A desigualdade está na moda

Distribuição de renda na América Latina: os 20% mais ricos da população retêm 47% da renda da região; os 20% mais pobres da população recebem 5%; a renda anual dos 113 latino-americanos mais ricos pagaria o orçamento de El Salvador, Guatemala e Nicarágua; poderia tirar da pobreza 25 milhões de pessoas.
Fontes: Cepal e Oxfam.

As muito contemporâneas novelas medievais do galês Ken Follett transportam a um tempo em que os ricos tinham tudo e os pobres não tinham nem a si mesmos. Essas histórias ambientadas nos séculos 12, 13 e 14 reconfortam de certo modo o leitor contemporâneo, rodeado de comodidades, liberdades e garantias. A marca daquela época era a pobreza. Com diz o próprio Follett, “o príncipe mais rico vivia pior do que, digamos, um recluso em uma prisão moderna”.

A reportagem é de Diana Carboni, publicada por IPS/Envolverde,

Pobreza e desigualdade não são a mesma coisa, mas reforçam uma à outra. Na pobre Idade Média a desigualdade era terrível: entre a plebe despossuída e os príncipes, senhores e membros poderosos do clero havia um vazio social e econômico que levou séculos preencher.

A sociedade do século 21 vive sob o signo da opulência. Mas o problema é que os ricos estão ficando cada vez mais ricos, em todo o mundo, e os exércitos de pobres saem do fosso com muita lentidão e ficam muito perto da borda e com um pé no vazio.

Na Índia, onde vivem 1,2 bilhão de pessoas, os bilionários se multiplicaram por dez na última década. Em 2001, possuíam 1,8% da riqueza nacional e em 2008 já tinham em suas mãos 26%, indica a organização internacional para o desenvolvimento Oxfam. Por outro lado, a superação da pobreza extrema nesse país é muito lenta: em 1981 havia 429 milhões de indigentes e em 2010 eram 400 milhões, segundo o Banco Mundial.

A desigualdade aumenta em todo o mundo, alertam instituições representativas tanto do pensamento liberal e desregulador quanto o Fundo Monetário Internacional e o Fórum Econômico Mundial (FEM). Segundo o banco Credit Suisse, 10% da população mundial possui 86% de todas as riquezas, enquanto os 70% mais pobres (mais de três bilhões de pessoas) contam com apenas 3%.

Nas pesquisas com as elites mundiais sobre riscos globais que o FEM realiza ressalta-se a iniquidade de renda como um dos principais perigos emergentes.

desigualdade2

Desde 2012 a desigualdade de renda lidera as pesquisas dos cinco riscos globais mais prováveis. Em 2014 já é considerado o quarto maior perigo global. Fontes: Fórum Econômico Mundial.

Estaremos voltando à Idade Média?

Isso parece impossível. As classes médias, ou os “não pobres”, continuam aumentando, sobretudo nos grandes países do mundo em desenvolvimento.

A extrema pobreza diminuiu drasticamente desde a década de 1980 em todo o mundo. Em 1981, mais da metade da população dos países em desenvolvimento era indigente. Em 2010, essa proporção caiu para 21%, segundo o BancoMundial. Mas as brechas de riqueza e renda aumentam, também em lugares onde as classes médias estão bem assentadas, como Europa e Estados Unidos.

desigualdade3
1950: Um diretor-executivo dos Estados Unidos ganhava 20 vezes mais do que o trabalhador médio. 1980: Um diretor-executivo dos Estados Unidos ganhava 42 vezes mais do que o trabalhador médio. 2013: Cada diretor-executivo das 350 maiores empresas dos Estados Unidos ganha 331 vezes mais do que o trabalhador médio. Fontes: AFL-CIO’s 2014 Executive PayWatch e Sarah Anderson, Institute for Policy.

Vários analistas vinculam essas maciças saídas da pobreza e a percepção pública crescente da desigualdade com a erupção de descontentamentos sociais mais ou menos difusos em países tão distintos como Turquia, Brasil ou Chile.

A desigualdade reaparece com força no século XXU, como um fenômeno com novas facetas que acompanha o capitalismo globalizado. Nesse cenário, a América Latina se apresenta como uma anomalia: continua sendo a região mais desigual do mundo, mas é a única que começou a reduzir a brecha nos últimos anos.

