Católicas divulgam nota de repúdio a projeto de Cunha que aumenta punição a aborto

“É uma vergonha que surjam propostas como esta em nosso Congresso Nacional num momento em que o mundo se abre para a defesa dos direitos sexuais e reprodutivos”, afirma entidade

Do RBA

São Paulo – O coletivo Católicas pelo Direito de Decidir divulgou hoje (28), Dia de Luta Pela Descriminalização e Legalização do Aborto na América Latina, nota de repúdio ao Projeto de Lei 5069/2013, do deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), cujo objetivo é tipificar como crime contra a vida o anúncio de meio abortivo. A proposta prevê que “anunciar processo, substância ou objeto destinado a provocar aborto, induzir ou instigar gestante a usar substância ou objeto abortivo, instruir ou orientar gestante sobre como praticar aborto, ou prestar-lhe qualquer auxílio para que o pratique, ainda que sob o pretexto de redução de danos” acarreta pena de detenção de quatro a oito anos.

Segundo o projeto, se o agente é funcionário da saúde pública ou é médico, farmacêutico ou enfermeiro, a pena é agravada e sobe para cinco a dez anos. As penas ainda aumentam em um terço se a gestante é menor de idade. O PL também revoga dispositivos da Lei 12.8045/13, que dispõe sobre o atendimento obrigatório e integral de pessoas em situação de violência sexual, dificultando ainda mais o acesso das mulheres a essa política de saúde.

Segundo a justificativa de Eduardo Cunha, “a legalização do aborto vem sendo imposta a todo o mundo por organizações internacionais inspiradas por uma ideologia neomaltusiana de controle populacional”.

De acordo com a nota das Católicas pelo Direito de Decidir, “é espantoso verificarmos com que desrespeito a vida das mulheres é tratada pelo parlamento do nosso país”. Para a entidade, o projeto representa “completo desrespeito do parlamento pela vida das mulheres brasileiras”.

O grupo diz que não há sensibilidade dos parlamentares no país e cita pesquisa do Ibope, de 2010, segundo a qual, para 61% da população brasileira, quem deve decidir se uma mulher pode ou não interromper uma gravidez não planejada é a própria mulher. “As instituições representadas pelo poder Judiciário (5%), igreja (3%) e o Congresso Nacional (1%) não obtiveram aval da sociedade para deliberar sobre essa questão”, dizem as católicas na nota.

Elas protestam ainda contra a falta de diálogo do Congresso com a sociedade civil organizada. Esta, diz, “tem demonstrado através de diversos estudos e pesquisas que a interdição legal do aborto tem sido inócua”. A principal consequência do projeto, se for aprovado, será aumentar o número de abortos inseguros e dos óbitos maternos, já que dificulta o acolhimento das mulheres nos serviços de saúde para a interrupção da gravidez e o acesso a anticoncepção de emergência.

“Neste momento, em que o mundo se abre para a defesa dos direitos sexuais e dos direitos reprodutivos, como direitos humanos, é uma vergonha que surjam propostas como essas em nosso Congresso Nacional”, afirma a nota.

Leia a íntegra da proposta e a justificativa de Eduardo Cunha:

Projeto de Lei nº 2013

 

 

Foto FERNANDO FRAZÃO/AGÊNCIA BRASIL

 

 

+ sobre o tema

Feministas apoiam nova ministra e aguardam debate sobre aborto

Para representantes de entidades ligadas às causas feministas, escolha...

Médico que fizer parto normal terá remuneração 3 vezes maior, diz Justiça

A Justiça Federal determinou que a remuneração dos profissionais...

O uso do crack na gestação causa sérios riscos ao feto

Aumento do consumo do crack entre mulheres e as...

O que é falso e o que é verdadeiro nos boatos sobre zika

Nas últimas semanas, mensagens escritas e em áudio nas...

para lembrar

18 expressões gordofobicas para desconstruir agora, imediatamente, já!

1. “Acima do PESO IDEAL” Essa expressão, “peso ideal” dá...

10 frases que precisamos parar de falar para as meninas urgentemente

As perguntas listadas e os motivos porque elas precisam...
spot_imgspot_img

Saúde: 307 crianças ianomâmis desnutridas foram resgatadas em 2023

Ao longo do ano de 2023, 307 crianças ianomâmis diagnosticadas com desnutrição grave ou moderada foram resgatadas e recuperadas, segundo o Ministério da Saúde. Há quase...

Anvisa cancela registro de mais de 1,2 mil pomadas de modelar cabelos

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) cancelou nesta sexta-feira (29) os registros de 1.266 pomadas sem enxágue, ceras e sprays para modelar, trançar ou...

É a pré-campanha eleitoral

A compulsão eleitoral moveu o prefeito do Rio de Janeiro a tornar pública, em rede social, o plano de internar compulsoriamente “usuários de drogas”...
-+=