Contra onda conservadora, Erica Maluguinho leva Aparelha Luzia a festival de Artes Queer na Irlanda do Norte

Convidada especial de uma das atividades principais do Festival, o Simpósio de Artes Queer, cujo objetivo declarado é desenvolver projetos e redes internacionais de arte queer, a Malunguinho, claro, vai falar de luta.

 

Por Sandra Silva, do NegroBelchior 

Pedro Borges/Alma Preta

De 9 a 18 de novembro de 2017, ocorre em Belfast, capital da Irlanda do Norte, o Outburst – Festival de Artes Queer – como o nome sugere, uma explosão internacional de trabalhos artísticos pensados por pessoas que desafiam os binarismos de gênero. Este ano, o festival contará com uma convidada preta, trans e nordestina: Erica Malunguinho, a parideira da Aparelha Luzia, quilombo que se ergue na região central da selva paulistana. Convidada especial de uma das atividades principais do Festival, o Simpósio de Artes Queer, cujo objetivo declarado é desenvolver projetos e redes internacionais de arte queer, a Malunguinho, claro, vai falar de luta.

No Brasil em que museus são apedrejados e artes queer são combatidas por forças conservadoras organizadas, mais e mais pessoas vivenciam experiências de ódio e de negação às quais o povo preto e periférico vem resistindo há mais de 500 anos

 

Desde o século XVI, a Ilha da Irlanda tem sido lugar de uma disputa entre católicos e protestantes que forçou à independência do Reino Unido, nos anos 1920, do que hoje se conhece como a República da Irlanda, cuja capital é Dublin. Junto com Inglaterra, Escócia e País de Gales, o norte da ilha segue como parte do império britânico na forma de Irlanda do Norte, a menor das quatro nações que o conformam e um dos países mais pobres da Europa. Até hoje, Belfast, com seus muros separando zonas católicas e protestantes, é retrato vivo de uma história global de conflitos religiosos, desde que as cruzadas deram o pontapé para a difusão de fundamentalismos mundo afora. Esse mesmo fundamentalismo que justifica “guerras ao terror”,  destrói e demoniza tudo o que está fora do establishment cristão, dentro de uma ideologia racista que permite que hoje, terreiros de matriz africana sejam queimados Brasil adentro.

 

Há onze anos o Outburst desafia valores estruturados em séculos de conflitos e segregações. Na batalha das ideias, mentes e corações, a explosão da arte queer se esboça não somente como movimento artístico, mas também político, emancipatório de pessoas e de corpos que potencializam exatamente o que os tornam abjeto. No debate corpo-político vivido na Aparelha Luzia, a pretitude não é um recorte de análise, e sim o fundamento de onde emergem as movimentações da experiência humana no decorrer das diásporas. Neste território quilombola, as múltiplas maneiras de construção, autoconhecimento e reconhecimento de identidades e sexualidades são indissociáveis e inerentes a toda e qualquer atividade. Esses temas são vividos tanto no campo objetivo das muitas interações e eventos que se realizam na Aparelha, quanto no campo das subjetividades próprias dos processos de sociabilidade em que os afetos, a espontaneidade e o cotidiano são rios navegáveis de águas profundas e de densidades diversas. Os passos da Aparelha vêm de longe, resultado de lutas contra o colonialismo que ainda nos assombra, a despeito do esforço descolonizador que vem sendo levado a cabo desde o primeiro quilombo, do primeiro terreiro de candomblé e de tantas outras iniciativas de auto organização e resistência que dizem muito sobre a presença dos povos originários sequestrados da África e das Américas.

 

O “empoderamento” preto de que tanto se fala não se resume a uma afirmação estética, mas à disputa por poder político, econômico e social – em particular, em um país como o Brasil, cuja população é 54% negra: o maior povo preto fora da África, e o mundo nem sabe. Não raro, os movimentos de resistência e existência preta são relegados a um balaio “pós-moderno” pra onde vai tudo o que desafia centenas de anos de binarismos políticos, econômicos e sociais. Vozes e potências resistindo à uma cultura política racista, machista e doutrinária.

