Dia Internacional da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha conta com eventos especiais nas Fábricas de Cultura

Representatividade feminina negra, assim como o racismo e machismo enfrentado por essas mulheres, são algumas das abordagens da série de atividades realizadas pelas Fábricas Jardim São Luís e Diadema

Por  JARIZA RUGIANO,  para o  Portal Geledés 

Imagem enviada para o Portal Geledés, por  JARIZA RUGIANO

Grupos femininos negros da América Latina e Caribe se reuniram no 1º Encontro de Mulheres Negras Latinas e Caribenhas em 1992, quando destacaram os efeitos opressores do machismo e racismo, se organizando para combatê-los. Essa rede de mulheres lutou para que a ONU reconhecesse o dia 25 de julho como Dia Internacional da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha. E, desde 2014, no Brasil a data também marca o Dia Nacional de Tereza de Benguela, líder quilombola do século 18 que ajudou comunidades negras e indígenas na resistência à escravidão.

 

As consequências dos preconceitos e as condições da vida das mulheres negras dessas regiões serão analisadas e debatidas em programação especial das Fábricas de Culturas Jardim São Luís e Diadema, instituições da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Governo do Estado de São Paulo, gerenciadas pela Poiesis.

 

Fábrica de Cultura Jardim São Luís

Quantas mulheres rappers você ouve? Em 19 de julho, sexta-feira, das 15h às 17h, o Cine-curta da biblioteca exibirá diferentes curtas-metragens sobre a presença e abordagens delas no Rap. O intuito é debater sobre o cenário desse segmento musical, se o público presente conhece as representantes e se elas costumam abordar as questões de gêneros em suas canções ou não.

 

Para refletir sobre o porquê do dia da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha ser celebrado, o Cine-curta do dia 25 de julho, quinta-feira, entre 15h e 17h, debaterá a representatividade, o racismo, o machismo, o feminicídio e a lesbofobia. A partir dos resultados do bate-papo, a equipe mediadora e o público desenvolverão um painel artístico a ser exposto na biblioteca, compartilhando as informações absorvidas na atividade como forma de espalhar a conscientização.

 

Para fechar o mês, no dia 30 de julho, terça-feira, das 10h30 às 12h30, a biblioteca vai incentivar que os/as participantes criem o próprio diário, aprendendo e aplicando técnicas básicas de encadernação artesanal pela atividade Meu Diário: Carolina. O exercício recebe esse nome justamente por trazer como referência o livro Quarto de despejo – Diário de uma favelada, traduzido em mais de 10 países. A obra é de Carolina Maria de Jesus (1914-1977), escritora negra que apresentava relatos e o cotidiano periférico no qual viveu, contextos que marcaram e fizeram da sua escrita ser reconhecida internacionalmente.

 

Fábrica de Cultura Diadema

Para destacar a importância do Dia da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha, no próprio 25 de julho, das 15h às 17h, a Fábrica de Cultura Diadema convida Shirley Maia, do coletivo Diadenega, para a roda de conversa O Reconhecimento de Mim em Você. O objetivo é exercitar o reconhecimento e a identificação do ser mulher pretanuma sociedade que ainda a desvaloriza e silencia em diversas situações. Especialista em História Africana e Africanidades, Shirley vai colaborar nesse reconhecimento por meio da ancestralidade e por trechos do livro Quando me descobri Negra, da jornalista Bianca Santana.

 

Já a biblioteca da unidade promoverá duas atividades relacionadas à data. A roda de conversa Raiz forte – cuidados com os cabelos crespos será em 23 de julho, terça-feira, das 15h às 17h. Alguns modos de cuidar do cabelo crespo serão apresentados e aplicados, desde o fortalecimento, o exercício da autoestima, a forte identificação que mantém com a memória e como ato de resistência ancestral.

 

Inspirada nos trabalhos da artista visual e educadora negra Rosana Paulino, que trabalha com a costura como um dos meios para trazer luz à memória e simbolizar a repressão imposta à mulher negra, a oficina de Bordado criativo visa criar bordados a partir de fotografias em preto e branco. Buscará em fotos de mulheres afro latino-americanas e caribenhas alguns detalhes e traços como forma de homenageá-las. Essa atividade será no dia 24 de julho, quarta, entre 10h e 12h.

