Cores da violência

Enviado por / FonteDa Folha de S. Paulo

Registrou-se, no ano de 2018, uma mais que bem-vinda queda do vergonhoso número de homicídios no Brasil, repetida com maior vigor no ano passado. O detalhamento dos números, no entanto, revela desigualdades cruéis nessa melhora.

Foram assassinados 58 mil brasileiros em 2018, o que correspondeu a uma taxa de 27,8 por 100 mil habitantes. Do total de mortos, nada menos de 75,7% eram negros (pretos e pardos), segundo o recém-divulgado Atlas da Violência 2020, elaborado pelo Ipea e pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

Uma década antes, em 2008, a participação dos negros no total de vítimas de homicídio se mostrava significativamente menor, 65,5%. Dito de outro modo, a violência fatal aumentou no período para os pretos e pardos, enquanto caía para os demais grupos.

Não se pode afirmar que são sempre brancos a matar negros —inexistem dados a respeito dos homicidas. Mas resta evidente a deprimente vulnerabilidade dos segundos —que há dois anos perfaziam 55,8% da população e 75% dos miseráveis— ao morticínio.

As desigualdades não se verificam apenas em cor e renda. A taxa de assassinatos por 100 mil habitantes varia de 8,2 em São Paulo a 71,8 em Roraima; chega a 60,4 entre jovens de 15 a 29 anos, mais que o dobro da medida no país se consideradas todas as faixas etárias.

Homens constituem 92% das vítimas de homicídios; ainda assim, entretanto, o Brasil ostenta a macabra estatística de uma mulher morta a cada duas horas.

Em sua totalidade, as cifras brasileiras são escandalosas em qualquer comparação internacional, a despeito da ainda mal compreendida redução nos últimos dois anos. E, o que é mais grave, existem sinais de nova piora neste 2020.

Entre as hipóteses para a queda estão os esforços de governos estaduais no combate à violência, a diminuição dos confrontos entre facções criminosas e as mudanças demográficas, que levam a menor proporção de jovens na sociedade.

No sentido oposto podem atuar os retrocessos, estimulados em especial pelo governo Jair Bolsonaro, no processo de desarmamento da população. O Atlas da Violência contou uma lei, 11 decretos e 15 portarias com incentivos à disseminação de armas de fogo e munição.

Se as causas não parecem claras, é fácil prever quais serão os maiores atingidos por um eventual recrudescimento dos assassinatos: os jovens, negros e pobres.

+ sobre o tema

IBGE: população negra sem água encanada em sua moradia é bem maior do que a branca

O vírus encontrou um ambiente ideal para sua disseminação...

Partidos excluem negros de suas direções e patinam para mudar racismo estrutural

O debate sobre a importância de ampliar a participação...

“Olhem para o lado, vejam quantos negros estão aqui. Vocês deviam ter vergonha”

Professor da Universidade de Columbia, neurocientista e referência no...

Bebê que ganhou na Justiça direito a nome africano é registrado na Baixada

Agora é oficial. Makeda Foluke de Paula da Silva....

para lembrar

Efeitos psicossociais do racismo afetam reconhecimento individual de negros

Além de direitos e liberdades afetados, identidade do negro...

Ações afirmativas

Targino de Araújo Filho e Petronilha Beatriz Gonçalves e...
spot_imgspot_img

Como as mexicanas descriminalizaram o aborto

Em junho de 2004, María, uma jovem surda-muda de 19 anos, foi estuprada pelo tio em Oaxaca, no México, e engravidou. Ela decidiu interromper...

Como o diabo gosta

Um retrocesso civilizatório, uma violência contra as mulheres e uma demonstração explícita do perigo que é misturar política com fundamentalismo religioso. O projeto de lei...

Homens, o tema do aborto também é nossa responsabilidade: precisamos agir

Nesta semana, a escritora Juliana Monteiro postou em suas redes sociais um trecho de uma conversa com um homem sobre o aborto. Reproduzo aqui: - Se liberar o...
-+=