 

O elemento chave desta conjuntura de disputas e lutas são as mulheres –  pretas, cis, pobres, trans e travestis que teceram e tecem caminhos para o desmonte do patriarcado, impondo margens aos maiores ataques de abjeção existencial. No Brasil em que museus são apedrejados e artes queer são combatidas por forças conservadoras organizadas, mais e mais pessoas vivenciam experiências de ódio e de negação às quais o povo preto e periférico vem resistindo há mais de 500 anos. Neste Brasil, é urgente discutir projeto de futuro e de poder. O “empoderamento” preto de que tanto se fala não se resume a uma afirmação estética, mas à disputa por poder político, econômico e social – em particular, em um país como o Brasil, cuja população é 54% negra: o maior povo preto fora da África, e o mundo nem sabe. Não raro, os movimentos de resistência e existência preta são relegados a um balaio “pós-moderno” pra onde vai tudo o que desafia centenas de anos de binarismos políticos, econômicos e sociais. Vozes e potências resistindo à uma cultura política racista, machista e doutrinária.

 

A Aparelha Luzia, idealizada pela Érica, é um espaço de encontro político, artístico, cultural, pedagógico, econômico, social e afetivo para toda existência, inteligência e potência preta, viva e em movimento. A Aparelha permite a realização de histórias e existências entre irmãos – sobretudo, entre irmãs: as gays, as trans, as travestis, as drags, as queer tudo. Esse convite para participar no Outburst certamente reconhece que a sensibilidade da mulher que pariu esse quilombo sabe de onde vem o marco civilizatório que alterou o nosso conhecimento sensível. A exposição internacional também é refletir sobre as dores coletivas, abrindo a possibilidade de projetar futuro. Qualquer ideia de paz não será o remendo de uma história de exploração e de racismo da qual o continente africano é principal alvo, resultando em infindáveis disputas e guerras entre irmãos, muitos dos quais forçados a solicitar refúgio em sociedades que os odeiam. Malunguinho vai à Irlanda fazer o que os movimentos emancipatórios fazem desde longe, de onde vêm os nossos passos: ampliar perspectivas de mundo e horizontes de luta.

+ sobre o tema

Farm representa Iemanjá com modelo branca e causa polêmica na web

O que era para ser uma homenagem se tornou...

Alexandre Cerqueira, filho de uma brasileira com um africano, o modelo luta por espaço nas passarelas de moda

Alexandre Cerqueira vive um sonho da adolescência, de quan­do brincava...

Mais um atentado contra liderança da comunidade quilombola do Charco (MA)

Por Igor Almeida, do blog Outros Olhares.     Na noite desta...

para lembrar

Blocos afro completam 40 anos no carnaval de Salvador

  O batuque dos tambores, o colorido das fantasias, a...

Abigail Moura e sua Orquestra Afro-Brasileira

Por Jota A. Botelho Orquestra Afro-Brasileira do Maestro Abigail Moura...
spot_imgspot_img

NICHO 54 lança publicação inédita que investiga a história do Cinema Negro no Brasil 

Pesquisa que mapeou e consolidou dados sobre filmes produzidos por pessoas negras no Brasil de 1949 a 2022 encontrou 1.104 obras; 83% de toda...

Rihanna já tem atriz favorita para possível cinebiografia

Rihanna está se antecipando em relação a como quer ser vista, caso sua história venha a ser uma cinebiografia em algum momento do futuro. A cantora...

‘Bad Boys 5’ já está sendo discutido, afirma produtor

‘Bad Boys: Até o Fim‘ estreou há apenas uma semana, mas um 5ª filme para a franquia estrelada por Will Smith e Martin Lawrence já está sendo discutido. A...
-+=