Carla Akotirene lança “Ó Pa Í, Prezada” nessa terça em Salvador

Lançamento acontece em Salvador no dia 17 de março

Enviado para o Portal Geledés

Capa do livro “Ó Pa Í, Prezada – Racismo e sexismo tomando bonde nas penitenciárias femininas”, de Carla Akotirene. (Divulgação/Pólen Livros)

A Pólen Livros e o Selo Sueli Carneiro, coordenado por Djamila Ribeiro, lançam em Salvador no dia 17 de março o livro “Ó Pa Í, Prezada – Racismo e sexismo tomando bonde nas penitenciárias femininas”, de Carla Akotirene. O lançamento acontece na Casa Respeita as Mina e está de acordo com as normas sanitárias impostas pelo Município em face da epidemia de Coronavírus.

O livro é resultado da dissertação de mestrado da autora, apresentado ao Programa de Pós-Graduação em Estudos de Gênero, Mulheres e Feminismos da Universidade Federal da Bahia, e levanta uma discussão interseccional da situação prisional de mulheres no Brasil, a partir de uma pesquisa de campo realizada no Conjunto Penal Feminino do estado da Bahia. Trata-se da segunda obra publicada de Carla Akotirene, que no ano passado lançou Interseccionalidade, o quarto título da Coleção Feminismos Plurais.

Metodologicamente, a obra se insere na busca de pesquisadores negros por uma nova epistemologia que contemple as populações que sempre foram excluídas – não só do sistema econômico e social como um todo, mas também da pesquisa acadêmica e da geração de conhecimento baseada em premissas ocidentais e elitistas. Nesse sentido, a pesquisadora opta por uma abordagem em que sua figura de mulher negra e feminista é parte integrante da epistemologia proposta. Além de apresentar dados e analisá-los conforme a metodologia adotada, a autora também revela seus sentimentos e emoções diante da realidade de mulheres absolutamente afins à sua própria trajetória. Em vez de se colocar hierarquicamente distante, pesquisadora e sujeito da pesquisa são claramente relacionadas.

Prefaciada por Denise Carrascosa, professora de literatura da Universidade Federal da Bahia, escritora e coordenadora, há 9 anos, do projeto de extensão que ministra oficinas de escrita literária no Conjunto Penal Feminino do estado da Bahia, para efeito de remição de pena e emancipação política-subjetiva de mulheres presas, a obra aborda o ambiente prisional enquanto espaço de intersecções identitárias.

“A coerente articulação entre o sistema de justiça racista-sexista-elitista e seus aparatos de aprisionamento, o que inclui a nossa legislação antidrogas (leia-se: antinegra), audiências de custódia, autos de flagrante e que tais, dão a exata dimensão da tecnologia capitalizável de exploração de certas (des)humanidades que constituem o alvo do sistema prisional”, escreve Carrascosa no prefácio.

Em face do Coronavírus, o prefeito da capital ACM Neto determinou a interdição de qualquer evento com mais de 500 pessoas na cidade, número muito além do previsto para o lançamento nessa terça feira.

O livro já está disponível para venda nas principais livrarias do país e também pelo site www.polenlivros.com.br

Serviço:

Ó Pa Í, Prezada – Racismo e sexismo tomando bonde nas penitenciárias femininas

Autor(a): Carla Akotirene
ISBN13: 9786550940034
Edição: 1ª Edição
Número de Páginas: 256
Acabamento: Brochura
Formato: 14 x 21 cm

Leia também:

Carla Akotirene, da revolta à ascenção negra em Mestrados e Doutorados!

O que é Interseccionalidade?

Carla Akotirene: de cordeira do Ilê Aiyê a intelectual festejada

+ sobre o tema

Ideologia Tortuosa, por Sueli Carneiro

O mito de a desigualdade racial ser produto das...

Preconceito de gênero também se manifesta por meio de gesto e piadas

A cada esquina, um olhar de repreensão seguido de...

para lembrar

O chicote, o racismo e o poder de mulheres

Que existe racismo no Brasil, não há dúvidas. Que...

Negras empreendem mais por necessidade do que as brancas

Pesquisa do Sebrae mostra que 49% das negras recorrem...

Prorrogadas inscrições para o ‘Prêmio Lélia Gonzalez’

O prazo para postagem de propostas para o 'Prêmio...
spot_imgspot_img

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...

Em reunião com a ministra das Mulheres, movimentos denunciam casos de estupros e violência em abrigos para atingidos pelas enchentes no RS

Movimentos feministas participaram de uma reunião emergencial com a ministra da Mulher, Cida Gonçalves, no final da tarde desta terça-feira (7), de forma online....

Documentário sobre Ruth de Souza reverencia todas as mulheres pretas

Num dia 8 feito hoje, Ruth de Souza estreava no Theatro Municipal do Rio de Janeiro. O ano era 1945. Num dia 12, feito...
-+=