Cores da violência

Enviado por / FonteDa Folha de S. Paulo

Registrou-se, no ano de 2018, uma mais que bem-vinda queda do vergonhoso número de homicídios no Brasil, repetida com maior vigor no ano passado. O detalhamento dos números, no entanto, revela desigualdades cruéis nessa melhora.

Foram assassinados 58 mil brasileiros em 2018, o que correspondeu a uma taxa de 27,8 por 100 mil habitantes. Do total de mortos, nada menos de 75,7% eram negros (pretos e pardos), segundo o recém-divulgado Atlas da Violência 2020, elaborado pelo Ipea e pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

Uma década antes, em 2008, a participação dos negros no total de vítimas de homicídio se mostrava significativamente menor, 65,5%. Dito de outro modo, a violência fatal aumentou no período para os pretos e pardos, enquanto caía para os demais grupos.

Não se pode afirmar que são sempre brancos a matar negros —inexistem dados a respeito dos homicidas. Mas resta evidente a deprimente vulnerabilidade dos segundos —que há dois anos perfaziam 55,8% da população e 75% dos miseráveis— ao morticínio.

As desigualdades não se verificam apenas em cor e renda. A taxa de assassinatos por 100 mil habitantes varia de 8,2 em São Paulo a 71,8 em Roraima; chega a 60,4 entre jovens de 15 a 29 anos, mais que o dobro da medida no país se consideradas todas as faixas etárias.

Homens constituem 92% das vítimas de homicídios; ainda assim, entretanto, o Brasil ostenta a macabra estatística de uma mulher morta a cada duas horas.

Em sua totalidade, as cifras brasileiras são escandalosas em qualquer comparação internacional, a despeito da ainda mal compreendida redução nos últimos dois anos. E, o que é mais grave, existem sinais de nova piora neste 2020.

Entre as hipóteses para a queda estão os esforços de governos estaduais no combate à violência, a diminuição dos confrontos entre facções criminosas e as mudanças demográficas, que levam a menor proporção de jovens na sociedade.

No sentido oposto podem atuar os retrocessos, estimulados em especial pelo governo Jair Bolsonaro, no processo de desarmamento da população. O Atlas da Violência contou uma lei, 11 decretos e 15 portarias com incentivos à disseminação de armas de fogo e munição.

Se as causas não parecem claras, é fácil prever quais serão os maiores atingidos por um eventual recrudescimento dos assassinatos: os jovens, negros e pobres.

+ sobre o tema

STF volta a proibir a apreensão de menores sem o devido flagrante nas praias do Rio

Após audiência realizada na manhã desta quarta-feira, em Brasília, o STF determinou...

Adolescente denuncia mulher por agressão e injúria racial em Rio Preto

Um adolescente de 13 anos denunciou ter sofrido injúria...

para lembrar

Violência e ideologia

Assistimos ao espetáculo da violência. A própria frase encerra...

Quem era Sandra Maria, que morreu porque um homem não queria usar máscara

Sandra Maria Aparecida Ribeiro, 45 anos, foi vítima da irresponsabilidade....

Exposição retrata passado de violência colonial da Holanda que inclui Brasil

Os magníficos retratos de corpo inteiro de Oopjen Coppit...

Com foco nos agentes do Estado, observatório vai mapear violência racial

 Lançado ontem (23) à noite, o Observatório de Violência...
spot_imgspot_img

Estereótipos sobre crianças e adolescentes alimentam violências cotidianas

Quando o assunto é proteção de adolescentes, nós, pessoas adultas, temos muito o que aprender. E eu estou me incluindo nessa conta aí, viu?...

Assassino de Marielle Franco e Anderson Gomes faz acordo de delação com a PF

Ronnie Lessa, o matador de Marielle Franco e de Anderson Gomes, fez um acordo de delação com a PF, segundo pessoas a par das investigações. E...

Morte de artista circense Julieta Hernández põe em discussão os direitos da mulher viajante; veja outros casos de violência

O Fantástico deste domingo (14) mostrou como a morte de artista circense Julieta Hernández reacendeu a discussão sobre os direitos da mulher. Jussara Botelho...
-+=