Cores Pretas, lançamento do documentário

Cores Pretas, jornalista lança documentário sobre empoderamento da mulher Negra, em Campos, no Norte Fluminense.

Por Daniela Abreu para o Portal Geledés 

A trajetória do empoderamento da mulher negra é tema do documentário “Cores Pretas”, que será lançado no Museu Histórico de Campos, no dia 25 deste mês, Dia Internacional da Mulher Negra e Latino Caribenha, às 19h. Apesar de ter sua história atrelada à cultura escravagista, Campos, terra de José do Patrocínio, o “Tigres da Abolição”, e um dos berços do Movimento Negro no Brasil, ainda não contava com uma produção do gênero.

O filme, assinado pela jornalista Stella Tó Freitas, foi produzido a partir de perspectivas de cinco mulheres negras. No documentário, as personagens contam suas vivências e enfrentamento ao racismo desde a infância até a vida adulta.

— Muito mais que um filme que conceitua o racismo, o “Cores Pretas” mostra como essas mulheres descobriram que o tom de pele é ‘qualitativo’ em nossa sociedade, que é racista. A partir desse ponto, elas contam como o racismo as transformou e como elas se redefiniram nesse processo, tornando-se mais fortes — contou a jornalista.

Os depoimentos evidenciam que o tom de pele influencia na forma como o preconceito é abordado e exercido. “Quanto mais melanina, mais severas são as formas de racismo, mas isso só modifica o tipo de racismo sofrido por quem é negro e não é retinto (negro de pele clara)”, conta Stella.

A jornalista espera que seu trabalho possa levar clareza sobre o poder modificador do racismo, que exige de quem o enfrenta, uma postura diferenciada diante de si mesmo e do mundo para que a subestimação de lugar a auto-afirmação.

Stella que é negra não retinta e diz que a partir do momento em que se identifica em sua própria história não vê outro ponto de partida a não ser Campos, que ganha seu primeiro documentário do gênero, a partir de narrativas individuais. “A ideia do documentário surgiu porque eu sentia a necessidade de saber como é a vida de uma mulher negra na prática, como funcionam as nuances do racismo e como ele transforma a vida dessa mulher. Esse registro não poderia começar por outro lugar que não fosse Campos. Além de uma paixão indescritível que eu tenho pela cidade, nós ainda somos carentes do entendimento de que Campos respira cultura negra.”

O projeto está sendo gerado há mais de um ano em uma espécie de desafio. “É meu primeiro documentário e já aborda um tema muito sensível. Eu precisava não teorizar o racismo porque existe a necessidade de entender como ele age na sua essência, como ele atinge as estruturas de uma sociedade, e como ele chega à pele e transforma a alma”, finaliza a jornalista.

O lançamento do documentário “Cores Pretas” vai arrecadar doações de absorventes para serem doados para as mulheres que cumprem pena no presídio feminino de Campos, Nilza da Silva Santos.

Cores Pretas

Reprodução/Facebook


** Este artigo é de autoria de colaboradores ou articulistas do PORTAL GELEDÉS e não representa ideias ou opiniões do veículo. Portal Geledés oferece espaço para vozes diversas da esfera pública, garantindo assim a pluralidade do debate na sociedade.

+ sobre o tema

Aquela mulher negra bela

Aquela mulher negra bela A vista uma estrela amarela Enviado por...

Carta para Isabela

Filha minha, O menino nasceu e com ele uma mãe,...

A vida como não deveria ser

- Mamãe! Mamãe!- Que é minha filha?“- Nós não...

Carolina Maria de Jesus ganha título de Doutora Honoris Causa da UFRJ

Carolina Maria de Jesus, uma das escritoras mais lidas...

para lembrar

Benedita anuncia Marcha das Mulheres Negras em novembro

A deputada Benedita da Silva (PT-RJ) anunciou, em plenário,...

Eu sou comunista!

Há 50 anos me tornei comunista! Foi em maio...

Filme Kbela é homenagem a todas as mulheres negras

Idealizado por Yasmin Thayná e realizado coletivamente, Kbela nasceu...

Adeola: mulheres negras se vestem de princesas pelo ensino de África nas escolas

A educação é fundamental para o desenvolvimento e a...
spot_imgspot_img

Ela me largou

Dia de feira. Feita a pesquisa simbólica de preços, compraria nas bancas costumeiras. Escolhi as raríssimas que tinham mulheres negras trabalhando, depois as de...

“Dispositivo de Racialidade”: O trabalho imensurável de Sueli Carneiro

Sueli Carneiro é um nome que deveria dispensar apresentações. Filósofa e ativista do movimento negro — tendo cofundado o Geledés – Instituto da Mulher Negra,...

Refletindo sobre a Cidadania em um Estado de Direitos Abusivos

Em um momento em que nos vemos confrontados com atos de violência policial  e  não punição, como nos recentes casos de abuso de poder...
-+=