Câmara aprova projeto com medidas para aumentar proteção das mulheres contra violência

Enviado por / FonteDa CNN

Proposta prevê que delegacias especializadas funcionem sem interrupção e segue agora para o Senado

A Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira (29) um projeto de lei que propõe um aumento de ações de fiscalização das medidas protetivas para mulheres em situação de violência doméstica e familiar.

Pelo projeto, recursos do Fundo Nacional de Segurança Pública (FNSP) poderiam ser usados para ampliar o número de delegacias especializadas de atendimento à mulher no país.

Segundo o texto, as delegacias especializadas deveriam funcionar sem interrupção, inclusive em feriados e fins de semana, para atender mulheres vítimas de violência doméstica e familiar e também para investigar crimes contra a dignidade sexual e feminicídios.

De acordo com a Agência Câmara, o projeto também prevê que os governos estaduais e do Distrito Federal criem patrulhas para prevenir e reprimir crimes de violência doméstica, familiar ou sexual contra as mulheres.

O projeto segue agora para a apreciação do Senado. Isso porque o texto aprovado na Câmara é um substitutivo da relatora, deputada Paula Belmonte (Cidadania-DF), ao projeto de lei 781/20, que havia recebido a aprovação dos senadores.

+ sobre o tema

Dia Internacional da Mulher Indígena

Hoje, 05 de setembro, é Dia Internacional da Mulher...

Coisa de vagabunda – Por: Clara Averbuck

Isso é coisa de vagabunda. Mulher que se dá...

Eles não estão doentes, e nós não estamos loucas

Ontem, uma menina foi estuprada por 30 homens no...

para lembrar

spot_imgspot_img

Violência sexual em espaços noturnos e responsabilização de agressores

As recentes notícias de que duas mulheres teriam sido vítimas de estupro coletivo em uma mesma casa noturna na Lapa, no Rio de Janeiro ,...

Coisa de mulherzinha

Uma sensação crescente de indignação sobre o significado de ser mulher num país como o nosso tomou conta de mim ao longo de março. No chamado "mês...

A Justiça tem nome de mulher?

Dez anos. Uma década. Esse foi o tempo que Ana Paula Oliveira esperou para testemunhar o julgamento sobre o assassinato de seu filho, o jovem Johnatha...
-+=