Em torno da desigualdade se reuniram nos dias 22 e 23 deste mês em Santiago 23 jornalistas de Chile, Argentina, Bolívia, Brasil e Uruguai, convidados pela agência internacional de notícias IPS, com apoio do Ministério das Relações Exteriores da Noruega.

O seminário Outras Caras da Desigualdade: Iniquidade, Corrupção e Economia Informal na América Latina teve o propósito de estimular os jornalistas a informar sobre os núcleos duros do problema, como debilidade tributária, evasão e peso do trabalho informal ou precário.

Especialistas das Nações Unidas e do mundo acadêmico, ativistas pela transparência, pesquisadores e dirigentes sociais e estudantis expuseram dados, números e opiniões como disparadores do debate. Nessa fonte de informação apareceram assuntos opacos que poderiam explicar o descontentamento social na economia mais sólida e de sucesso da América Latina: Chile.

Por exemplo, a evasão do imposto de renda é de 46% no segmento mais rico da população. E as ilhas Caiman e Virgens Britânicas, dois tradicionais paraísos fiscais, estão entre os principais países de origem do investimento estrangeiro direto no Chile.

A pobreza latino-americana diminuiu 27,9% em 2013. Em 1990 havia chegado a 48,5%. E a indigência está em um mínimo histórico de 11,5%, pontuou Martín Hopenhayn, diretor da Divisão de Desenvolvimento Social da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal). Mas há sinais de paralisação nesses setores. E não se progride na estrutura produtiva nem nos êxitos educacionais que “constituem uma causa estrutural da desigualdade”, afirmou.

Além disso, a região arrecadou pouco e mal, com renda tributária direta que constitui apenas 4,4% do produto interno bruto regional, contra 8% dos indiretos, que castigam de maneira desproporcional os pobres. Esse é um detalhe fundamental, segundo Hopenhayn, porque a capacidade fiscal pode corrigir “as dinâmicas que causam a desigualdade do mercado”.

Mas, com todas suas limitações, a experiência da América Latina parece ser inspiradora. “Nos dá a esperança de que a tendência mundial da desigualdade é reversível”, afirma a Oxfam. É a região do mundo onde a renda fiscal cresceu em maior velocidade nos últimos anos, e esse crescimento se traduziu em gasto social para abater a injustiça.

Entre 2000 e 2011, a desigualdade caiu em 14 de 17 países estudados, e cerca de 50 milhões de pessoas subiram para a classe média. Por isso, pela primeira vez na história, há mais população nos setores médios do que na pobreza, segundo o Banco Mundial, embora muitos ainda tenham um pé no vazio.

Depois de tanto tempo ganhando campeonatos de injustiça, a América Latina pode ser a região do mundo onde a igualdade marque uma tendência. Outras mudanças indicarão se é apenas uma moda passageira.

Fonte: Unisinos

+ sobre o tema

Barbosa derruba supersalário no Tribunal de Contas do Município de São Paulo

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro...

Salve Zumbi e João Cândido, o mestre sala dos mares

Por Olívia Santana   Há 15 anos, após uma grande marcha...

Matias, o menino negro fotografado com um boneco de “Star Wars”, foi a Hollywood. Por Cidinha da Silva

Em tempos de comunicação-relâmpago pela Web, a imagem viralizada...

Moradores das favelas sonham com casa e negócio próprios em 2020, mas sem otimismo por segurança

Estudo do Data Favela mostra que moradores desses conglomerados...

para lembrar

Angolano morto a tiro no Brasil, à frente da filha de três anos

Walter Etna Duvall (na foto), angolano residente no Brasil...

19 coisas pelas quais NENHUMA mulher deve pedir desculpas

1. Existir em um corpo, não importando a aparência...

Precisamos dar um basta: a democracia não suporta mais

Mais uma vez o parlamento virou as costas para...

Debate na ONU sobre a nova declaração de direitos da população afrodescendente conta com a presença de Geledés

Geledés - Instituto da Mulher Negra esteve presente na sede das Nações Unidas em Genebra, na Suíça, durante os dias 8 e 9 de...

Google celebra James Baldwin, escritor e ativista dos direitos civis

O Google está prestando uma homenagem a James Baldwin, renomado escritor e ativista dos direitos civis americanos, conhecido por suas obras literárias que abordam temas...

Caixa paga novo Bolsa Família a beneficiários com NIS de final 4

A Caixa Econômica Federal paga nesta terça-feira (23) a parcela de janeiro do novo Bolsa Família aos beneficiários com Número de Inscrição Social (NIS)...
-+=