COVID-19: crises de ansiedade afetaram 63% dos jovens no último semestre

Enviado por / FonteUNU

Foi publicada nesta terça-feira (27) a pesquisa “Juventudes e a Pandemia: E agora?”, publicação que conta com o apoio da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO) e do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF).

O levantamento ouviu mais de 16 mil jovens sobre saúde, educação, trabalho, democracia e redução das desigualdades.

Para 63% dos participantes, educação deve ser prioridade para os governantes. Fortalecimento do SUS, recuperação econômica e ações contra a fome também são destaque.

Pesquisa mostra ainda impacto persistente na saúde mental: 63% relatam ansiedade e 47% pedem acompanhamento psicológico na saúde pública.

Diante dos efeitos da pandemia no país, o que os jovens esperam dos governantes? Educação, combate à fome, fortalecimento do Sistema Único de Saúde (SUS) e recuperação econômica são os temas prioritários para esta população, segundo apontou a pesquisa “Juventudes e a Pandemia: E agora?”, que ouviu mais de 16 mil jovens de todo o país. 

Esta é a terceira edição da série de pesquisas “Juventudes e a Pandemia do Coronavírus”, realizadas também em 2020 e 2021. As três edições juntas somam mais de 118 mil respostas. Na edição de 2022 foram ouvidos 16.326 jovens de 15 a 29 anos, entre os dias 18 de julho a 21 de agosto de 2022. 

Após o isolamento social e a vacinação contra COVID-19, o levantamento ouviu as juventudes para entender os impactos, os hábitos adquiridos e as prioridades para a saúde, educação, trabalho e renda. E, diante do período eleitoral, também foram feitas perguntas sobre o fortalecimento dos processos democráticos. 

A terceira edição da pesquisa é coordenada pelo Atlas das Juventudes e realizada em parceria com Conselho Nacional da Juventude (CONJUVE), Em Movimento, Fundação Roberto Marinho, Rede Conhecimento Social, Mapa Educação, Porvir, Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO) e Visão Mundial, com apoio de Itaú Educação e Trabalho, GOYN-SP e Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF). 

“A pesquisa revela alguns dos principais anseios e aspirações dos jovens, além dos impactos da pandemia em suas vidas. Esse é um processo que temos conduzido ao longo de três anos com centenas de milhares de jovens e poderá contribuir para a definição de prioridades na escolha de que projeto de desenvolvimento e políticas públicas as juventudes querem para o nosso país”, comentou o coordenador-geral do Atlas das Juventudes e presidente do Conselho Nacional da Juventude, Marcus Barão.

De acordo com os jovens, as prioridades são educação (63%), saúde (56%), seguido por economia, trabalho e renda (49%) e a redução das desigualdades (25%). Se fossem governantes, os jovens dizem que investiriam em fortalecimento da educação, combate à fome, fortalecimento do SUS e planejamento para a recuperação econômica. 

Ansiedade – A pandemia impactou fortemente a saúde mental de jovens: seis a cada dez participantes da pesquisa passou ou vem passando por ansiedade nos últimos seis meses e metade sente cansaço e exaustão frequentes como efeitos da pandemia. No levantamento, 18% dos jovens relataram depressão e 9% automutilação ou pensamento suicida. Na Educação, 55% dos jovens sentem que ficaram para trás em termos de aprendizagem, como consequência da pandemia. E 11% ainda pensam em deixar de estudar nos últimos seis meses, enquanto 34% já pensaram, mas não querem mais parar.

Durante os anos da pandemia, parte dos jovens chegou a interromper os estudos em algum momento: em 2020, foram 28%; em 2021, 16% e em 2022, 3%. Já em termos de hábitos adquiridos durante a pandemia na educação, quase sete a cada dez citam o uso de tecnologias para estudar, e cinco a cada dez relatam usar a internet para aprofundar os assuntos além do que é trabalhado em sala de aula pelos professores. 

Para enfrentar os efeitos da pandemia no mundo do trabalho, jovens citam como ações prioritárias a oferta de cursos para a qualificação profissional e editais para fomento de projetos das juventudes. 

