Claudia di Moura lembra racismo na igreja em sua infância: “Não tem anjo preto no céu

Tal como Zefa, de “Segundo Sol”, ela nasceu em Salvador e diz que todo negro tem de justificar a cor da sua pele 24 horas por dia

por Felipe Carvalho no Marie Claire

Foto: Henrique Fischer

Uma das personagens de maior destaque na novela Segundo Sol, Zefa tem chamado a atenção para um problema crônico de nossa sociedade que, muitas vezes, é varrido para debaixo do tapete como se não existisse: o racismo. Claudia di Moura, que dá vida à empregada dos Athayde, conta que o preconceito ainda é muito comum em sua cidade natal, Salvador, mesmo lugar onde se passa a trama das 9.

Ela lembra em entrevista à Marie Claire que, desde pequena, sofre com o racismo que está inserido na sociedade como um verdadeiro câncer e diz que os negros têm de justificar sua cor de pele 24 horas por dia, sete dias por semana.

“O que me levou aos palcos foi exatamente o preconceito da igreja católica. Nas quermesses me impediam de fazer papel de anjo nas apresentações porque não tem anjo preto no céu. E eu ficava com a missão de declamar poesia. E era nisso eu jogava toda a minha alma. Toda pessoa negra em Salvador sofre, sofreu ou sofrerá algum tipo de racismo simplesmente porque precisa justificar a cor da sua pele 24 horas por dia.”

Ela ainda salienta que até mesmo um simples elogio para uma mulher branca é diferente se for dado a uma negra.

“Quando falam que a branca é bonita, as pessoas dizem ‘que mulher bonita’. Se ela é negra, dizem ‘que negra bonita’. É um racismo sutil, disfarçado de elogio. Um verdadeiro Cavalo de Tróia”, compara.

Assim como na vida real, a atriz acredita que exista um patriarcalismo racista representado pela figura de Severo (Odilon Wagner) na trama de Segundo Sol. Para ela, Zefa é uma reminiscência da escravidão que ainda se vê ali na esquina, de um passado nada distante.

“Assim como naquela época, ainda hoje, há todo um mecanismo de silenciamento do negro. E mesmo o amor maternal de Zefa, no intuito de proteger seus filhos da vilania de um mundo racista, acaba por servir de instrumento para a perpetuação desse racismo. Ela é o retrato de um tempo em que a única maneira de sobreviver ao sistema de opressão era alimentá-lo, dar de comer ao leão para que ele nunca viesse lhe devorar. Os tempos são outros, mas ainda há Zefas por aí, mulheres que se veem obrigadas a camuflar seus filhos para que eles não sejam vistos pelo olhar devastador do preconceito”, fala.

Repercussão

A personagem de Claudia tem feito muito sucesso na novela das 9 e ela acha que isso se deve a Zefa surpreender por suas nuances pessoais mostradas na tela, mais ou menos como na vida real.

“Ela é cheia de meandros obscuros em sua personalidade, tem motivações contestáveis, mas tem o caráter firme. Você pode amar ou odiar essa mulher. Às vezes, as duas coisas no mesmo capítulo, mas é difícil ficar indiferente. Ela rompe a expectativa de se ter uma serviçal negra no canto do cenário apenas trazendo e levando bandejas, exibindo suas curvas sedutoras ou servindo de alívio cômico. Ela está no centro da sua própria trama e isso faz dela uma personagem instigante para o público e para mim”, opina.

Apesar de Zefa e Claudia terem nascido na mesma cidade baiana e terem sofrido com preconceitos na vida, a atriz ainda consegue enumerar algumas outras semelhanças entre sua personagem e ela.

“Zefa e eu acreditamos no amor, mas fazemos isso de maneiras muito diferentes. O amor que ela emana é puro sacrifício, centrado na felicidade do outro. Eu creio no amor como via de mão dupla, com diálogo e respeito. Se não há respeito, não há amor.”

Mãe de três mulheres – Dayse, Iasmin e Vitória -, Claudia afirma que é bem diferente de sua personagem neste sentido. Ela prefere sempre trabalhar com a verdade quando o assunto são suas filhas.

“Eu tenho duas geradas no coração e só uma nascida do ventre, que é a Vitória. E as três recebem o mesmo amor, a mesma maternidade. Eu e minhas filhas somos cúmplices, parceiras, irmãs”, finaliza.

+ sobre o tema

Escritora Elisa Pereira lança amanhã “Sem Fantasia”, seu segundo livro!

Na próxima terça-feira (29), às 19h, será lançado “Sem...

O conferencismo e o marchismo como formas de lutas políticas

Aconteceu em Brasília, em 18 de novembro, a Marcha...

“O Quarto de Despejo está vivo”, afirma filha de Carolina Maria de Jesus

Em 60 anos do livro “Quarto de Despejo: Diário...

Mulheres Maravilhosas: Cristiane Sobral

Não me lembro exatamente como entrei em contato com...

para lembrar

Mãe Beata de Iemanjá

Beatriz Moreira Costa, nascida em 20 de janeiro de...

“Linda, cheirosa?!” Tá pensando que está falando com quem mesmo?

Infeliz é a cidade que tem por Secretário de...

Baiana recebe prêmio que estimula mulher negra contar sua história

A ativista da luta pela garantia dos direitos das...
spot_imgspot_img

Por que ser antirracista é tão importante na luta contra a opressão racial?

O Laboratório de Estudos de Gênero e História, da Universidade Federal de Santa Catarina, lança nesta quarta-feira (21) o quinto vídeo de sua campanha de divulgação...

Moção de solidariedade da UNEGRO ao Vai Vai 

A União de Negras e Negros Pela Igualdade (UNEGRO), entidade fundada em 1988, com  longa trajetória na luta contra o racismo e suas múltiplas...

Perfeição do racismo brasileiro transforma algoz em vítima

O racismo é um crime perfeito. É com essa frase que o antropólogo Kabanguele Munanga, uma das maiores autoridades do Brasil em estudos raciais, define...
-+=