Guest Post »

Centenário de Carolina Maria de Jesus

por Laura Macedo

Carolina Maria de Jesus
* 14/3/1914 – Sacramento (MG)
+ 13/2/1977 – São Paulo (SP)
Escritora / Compositora

Ainda está em tempo de comemorarmos o Centenário de Carolina Maria de Jesus, oriunda de uma família extremamente pobre que, contrariando todos os indicadores negativos (favelada, semi analfabeta, negra, catadora de lixo, mãe solteira…), tornou-se escritora/compositora.

Na década de 1930, já em São Paulo foi morar na favela do Canindé. Seu sustendo próprio e de seus três filhos foi exercendo a atividade de catadora de papel. No meio do lixo, Carolina, encontrou uma caderneta, onde passou a registrar seu cotidiano de favelada, em forma de diário.

Da esquerda para a direita: Carolina Maria de Jesus, Audálio Dantas (jornalista) e Ruth Souza.
Da esquerda para a direita: Carolina Maria de Jesus, Audálio Dantas (jornalista) e Ruth Souza.

Foi o jornalista e repórter da Folha da Noite Audálio Dantas o descobridor da veia artística de Carolina Maria de Jesus.

Quarto de Despejo
Quarto de Despejo

Carolina teve suas anotações publicadas, em 1960, no livro “Quarto de Despejo”, que vendeu mais de cem mil exemplares. A obra foi prefaciada pelo escritor italiano Alberto Moravia e traduzida para 29 idiomas. Também foi adaptado para o teatro e cinema.

Cantando suas composições
Cantando suas composições

Em 1961 lançou, pela RCA Victor, o disco – “Quarto de Despejo: Carolina Maria de Jesus cantando suas composições”. O disco pode ser ouvido na íntegra aqui.

O pobre e o rico” (Carolina Maria de Jesus) # Carolina Maria de Jesus.

“O malandro” (Carolina Maria de Jesus) # Carolina Maria de Jesus. “Vedete de favela” (Carolina Maria de Jesus) # Carolina Maria de Jesus.

“Pinguço” (Carolina Maria de Jesus) # Verônica Ferriani.

Pedaços da Fome
Pedaços da Fome

Em 1963 Carolina publicou, pela Editora Áquila, o livro “Pedaços da Fome”, com apresentação de Eduardo de Oliveira.

Diário de Bitita
Diário de Bitita

No ano da sua morte (1977), durante entrevista concedida a jornalistas franceses, Carolina entregaria seus apontamentos biográficos, onde narrava sua infância e adolescência. Em 1982 o material foi publicado postumamente na França e na Espanha, sendo lançado no Brasil em 1986, com o título “Diário de Bitita”, pela editora Nova Fronteira.

Carolina Maria de Jesus e Clarice Lispector.
Carolina Maria de Jesus e Clarice Lispector.

Reportagem sobre a escritora de Sacramento, Carolina Maria de Jesus, realizada pela Rede Integração (Globo), com participação de Audálio Dantas (Jornalista), Vera Eunice (Filha), Marisa (Neta), e Berto Cerchi (Historiador e Escritor), na ocasião do lançamento da re-edição do Livro “Diário de Bitita”, pela Editora Bertolucci.

Hoje é o centenário de nascimento de Carolina Maria de Jesus (TV Brasil).

Carolina Maria de Jesus (1914 – 1977) – Heróis de Todo Mundo # Ruth de Souza.

O Programa “Tirando de Letra”, da UnB TV, entrevista a Profª. Germana Henriques, falando sobre seu o livro: “Carolina Maria de Jesus: O Estranho Diário da Escritora Vira Lata”. A Profª. Germana conta um pouco sobre a trajetória de vida da escritora mineira, pobre e catadora, mas que virou um fenômeno literário no final dos anos 50.
Parte I

Parte II

Parte III

 

CarolinaMariadeJesushomenagemREDUZ

Confesso que foi a partir do disco, citado em parágrafos anteriores, meu interesse em pesquisar mais um pouco acerca da história pessoal e artística de Carolina Maria de Jesus. Apesar do meu mergulho raso apaixonei-me por ela e sua história.
Desejo que a história de vida de Carolina Maria de Jesus não caia no esquecimento e engendre o aparecimento de várias outras “Carolinas” que, certamente, estão esperando uma oportunidade de mostrar suas artes ao país e ao mundo.

Foto da Favela
Foto da Favela

Imagens: Reprodução/Portal Luis Nassif

Fonte: Portal Luis Nassif

Related posts