Veja as principais conclusões do estudo por área:

Vida pública:

  • Nove a cada dez jovens defendem a democracia e oito a cada dez concordam que a pandemia deixou as pessoas mais atentas à política. 
  • 82% irão votar nas próximas eleições, mas quase sete a cada dez estão pessimistas em relação ao comprometimento dos políticos com a sociedade. 
  • A carreira política, no futuro, atrai apenas 4% dos jovens. 
  • Segundo as juventudes, os candidatos devem priorizar a educação (63%), a saúde (56%), a economia, trabalho e renda (49%) e a redução das desigualdades (25%). 
  • Se fossem governantes investiriam em plano de fortalecimento da educação (32%), ações de combate à fome (30%), ações para fortalecimento do SUS (27%) e plano para a recuperação econômica (27%). 

Saúde

  • Observa-se forte impacto da pandemia na saúde mental das juventudes. Para 82% dos jovens a pandemia ainda não acabou e para quase cinco a cada dez, a principal preocupação permanece relacionada ao receio de perder familiares ou amigos. E quase quatro a cada dez se preocupam com a possibilidade de outras pandemias ou tem receio de passar por dificuldades financeiras. 
  • Diante dessas preocupações, seis a cada dez jovens pesquisados passaram ou vêm passando por ansiedade nos últimos seis meses. Mais de cinco a cada dez relatam que a pandemia também intensificou o uso exagerado de redes sociais. E 50% sentem cansaço e exaustão frequentes como efeitos da pandemia. E 44% vivem a falta de motivação para as atividades cotidianas. 
  • O agravamento da saúde mental levou quase três a cada dez a utilizar aplicativos de saúde mental nos últimos três meses. E as atividades que eles mais demandam para conseguir manter a saúde mental estão relacionadas à psicoterapia, enquanto 25% cita atividades de socialização, como encontrar amigos, e quatro a cada dez citam atividades físicas. 
  • Quando questionados sobre ações prioritárias para que instituições públicas e privadas ajudem jovens a lidar com efeitos da pandemia, 47% sinalizam o acompanhamento psicológico especializado em jovens na saúde pública. E 39% citam o acompanhamento psicológico nas escolas. E 25% pedem ações para garantir uma alimentação segura para os mais vulneráveis. 
  • Para 74% das juventudes, um dos aprendizados da pandemia é a importância da atenção à saúde mental. No entanto, 64% estão pessimistas em relação à saúde pública. 
  • Os e as jovens relataram a manutenção de importantes hábitos adquiridos na pandemia: mais de seis a cada dez vão utilizar a máscara quando estiverem doentes e sete a cada dez permanecerão utilizando o álcool em gel ou lavando as mãos com mais frequência. E quase sete a cada dez manterão as vacinas em dia. 

Educação e aprendizado: 

  • Nos últimos seis meses, 34% já pensaram em parar de estudar e 11% ainda pensam. 
  • 55% desses jovens sentem que ficaram para trás, em termos de aprendizagem, como consequência da pandemia. 
  • 82% pretendem continuar estudando após a conclusão da etapa que estão atualmente. 
  • Contudo, durante os anos da pandemia boa parte dos jovens chegou a interromper os estudos em algum momento: em 2020, foram 28%; em 2021, 16% e em 2022, 3%. 
  • 52% sentem que desenvolveu ou intensificou a dificuldade de manter o foco, 43% de se organizar para os estudos e 32% para falar em público, em função do período remoto. 
  • Em termos de hábitos adquiridos, quase sete a cada dez citam o uso de tecnologias para estudar. Cinco a cada dez citam o uso da internet para aprofundar os assuntos e ir além do que é trabalhado em sala de aula pelos professores. Além do uso de ferramentas interativas para a aprendizagem. E 48% relatam que adquiriram o hábito de ler mais. 
  • Quase cinco a cada dez jovens consideram que os conteúdos mais importantes para a escola, estão relacionados a preparação para o mundo do trabalho, e atividades para trabalhar as emoções. Para 1/3, as estratégias para organizar o tempo de estudo são essenciais. 
  • Mais de sete a cada dez estão otimistas em relação ao seu desenvolvimento nos estudos. E para seis a cada dez o otimismo prevalece em relação à qualidade do ensino e conexão da educação com o mundo do trabalho. 
  • Em relação aos aprendizados que a pandemia deixou para a educação, nove a cada dez concordam que as pessoas entenderam que há várias formas de aprender, que a tecnologia está sendo mais bem utilizada na educação e que novas dinâmicas de aula e de avaliação foram adotadas. 
  • Pensando no futuro da educação e nas prioridades para apoiar jovens a lidar com os efeitos da pandemia, são destacados, novamente, o apoio psicológico, desta vez para toda a comunidade escolar, a bolsa de estudo e auxílio estudantil e a ampliação de oportunidades para a educação profissionalizante. 

