Denúncia de racismo em escola de SP contra aluna de 12 anos gera comoção

Lorena tem 12 anos e agora vai à escola sorrindo com seu cabelo black power. Mas não era assim até o mês passado, quando foi vítima de racismo por colegas de turma no colégio estadual onde estuda, em São Bernardo do Campo, no ABC paulista. Segundo sua mãe, Camila dos Santos Reis, a menina sofreu agressões verbais por causa de sua cor e seu cabelo. A web designer conta que criaram grupos no WhatsApp para insultá-la por mensagens de voz. Lolô, como é conhecida carinhosamente, ouviu e chorou calada. Até que o preconceito chegou aos ouvidos da mãe, que fez barulho nas redes sociais.

No DCM

O primeiro desabafo de Camila no Facebook foi curtido por mais de 107 mil pessoas e compartilhado por quase 75 mil. No post, ela conta que Lolô lhe enviou uma mensagem, dizendo: “Olha o que eu sofro”. Na sequência, cerca de 20 áudios ofensivos que recebeu de colegas da sua idade, como “Sua preta, testa de bate bife”, “Eu sou racista mesmo”, “Você vai ficar neste grupo até chorar”, “Cabelo de movediça, de macarrão” e outros impublicáveis. Na época, ela usava canecalon (tranças de cabelo artificial).

Duas semanas depois, Camila postou no Facebook nova denúncia, de que a direção da escola havia trocado Lolô de turma porque “ela não se adaptou às outras crianças”. A decisão, segundo a mãe, foi tomada depois de uma acareação entre sua filha e seus agressores verbais, em que a menina teria tido que pedir desculpas a eles. Dessa vez, a garota não apenas chorou, como teve febre alta, foi diagnosticada com estresse pós-traumático e não queria voltar mais à escola.

— Depois que a diretora teve a infeliz atitude se fazê-la pedir desculpas para os agressores, ela ficou uma semana em casa, não tinha condições de ir às aulas. Mas, mesmo assim, ela não queria trocar de escola, pois dizia que não fez nada de errado para sair da escola, que quem tinha que mudar eram os alunos e a postura da diretora.

Após a repercussão nas redes sociais, motivada pelas páginas do Facebook “Preta e Acadêmica” e “As vantagens de se enrolar” (uma referência aos cabelos), as coisas começaram a melhorar.

Entenda o caso

Brasil: vítima de racismo em escola, menina é obrigada a pedir desculpas aos agressores

— A escola foi muito resistente, aconteceram coisas muito chatas, houve negligência, mas, depois da intervenção do Conselho Tutelar, do Departamento de Políticas Afirmativas de São Bernardo e da Secretaria de Educação, a escola entendeu a necessidade de tomar providências corretivas em relação aos agressores. Os pais dos alunos enfim foram chamados. Quanto às medidas socioeducativas ou corretivas que foram tomadas, prefiro não me pronunciar — disse Camila.

Veja também:  Em vídeo, menina de 8 anos combate preconceito sobre seu cabelo

 

+ sobre o tema

Ministério Público vai investigar atos de racismo em escola do DF

O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT)...

Desigualdade ambiental em São Paulo: direito ao verde não é para todos

O novo Mapa da Desigualdade de São Paulo faz...

Nath Finanças entra para lista dos 100 afrodescendentes mais influentes do mundo

A empresária e influencer Nathalia Rodrigues de Oliveira, a...

Ministério da Igualdade Racial lidera ações do governo brasileiro no Fórum Permanente de Afrodescendentes da ONU

Ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco, está na 3a sessão do...

para lembrar

Neonazista que divulgou fotos racistas na internet culpa imprensa por prisão

Indiciado por formação de quadrilha e racismo a...

Corregedoria da Câmara de SP aprova cassação de vereador por fala racista

A Corregedoria da Câmara Municipal de São Paulo aprovou...

Pai pede que filho não seja cuidado por enfermeiras negras nos EUA

Uma enfermeira negra processou um hospital no estado...

Curiosidade sobre como vivem pobres alimenta turismo nas favelas

No início do século 20, a curiosidade sobre como...
spot_imgspot_img

Ministério Público vai investigar atos de racismo em escola do DF

O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) vai investigar atos de racismo registrados durante uma partida de futsal entre alunos de duas...

Gibi, 85 anos: a história da revista de nome racista que se transformou em sinônimo de HQ no Brasil

Um dicionário de português brasileiro hoje certamente trará a definição de gibi como “nome dado às revistas em quadrinhos” — ou algo parecido com isso....

Estudante negra de escola pública ganha prêmio com pesquisa que apontou racismo em dicionários: ‘racismo enraizado na fala’

Uma aluna do Ensino Médio do Instituto Federal São Paulo, de Bragança Paulista (IFSP), conquistou medalha de ouro após apresentar uma pesquisa sobre racismo, durante a...
-+=