Mulheres Negras: PRESENTE!

Artigo em alusão – 25 de julho – Dia Internacional das Mulheres Negras Latino Americanas e Caribenhas e Dia Nacional de Tereza Benguela e Dia da Mulher Negra.
Mulheres Negras: PRESENTE!

As mulheres negras tem sido parte importante da sociedade brasileira, como grupo social específico em defesa de seus interesses ou como parte do amplo contingente negros, que luta por justiça e inclusão social, fazendo de suas ações um cenário pontual que pode ser comprovado desde o regime escravocrata. De fato, as mulheres negras que constroem cotidianamente o Brasil como nação, sempre estiveram ligadas a uma realidade de exclusão e sonegadas de seus direitos perante a sociedade. Mas a história de luta dos movimentos negros e de mulheres negras no Brasil é marcada por atitudes que visam o fim do racismo das estruturas do estado brasileiro, a superação da desigualdade racial, através da garantia dos direitos e o aperfeiçoamento da democracia. As ações que apresentam limitações de ordem burocrática e de interesse de onde foram e por quem são desenvolvidas estas políticas. Segundo Lélia Gonzalez, o racismo pode apresentar taticamente duas formas para manter a “exploração/opressão”: o racismo aberto e o racismo disfarçado. A primeira forma é encontrada, principalmente, nos países de origem anglo-saxônica, e a segunda predomina nas sociedades de origem latina. No racismo disfarçado, “prevalecem as ‘teorias’ da miscigenação, da assimilação e da ‘democracia racial’”, e essa forma de se manifestar, afirma, o pensar no Brasil, impede a “consciência objetiva desse racismo sem disfarces e o conhecimento direto de suas práticas cruéis”, pois a crença historicamente construída sobre a miscigenação criou o mito da inexistência do racismo em nosso país.

E o mais alarmante, nos últimos tempos, é que pesquisam apontam dados preocupantes em relação a tendência crescente dos discursos de ódio e intolerância nas redes sociais no Brasil. O Facebook está em primeiro lugar, 81% das vítimas de mensagens racistas são mulheres negras na faixa etária de 20-35 anos. Sabemos que a maioria destes discursos preconceituosos vem de rapazes jovens de no máximo 20 poucos anos. Acostumados a transmitir e perpetuar este comportamento através de piadas depreciativas e de mau gosto contra mulheres negras. Estamos diante de uma perigosa e alarmante rede ideológica, motivada pela crença do pseudo- anonimato das redes sociais, que funciona como uma cortina de fumaça, que os protege civilmente por seus atos. Ampliando cada vez mais as redes de conectados influenciados pela já tocante e tradicional motivação pelo branqueamento da nossa sociedade. Um discurso associado a crença de que branquitude é sinônimo de modernidade, beleza, civilidade e inteligência, enquanto a negritude seria oposto, disso tudo. Afinal, são apenas “piadinhas, brincadeiras, diversão, não é nada demais”

É preciso mostrar e deixar claro, que ao espalhar estes discursos preconceituosos e racistas por toda parte, e especialmente, pelas redes sociais, os sujeitos estão na verdade tentando negar e disfarçar a crescente ascensão social, que a mulheres negras estão alcançando dentro da sociedade, é como se insistissem no velho comportamento marcado pela linha do invisível que separa e marca a hierarquia social e racial brasileira, a qual não reconhece a elas o direito e privilégio de ocupar determinados lugares. A medida que elas, passaram a pertencer e assumir papéis predominantes e de destaque com posturas ativas e de relevância dentro da sociedade causaram profundo incômodo nos defensores destas ideologias preconceituosas. E isso, infelizmente gera um resultado que reforça cada vez mais o estereótipo negativo e limitado dado a mulher negra no Brasil. É preciso lutar e mudar!

Myla Machado Professora da SEMED – MS – Mestranda em História pela UFGD – Membro do Grupo de Mulheres Negras em Ação Comunidade Tia Eva e do Coletivo de Mulheres Negras de MS Raimunda L. de Brito.


** Este artigo é de autoria de colaboradores ou articulistas do PORTAL GELEDÉS e não representa ideias ou opiniões do veículo. Portal Geledés oferece espaço para vozes diversas da esfera pública, garantindo assim a pluralidade do debate na sociedade.

+ sobre o tema

Como resguardar as meninas da violência sexual dentro de casa?

Familiares que deveriam cuidar da integridade física e moral...

Bruna da Silva Valim é primeira negra a representar SC no Miss Universo Brasil

Bruna da Silva Valim, candidata de Otacílio Costa, foi...

Luiza Bairros lança programas de combate ao racismo na Bahia

O Hino Nacional cantado na voz negra, marcante, de...

Elizandra Souza celebra 20 anos de carreira em livro bilíngue que conta a própria trajetória

Comemorando os 20 anos de carreira, a escritora Elizandra...

para lembrar

Dona Zica Assis responde ao artigo: “Respeite nosso cabelo crespo”

Carta de Zica Assis - Beleza Natural   Oi Ana Carolina, Meu...

Descolonizar a língua e radicalizar a margem

Uma resenha sobre “Um Exu em Nova York” de...

Rita Bosaho é a primeira mulher negra eleita deputada em Espanha

O resultado das recentes eleições é histórico também porque...

Evento gratuito voltado à literatura afro-brasileira é realizado em Porto Alegre

12ª Festipoa Literária começa nesta segunda-feira (29) e segue...
spot_imgspot_img

Peres Jepchirchir quebra recorde mundial de maratona

A queniana Peres Jepchirchir quebrou, neste domingo, o recorde mundial feminino da maratona ao vencer a prova em Londres com o tempo de 2h16m16s....

O futuro de Brasília: ministra Vera Lúcia luta por uma capital mais inclusiva

Segunda mulher negra a ser empossada como ministra na história do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), a advogada Vera Lúcia Santana Araújo, 64 anos, é...

Ela me largou

Dia de feira. Feita a pesquisa simbólica de preços, compraria nas bancas costumeiras. Escolhi as raríssimas que tinham mulheres negras trabalhando, depois as de...
-+=