Dia da Consciência Negra: para conquistar o orgulho é preciso resgatar origens, diz pesquisador

Enviado por / FontePor Amanda Sales, do G1

Data comemorada neste domingo (20) é homenagem ao líder da resistência à escravidão, Zumbi dos Palmares. 'É preciso enxergar os negros além dos papéis que a sociedade lhes dá', aponta especialista.

Em 20 de novembro de 1695 morreu Zumbi dos Palmares, símbolo da resistência negra à escravidão e líder do Quilombo dos Palmares – comunidade livre formada por escravos fugitivos das fazendas no Brasil Colonial. Em 2003, a data foi escolhida para representar o Dia da Consciência Negra com o objetivo de chamar a atenção para a reflexão sobre a posição dos negros na sociedade.

Para Benedito Cerezzo Pereira Filho, doutor em direito, professor da Universidade de Brasília (UnB) e advogado, “a data é um momento de resgate das origens”. O especialista diz ainda que é preciso “enxergar os negros além dos papéis que a sociedade lhes dá”.

”É incluir o negro no dia a dia, é não sentir desconforto quando cruza com um na rua, é não achar entranho ver um negro como gerente, como ministro, como chefe e em cargos de poder. É ver o negro como uma pessoa, mais do que o cara que toca pandeiro e joga futebol”, diz Benedito.

Para o professor, o fato de o Brasil ter sido o último país do ocidente a abolir a escravatura trouxe consequências que podem ser observadas até hoje. Como exemplo, ele cita a falta de representatividade no meio acadêmico: Benedito é o único professor negro do curso de direito da universidade.

Ilustração representa Zumbi dos Palmares (Foto: Divulgação)

O professor e membro do Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros (NEAB) da Universidade de Brasília(UNB), Nelson Fernando Inocêncio diz que a construção da data foi um avanço para as comunidades negras. Até então, apenas o 13 de maio, data de em que Princesa Isabel assinou a Lei Áurea era tido como um dia de lembrar dos negros.

”O dia 13 de maio coloca os negros como secundários na própria história, além de reforçar o colonialismo. Então, 20 de novembro vem para demostrar publicamente que os negros tem seus próprios símbolos de resistência retoma a imortalidade de Palmares e todas sua luta”, diz Nelson Inocêncio.

Os especialistas explicam que, com o fim da escravatura, não houve qualquer auxilio ou ajuda do governo para os “negros libertos”. Por isso, para o pesquisador, “as cotas não são um favor, são uma dívida histórica”.

“Quando os negros foram libertos da escravatura, ficamos à margem da sociedade. Completamente deixados à deriva”, diz Benedito Cerezzo Pereira Filho.

Identidade Negra

Neste ano, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou a contínua Pesquisa Nacional Por Amostra de Domicílios (Pnad), realizada em 2021. Em uma década (de 2012 a 2021), o número de pessoas que se declaram como pretas foi de 7,4% para 9,1% e os pardos passaram de 45,6% para 47%.

Enquanto isso, diminuiu o número dos que se declaram brancos. Foi de 46,3% para 43% da população.

Para Benedito Cerezzo Pereira Filho, o aumento nas autodeclarações tem a ver com mais pessoas negras alcançando espaços antes nunca alcançados. ”É a representatividade. Tem muito a ver com pessoas se identificando com outras pessoas”.

Um exemplo de representatividade que chamou a atenção recentemente, foi a reação de meninas negras assistindo ao trailer de ‘A Pequena Sereia’, com Halle Bailey.

A escolha da atriz para interpretar o papel de Ariel – que na produção original da Disney é uma jovem branca – recebeu críticas. Mas as meninas se identificaram.

Além da representatividade, a assistente social, Andreia Simplício acredita ser essencial que a família tenha uma espécie de “letramento racial”. que seria a habilidade de compreender como as relações raciais descrevem nossa sociedade.

”Eu nunca tive dúvida da minha identidade, não só pelas vivencias e experiências do racismo desde nova, mas também ao fato de ter uma família negra que fez um letramento racial comigo desde a infância. Acredito que isso foi essencial para eu conseguir me enxergar como uma mulher negra”, diz Andreia.

Para ela, a falta de letramento racial pode resultar em pessoas que não entendem violências que vivem ou as que pode reproduzir. O professor Nelson Fernando Inocêncio explica que a consciência negra precisa ser trabalhada para que mais pessoas entrem no grande processo de identificação.

”O aumento nas autodeclarações, para mim, se dá pela percepção que as pessoas começaram a ter de que não precisam omitir suas identidades. Elas passam a ter uma consciência de pertencimento e entendem o que significa ser negro”, aponta Nelson .

+ sobre o tema

Brizola e os avanços que o Brasil jogou fora

A efeméride das seis décadas do golpe que impôs...

Milton Nascimento será homenageado pela Portela no carnaval de 2025

A Portela, uma das mais tradicionais escolas de samba...

Saiba os horários das provas do Concurso Nacional Unificado

Os mais de 2,5 milhões de candidatos inscritos no...

Aluno africano denuncia racismo em mensagem com suásticas nazistas na UFRGS; polícia investiga

Um estudante africano da Universidade Federal do Rio Grande do Sul...

para lembrar

São João do Piauí realizará Projeto Consciência Negra em escolas públicas

As ações do Projeto Consciência Negra são voltadas para...

No Dia da Consciência Negra, organizações saem às ruas

Entidades querem reformas estruturais para combater o racismo, defendem...

Encontros no parque: cultura afro-brasileira na educação

A segunda oficina de novembro dos Encontros no parque: cultura afro-brasileira...

GRAVATAI: Semana da Consciência Negra

Fonte: Clube Sociais Negros do Brasil - As comemorações...
spot_imgspot_img

A Justiça tem nome de mulher?

Dez anos. Uma década. Esse foi o tempo que Ana Paula Oliveira esperou para testemunhar o julgamento sobre o assassinato de seu filho, o jovem Johnatha...

Uma mulher negra pode desistir?

Quando recebi o convite para escrever esta coluna em alusão ao Dia Internacional da Mulher, me veio à mente a série de reportagens "Eu Desisto",...

8 de março: os desafios por justiça racial e de gênero

Ao refletirmos sobre a situação das mulheres negras na sociedade brasileira, torna-se evidente que, apesar de alguns avanços na pauta racial, pouco tem sido...
-+=