Trabalho e renda: 

  • Em relação ao tema de trabalho e renda, quase oito a cada dez jovens estão otimistas em relação a oportunidades de qualificação profissional e surgimento de novas formas de trabalho. 
  • Pensando no futuro na área de trabalho e renda, são muitas as ações prioritárias para instituições públicas e privadas ajudarem jovens a lidar com efeitos da pandemia. As mais citadas foram: oferta de cursos para a qualificação profissional e editais para fomento de projetos das juventudes. Perfil de jovens respondentes. 
  • Dos 16.326 jovens (15 a 29 anos) que responderam à pesquisa, houve respostas de todos os estados do país. 
  • Há uma participação majoritária de mulheres (64%) em relação a homens (35%). E 1% se identifica como não binário ou outro gênero. Quase 25% se consideram LGBTQIAP+. 
  • 42% são brancos, 56% negros (40% pardos e 16% pretos), 1% amarelos e 1% indígenas. 3% são jovens com deficiência. 13% são responsáveis por filhos ou enteados. 
  • Moram principalmente na zona urbana (93%). Poucos moram em territórios ou comunidades tradicionais (2%). Moram principalmente em capitais (36%) e interiores (36%). 
  • 81% dos jovens respondentes estavam trabalhando quando responderam à pesquisa (proporção muito maior do que a taxa de empregados nessa faixa de idade no Brasil hoje); desses, 63% têm contrato de aprendizagem. E a renda familiar desses respondentes é semelhante à média da população: 2% não tem renda familiar, 40% têm até R$2,2 mil mensais, 26% têm entre R$2.201 e R$4,4 mil mensais, 18% têm mais de R$ 4,1 mil mensais. 
  • 64% estavam estudando quando responderam ao questionário. Destes, 4% estavam matriculados nos anos finais ou Educação de Jovens e Adultos (EJA); 29% no ensino médio regular; 2% no ensino médio EJA e 5% no médio técnico. 37% na graduação e 14% na pós-graduação. 
  • Os jovens respondentes são amplamente engajados com grupos ou instituições: 72% integram ou já integraram grupos religiosos, coletivos ou movimentos juvenis, organizações sociais, conselhos ou partidos políticos. 

+ sobre o tema

Racismo Prejudica Combate a AIDS

Entrevista/Karen Bruck Coordenadora do Programa Integrado de Ações Afirmativas para...

‘Novo câncer’ pode ser desencadeado por implante de silicone

Um novo tipo de câncer, chamado linfoma anaplásico de...

Cerca de 100 especialistas em HIV estavam em avião da Malásia

Mortes de dezenas de destacados especialistas na área provocam...

“Mais Médicos” reforça a atenção básica na Maré

A Vila dos Pinheiros, uma das 15 comunidades que...

para lembrar

Jovens mulheres são protagonistas das lutas sociais no Brasil

As mulheres são protagonistas na formação das crianças e...

Janeiro branco e as demandas pretas

A típica frase: “Ano novo, vida nova” nunca foi...

A psicologia não tem se preocupado suficientemente com o racismo

 Há preponderância do eurocentrismo na Psicologia, isso expõe a...

Pandemia do coronavírus pode levar fome a quem depende da merenda escolar

Diante do fechamento de escolas para frear a pandemia...
spot_imgspot_img

Fiocruz alerta para aumento da taxa de suicídio entre criança e jovem

A taxa de suicídio entre jovens cresceu 6% por ano no Brasil entre 2011 a 2022, enquanto as taxas de notificações por autolesões na...

Sobrecarga pode fazer com que mães solo enfrentem transtornos de saúde mental

"Eu sentia muita taquicardia e tinha medo de tudo. Me vinham aquelas crises e eu não conseguia entender o que era. Naquela época, saúde...

Depressão em idosos: por que doença ainda é difícil de ser diagnosticada

"Perdi o amor da minha vida, com quem estava há 45 anos." A aposentada paranaense Maria Helena Barroso, de 64 anos, relembra assim a morte...
-+=