Como a mulher deve responder a ataques machistas, como os de Silvio Santos

Depois do bafafá envolvendo Silvio Santos e Claudia Leitte no Teleton, voltaram à mídia outras vezes em que o comunicador fez comentários grosseiros para mulheres. Ele perguntou a Maísa, por exemplo, se ela já havia perdido a virgindade. Também disse para Eliana que a roupa dela estava indecente; além de comentar o peso de Preta Gil.

por Lucas Vasconcelos do Universa

imagem reprodução Teleton : SBT

A questão a ser respondida é: como uma mulher pode se livrar desse tipo de situação?

“Todas essas situações são de assédio. Silvio Santos faz isso de forma que pareça uma “brincadeira”, reforçando a naturalização desse tipo de comportamento violento”, diz a militante da Marcha Mundial das Mulheres, Maria Júlia Montero.

Infelizmente, quando uma situação de assédio acontece, muitas vezes a mulher está sozinha ou isolada no ambiente e não consegue responder de forma efetiva, ressalta Maria Júlia. “E ninguém é obrigada a conseguir se livrar sozinha de uma situação dessa. Se desse para sair facilmente, não haveria leis específicas a respeito de violência contra a mulher e sobre assédio moral e sexual no local de trabalho”, afirma.

Como reagir

Em caso de assédio, a militante aponta que o ideal é tentar escapar o mais rápido, negando qualquer pedido (por exemplo, um patrão insinuando que quer ter relações sexuais com uma funcionária) e denunciar na justiça o ocorrido. “Dessa forma, a mulher abrirá caminho para a punição de seu agressor e ajudará acabar com a normalização desse tipo de conduta”.

 Ainda segundo ela, “a vida da mulher diz respeito somente a ela e nenhuma mulher precisa prestar contas de sua vida sexual, amorosa e pessoal. Devemos ter isso em mente também ao sermos questionadas sobre nossa beleza, por exemplo. Não somos seres que existem para a satisfação masculina. E é importante que tenhamos isso esteja claro para responder qualquer tipo de questionamentos desse tipo”.

Quando vai mudar?

De acordo com Maria Júlia, o assédio só vai mudar quando as mulheres não forem ridicularizadas — e se organizem para lutar contra o machismo, para que isso seja tratado como o problema social que é. E também que existam mais políticas públicas para acolher as vítimas de qualquer tipo de violência. “A postura de omissão do poder público perante a qualquer violência contra a mulher é um dos fatores que contribui para manter apagados e naturalizados casos como os de Silvio Santos, que sempre falou o que bem entende para as mulheres, mas é tido apenas como um grande empresário”, ela lamenta.

Juntas, aplicativo de Enfrentamento a Violência contra Mulher – Clique na imagem e acesse o aplicativo JUNTAS

+ sobre o tema

As empregadas e a escravidão

Por caminhos tortos, Joaquim Nabuco teve uma das suas...

Brasil é segundo país da América Latina com menos mulheres no comando

Brasil é segundo país da América Latina com menos...

Mulher negra chega a ganhar 47,8% da hora do homem não negro

Estudo do Dieese mostra diferenças nas condições de trabalho...

Conceição Evaristo: ‘Insubmissas lágrimas de mulheres’

O LIVRO: Insubmissas lágrimas de mulheres, Editora Nandyala, Belo...

para lembrar

Médico americano abusou de 177 atletas em duas décadas, aponta investigação

Um médico da equipe de atletismo da Universidade Estadual de Ohio,...

Jerusalém: o desafio de ser gay na cidade ‘sagrada’

Apesar de reunir uma pluralidade de crenças e estilos...

Masculinidade tóxica: comportamentos que matam os homens

Criticar masculinidades tóxicas é diferente de criticar os homens por Guilherme...

Lúcia Xavier lidera lista triplice para Ouvidoria Geral do RJ

Lúcia Maria Xavier de Castro, Pedro Daniel Strozenberg e...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Moraes libera denúncia do caso Marielle para julgamento no STF

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), liberou nesta terça-feira (11) para julgamento a denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra...
-+=