Cresce percepção sobre discriminação de mulheres e negros no mercado de trabalho

Pesquisa da Oxfam aponta que 72% dos brasileiros acreditam que a cor da pele influencia empresas na hora de contratar

por Daiane Costa no O Globo

Mulher trabalhadora Foto- Márcia Foletto : Márcia Foletto
Mulher trabalhadora Foto- Márcia Foletto : Márcia Foletto

Aumentou a percepção do brasileiro sobre discriminação por gênero e raça no mercado de trabalho. Pesquisa realizada pela organização internacional Oxfam Brasil, em conjunto com o Instituto Datafolha, mostra que 64% dos entrevistados concordam que “mulheres ganham menos por serem mulheres”, 52% que “negros ganham menos pelo fato de serem negros” e 72% que a cor da pele influencia a decisão de contratação por empresas. O estudo mostra ainda, que para 94% dos brasileiros, a receita de impostos deveria ser destinada aos pobres.

Na pesquisa anterior, realizada em 2017, 57% dos brasileiros viam discriminação no mercado de trabalho por gênero e 46% viam diferenciação por raça. A edição atual da pesquisa foi realizada com 2.086 pessoas de 130 cidades nas cinco regiões brasileiras. O período da aplicação das entrevistas foi de 12 a 18 de fevereiro de 2019.

Os dados mais recentes do IBGE mostram que, no Brasil, as mulheres ganham, em média, 20,5% menos que os homens e a renda dos brancos é 76% maior que a dos negros.

Com relação à questão de gênero, como esperado, a concordância entre as mulheres sobre a afirmação que ganham menos no mercado de trabalho por serem mulheres é maior do que aquela observada entre homens: 69% delas concordam contra 58% deles. O mesmo ocorre entre negros e brancos. Entre as pessoas que se autodeclaram pardas, 52% acreditam que negros ganham menos por serem negros, o número sobe para 57% para os autodeclarados pretos, contra 50% de autodeclarados brancos.

“Trata-se de diferença relevante, que marca o contraste da maior percepção de quem mais sofre com o racismo. Ainda assim, entre brancos é predominante o grupo daqueles que responderam concordar com a existência de racismo no mercado de trabalho em relação àqueles que discordam”, diz o documento.

Com relação à cor da pele, a pesquisa mostra que o brasileiro também concorda que ela define as chances de abordagem policial, afeta o tratamento dado pela Justiça e dificulta a vida de quem é pobre.

No documento, a organização internacional diz que, “na questão racial, há desafios monumentais de inclusão educacional, de cotas em universidades, empresas e serviço público e de combate ao racismo institucional”.

Veja também:

+ sobre o tema

Protocolo negro

Quem é negro costuma cumprir um protocolo ao colocar...

Cidinha da Silva e as urgências de Cronos em “Tecnologias Ancestrais de Produção de Infinitos”

Em outra oportunidade, dissemos que Cidinha da Silva é, assim...

Fiocruz alerta para aumento da taxa de suicídio entre criança e jovem

A taxa de suicídio entre jovens cresceu 6% por...

para lembrar

4 mil vagas no Rio para afrodescendentes

Governo oferece cursos gratuitos, com bolsa, para afrodescendentes ...

Concursos com inscrições abertas nesta segunda somam 26,2 mil vagas

Há cargos para todos os níveis de escolaridade.Salários chegam...

Feira de emprego leva oportunidades à Cidade de Deus

O projeto Empregabilidade em Movimento que é uma grande...
spot_imgspot_img

Protocolo negro

Quem é negro costuma cumprir um protocolo ao colocar o pé na rua. Inclui jamais sair sem um documento; não ir ao supermercado com...

Por que ser antirracista é tão importante na luta contra a opressão racial?

O Laboratório de Estudos de Gênero e História, da Universidade Federal de Santa Catarina, lança nesta quarta-feira (21) o quinto vídeo de sua campanha de divulgação...

Moção de solidariedade da UNEGRO ao Vai Vai 

A União de Negras e Negros Pela Igualdade (UNEGRO), entidade fundada em 1988, com  longa trajetória na luta contra o racismo e suas múltiplas...
-+=