De 12 milhões de desempregados no primeiro trimestre, 64% eram negros

Enviado por / FonteDa RBA

Desigualdade também se mostra entre homens e mulheres e nas regiões do país, mostra IBGE

A pesquisa do IBGE sobre mercado de trabalho, detalhada nesta sexta-feira (13) após divulgação geral, mais uma vez aponta diferenças significativas entre as unidades da federação, em relação a taxas de desemprego, informalidade e subocupação, entre outros indicadores. No recorte por gênero, o desemprego, por exemplo, de 11,1% na média no primeiro trimestre, cai para 9,1% entre os homens e sobe para 13,7% no caso da mulheres.

Além disso, a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua mostra taxa de 8,9% para pessoas brancas, de 12,9% para pessoas pardas (classificação do IBGE) e de 13,3% para pretas. De acordo com o instituto, dos quase 12 milhões de desempregados no primeiro trimestre, 64,2% eram pretos ou pardos, enquanto os brancos representavam 34,8%. E 59,7% tinham de 25 a 59 anos.

As diferenças se revelam também na questão do rendimento. Para um média no período estimada em R$ 2.548, a dos homens era de R$ 2.787 e a das mulheres caía para R$ 2.219 – diferença de 25,6%. Dos chamados subutilizados, pessoas que gostariam de trabalhar mais, 56% eram mulheres.

O desemprego e a informalidade mostram ainda discrepâncias regionais. Com média nacional de 11,1%, a taxa vai de 6,5% (Sul) a 14,9% (Nordeste). Vai a 8,5% na região Centro-Oeste, também 11,1% no Sudeste e 11,7% no Norte. Entre as UFs, varia de 4,5% (Santa Catarina) a 17,6% (Bahia). É de 10,8% em São Paulo.

Pessoas com ensino médio incompleto têm a maior taxa de desemprego: 18,3%. Entre aqueles com ensino superior completo, cai para 5,6%.

No setor privado, 74,1% tinham carteira assinada, percentual que sobe para 88,2% em Santa Catarina e 82,4% em São Paulo e cai para 47,3% no Maranhão, 51,3% no Pará e 51,4% no Piauí. Mais de um quarto dos ocupados (26,5%) é de pessoas trabalhando por conta própria, índice que varia de 35% a 36% em estados da região Norte. A taxa de informalidade no país é de 40,1%, mas chega a 62,9% no Pará. Em São Paulo, é de 30,5%. 

+ sobre o tema

Paralegais: Câmara aprova profissão que não necessita exame da OAB

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara...

Mulher negra na informalidade ganha 57,6% menos que as demais

Nas microempresas, os rendimentos são um pouco mais equilibrados....

Site com vagas de empregos para negros é inaugurado em São Paulo

SP ganha site com vagas de emprego exclusivas para...

DIVERSOS SOMOS TODOS

por Reinaldo Bulgarelli - Valorização, promoção e gestão...

para lembrar

Jamais fomos modernos – nem para fora, nem para dentro

Estou nessa de rever coisas que escrevi. De adicionar...

Livro de Abdias Nascimento que confrontou teoria da democracia racial é relançado

Em 1977, Abdias Nascimento estava em Lagos, Nigéria, pronto...

60% dos negros dizem ter sofrido racismo no trabalho, aponta pesquisa

Mais da metade dos profissionais negros admite já ter...
spot_imgspot_img

Fui demitida depois dos 40. E agora?

Dia desses, enquanto navegava pelos comentários de uma publicação no LinkedIn, deparei-me com o relato em que uma mulher mencionava ter ouvido de seu...

Taxa média de desemprego cai para 7,8% em 2023, ao menor patamar desde 2014, diz IBGE

A taxa de média de desemprego no Brasil foi de 7,8% em 2023, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) Contínua, divulgada nesta...

Desigualdade aumentou em 2023, diz relatório do Banco Mundial

Em torno de 700 milhões de pessoas sobrevivem com menos de US$ 2,15 (R$ 10,50) por dia. São os mais pobres entre os pobres...
-+=