Curso online de feminismo negro

Formação online sobre feminismo negro será dividida em quatro módulos

Por Pedro Borges Do Alma Preta 

O Coletivo Di jejê oferece um curso online sobre o histórico do feminismo negro no Brasil. Os encontros virtuais começam a partir do dia 28 de junho e se estendem até 3 de julho. O número de vagas é de 30 pessoas e todos inscritos receberão um certificado ao final das aulas.

A programação está dividida em quatro módulos. Enquanto a primeira conversa propõe a reflexão “O que é ser mulher negra?”, o segundo debate coloca em pauta a pergunta “Por que um feminismo negro?”. O terceiro questionamento suscita a discussão “Movimento Nacional de Mulheres Negras: as demandas das mulheres negras ou as mulheres negras demandam?”. O último momento apresenta os “princípios epistemológicos do feminismo negro no Brasil”.

Jaqueline Conceição, organizadora da atividade e integrante do Coletivo Di jejê, explica o porquê da escolha de oferecer uma formação online sobre o tema. “Nós estamos trabalhando com os cursos desde Dezembro do ano passado, e a demanda tem aumentado bastante. Desde a última edição do curso Capitalismo e Racismo, recebemos muitas mensagens de pessoas de vários lugares do país solicitando a possibilidade de acessar nossas aulas. Então, decidimos fazer uma versão online, estruturada numa plataforma e-learning”.

O Coletivo Di jejê apresenta cursos teóricos com regularidade na cidade de São Paulo. A primeira vez de maneira online não significa mudança no conteúdo compartilhado, apenas alteração na forma de apresenta-lo, explica Jaqueline. “A diferença é a metodologia utilizada. O ambiente virtual de aprendizagem requer estratégias de ensino adequadas para essa modalidade educativa”.

Ela ressalta a importância de discutir o feminismo negro no momento de abertura e debate acerca da demanda das mulheres negras, dentro e fora da universidade. “Quanto mais ele se preocupa em se voltar para seu objeto de estudo e analise (a mulher negra) em seu locus por excelência (a periferia), mais assertivo e combativo ele se torna, conseguindo apontar perspectivas de luta e libertação. Não temos dúvida que a revolução será preta, feminista e de quebrada”.

Serviço:

Inscrições e pagamento para a participação no curso.

Valor: 80,00

Evento no Facebook com mais detalhes.

Mais informações: [email protected] 11 9 44681000

+ sobre o tema

Da dificuldade nasce a força da mulher negra

Em 1989, com 14 anos, entrei no mercado de...

A “empregada” no centro de uma sociedade cindida

“Que horas ela volta?”, de Anna Muylaert, segue linhagem...

Paulina Chiziane e a liberdade de quem conta suas próprias histórias

“Se queres conhecer a liberdade Segue o rastro das andorinhas” (Ditado...

para lembrar

Lei institui o Dia de Luta contra Genocídio da Muher Negra no Rio

A lei estabelece que instituições públicas e privadas promovam...

Em resposta a racismo e bullying, jovem desenha vestido de formatura em estilo africano

A norte-americana Kyemah McEntyre, de 18 anos, conta que,...

Sede do Neab homenageia Ya Mukumbi

Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros funcionará em casa de madeira...

Conexões diaspóricas: mobilização da Marcha das Mulheres Negras no mundo

Mulheres negras de 21 países da América Latina, Caribe...
spot_imgspot_img

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Geledés participa do Fórum do Feminismo Negro

O Fórum Global de Feminismos Negros 2024 está ocorrendo entre os dias 04 a 07 de fevereiro, em Bridgetown, Barbados. Sob o tema “Para...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...
-+=