Camila Pitanga: ‘É alarmante o número de jovens negros assassinados’

Abre as asas sobre nós

Intolerância racial é o assunto da noite em premiação que homenageia os destaques nos direitos humanos

Camila Pitanga e Dira Paes foram as apresentadoras do Prêmio João Canuto, entregue pela turma do Movimento Humanos Direitos (MHuD) às pessoas e entidades que se destacaram na “luta pela vida”, segundo Camila, na Casa de Cultura Laura Alvim.

“Oi, minha presidenta!”, brincou Dira para Camila, assim que chegou ao teatro. As duas são diretoras do MHuD e pareciam felizes de estar ali, naquela noite engajada. “Nós precisamos acordar”, dizia Camila. “Existe um alarmante número de jovens negros que são assassinados por ano. É preciso quebrar essa anestesia e parar de fingir que tudo é natural”, disse.

Zezé Motta chegou pouco depois e, em plena semana de tensão racial nos Estados Unidos por causa da decisão do júri de não indiciar o policial branco que matou um jovem negro desarmado na cidade de Ferguson, disse que, por aqui, a situação não é muito diferente.  Tanto que aquele era o 17º evento a que comparecia para falar sobre intolerância. Ela deu como exemplo o programa “O sexo e as nega”, de Miguel Falabella, acusado de… racismo. “Vai sair do ar, né? Isso é perseguição, um retrocesso. Há muito tempo não se via um elenco com tantos negros talentosos tendo oportunidade”, explicou ela

Prêmio João Canuto 2014

A atriz e cantora foi muito aplaudida ao cantar “Senhora liberdade”, aquela do “abre as asas sobre mim”. “Que voz! Bravo”, gritou Marcos Winter, que andava sumido. Winter é um dos fundadores do MHuD. Gilberto Gil também se apresentou. Ele cantou “Drão”, “Three little birds”, de Bob Marley, e “Nossa gente”, do Olodum.

Prêmio João Canuto 2014

Um dos discursos mais aplaudidos da noite foi o de Elizete de Oliveira, que combate a xenofobia no Brasil. “Que os refugiados não sejam mais vistos como inimigos, como aconteceu com os escravos africanos, que foram arrancados de sua pátria”, comparou. Foi ovacionada.

+ sobre o tema

Foi a mobilização intensa da sociedade que manteve Brazão na prisão

Poucos episódios escancararam tanto a política fluminense quanto a...

Selo Sesc lança Relicário: Dona Ivone Lara (ao vivo no Sesc 1999)

No quinto lançamento de Relicário, projeto que resgata áudios...

Em autobiografia, Martinho da Vila relata histórias de vida e de música

"Martinho da Vila" é o título do livro autobiográfico...

para lembrar

Eu preciso destas palavras – por Alex Ratts

Corpo: lugar negro de fala no Blog do Alex Ratts É...

Trincheiras raciais

Experiência internacional aponta alternativas à guerra às drogas Por Thiago...

Globo de Ouro exclui mulheres e negros em premiação

O apresentador Ricky Gervais causou polêmica ao debochar da...
spot_imgspot_img

“Dispositivo de Racialidade”: O trabalho imensurável de Sueli Carneiro

Sueli Carneiro é um nome que deveria dispensar apresentações. Filósofa e ativista do movimento negro — tendo cofundado o Geledés – Instituto da Mulher Negra,...

Militares viram no movimento negro afronta à ideologia racial da ditadura

Documento confidencial, 20 de setembro de 1978. O assunto no cabeçalho: "Núcleo Negro Socialista - Atividades de Carlos Alberto de Medeiros." A tal organização,...

Negros são maioria entre presos por tráfico de drogas em rondas policiais, diz Ipea

Nota do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) mostra que negros são mais alvos de prisões por tráfico de drogas em caso flagrantes feitos...
-+=