de abril deste ano. Militantes do movimento negro classificaram o ato como proveniente de intolerância religiosa. “As religiões de matrizes africanas sofrem constantemente com o preconceito e a estigmatização”, concordou o vereador Bira.

O Presidente da Federação Cultural Paraibana de Umbanda, Candomblé e Jurema (FCPUMCANJU), Eriberto Carvalho, conhecido como Pai Beto, também lembrou o ato de intolerância. “Decapitaram a imagem e colocaram a cabeça nos pés. Como nós interpretamos este aviso? Vêm acontecendo tantos atos de intolerância e preconceito contra nossa cultura que faz medo ser linchado ou apedrejado. O preconceito é tão forte que a gente sente em qualquer ambiente público”, comentou.

A coordenadora Socorro Pimentel garantiu que já está sendo providenciada a recuperação da estátua e sua colocação em um local de maior visibilidade na Capital. Ela ainda julgou necessário o mapeamento dos terreiros do município, a fim de que esses dados resultem em um roteiro turístico-cultural para conhecimento dessas casas.

O representante do Cepir-PB, Dalmo Oliveira, também propôs o mapeamento dos territórios negros no município, a fim de que haja um investimento nessas áreas para diminuir a vulnerabilidade social da população que lá reside.

Ele ainda cobrou a garantia da laicidade nos estabelecimentos públicos municipais. “Isso tem a ver com o combate à intolerância religiosa. Gostaríamos que, nos espaços públicos, fosse garantida a diversidade religiosa e que, nas instituições do município em que haja espaços para a prática religiosa, que eles sejam preparados para receber todas as religiões, não apenas uma ou duas”.

Também participaram da mesa de discussão da sessão especial na CMJP a secretária de Políticas Públicas para Mulheres, Socorro Borges; o secretário adjunto de Esporte do município, Oscar Moura; e a presidenta do Conselho Municipal de Defesa da Criança e do Adolescente, Josi Alves.

 

 

Fonte: PB Agora

+ sobre o tema

Educação antirracista é fundamental

A inclusão da história e da cultura afro-brasileira nos...

Alunos de colégio em Brasília sofrem ataques racistas em torneio de futsal

A Escola Franciscana Nossa Senhora de Fátima afirma que...

Pedidos de isenção de taxa no Enem 2024 começam nesta segunda (15); veja datas

Começa nesta segunda-feira (15) o período para solicitar a...

para lembrar

Parem de nos matar! – Por Jônatas Cordeiro da Silva

Na segunda-feira de carnaval (12/02), Lucas Almeida, estudante de...

Vereadora de Niterói, amiga de Marielle denuncia ameaças

Parlamentar mais votada de Niterói, na Grande Rio, única...
spot_imgspot_img

Negros são maioria entre presos por tráfico de drogas em rondas policiais, diz Ipea

Nota do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) mostra que negros são mais alvos de prisões por tráfico de drogas em caso flagrantes feitos...

Um guia para entender o Holocausto e por que ele é lembrado em 27 de janeiro

O Holocausto foi um período da história na época da Segunda Guerra Mundial (1939-1945), quando milhões de judeus foram assassinados por serem quem eram. Os assassinatos foram...

Caso Marielle: mandante da morte de vereadora teria foro privilegiado; entenda

O acordo de delação premiada do ex-policial militar Ronnie Lessa, acusado de ser o autor dos disparos contra a vereadora Marielle Franco (PSOL), não ocorreu do dia...
-+=