 

SERVIÇO:

Fábrica de Cultura Jardim São Luís

 

Cine-curta com equipe da biblioteca

19/7, sexta-feira, 15h às 17h

Curtas mostrarão como se dá a presença das mulheres no Rap.

Classificação indicativa: maiores de 11 anos
30 vagas

 

25/7, quinta-feira, 15h às 17h

Curtas relacionados ao Dia da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha

Classificação indicativa: maiores de 12 anos
15 vagas

 

Meu diário: Carolina – com equipe da biblioteca

30/7, terça-feira, 10h30 às 12h30
A atividade abrirá espaço para que os participantes criem o próprio diário, incluindo a encadernação artesanal e com o objeto de resultar em livro-caderno-diário. O livro Quarto de despejo – Diário de uma favelada, de Carolina Maria de Jesus, funcionará como guia quanto à escrita poética.

Classificação indicativa: maiores de 9 anos

15 vagas

Fábrica de Cultura Diadema

 

O reconhecimento de mim em você

25/7, quinta-feira, 15h às 17h

Roda de conversa com Shirley Maia, do coletivo Diadenega, para refletir a representatividade e ancestralidade da mulher negra.

Classificação indicativa: livre

 

Biblioteca:

Raiz forte – cuidados com os cabelos crespos

23/7, terça-feira, 15h às 17h

Roda de conversa com coordenação da equipe da biblioteca, onde serão apresentadas as práticas para cuidar dos diversos tipos de cabelo crespo, ato que também firma a resistência ancestral.
30 vagas

Classificação indicativa: livre

 

Oficina de Bordado criativo

24/7, quarta-feira, 10h às 12h

Também aplicada pela equipe da biblioteca, essa oficina tem o objetivo de criar detalhes em bordados para homenagear as mulheres negras latino-americanas e caribenhas.

25 vagas

Classificação indicativa: livre

 

*Todas as atividades são gratuitas e sem necessidade de inscrição prévia.

 

Fábrica de Cultura Jardim São Luís

Rua Antônio Ramos Rosa, 651 – Jd. São Luís

Telefone: (11) 5510-5530

 

Fábrica de Cultura Diadema

Rua Vereador Gustavo Sonnewend Netto, 135 – Centro – Diadema/SP

Telefone: (11) 4061-3180

 

Funcionamento das unidades: de terça a sexta-feira, das 9h às 20h, e finais de semana e feriados das 12h às 17h

www.fabricasdecultura.org.br

 

SOBRE AS FÁBRICAS DE CULTURA

As Fábricas de Cultura são espaços de acesso gratuito que disponibilizam diversas atividades artísticas. Criadas com o objetivo de ampliar o conhecimento cultural por meio da interação com a comunidade, as Fábricas oferecem uma programação cultural diversificada. Nas unidades você encontrará cursos, atividades, bibliotecas e estúdios de gravação. Em 2019, as Fábricas de Cultura são patrocinadas, por meio da lei de Incentivo à Cultura, pelo instituto Center Norte (região Norte) e Fundação Via Varejo (região Norte e Sul).

 

SOBRE A POIESIS

A instituição, que tem por objetivo o desenvolvimento sociocultural e educacional, com ênfase na preservação e difusão da língua portuguesa, desenvolve e gere programas e projetos, pesquisas e espaços culturais, museológicos e educacionais voltados para o complemento da formação de estudantes e público em geral. A POIESIS trabalha com o propósito de propiciar espaços de acesso democrático ao conhecimento, de estímulo à criação artística e intelectual e de difusão da língua e da literatura.

 

Poiesis – Assessoria de Imprensa

Carla Regina – Coordenação | (11) 4096-9827 | [email protected]

Jariza Rugiano | (11) 4096-9810 | [email protected]


** Este artigo é de autoria de colaboradores ou articulistas do PORTAL GELEDÉS e não representa ideias ou opiniões do veículo. Portal Geledés oferece espaço para vozes diversas da esfera pública, garantindo assim a pluralidade do debate na sociedade.

+ sobre o tema

Passeio pela mostra “Um defeito de cor”, inspirada no livro de Ana Maria Gonçalves

"Eu era muito diferente do que imaginava, e durante...

Taís faz um debate sobre feminismo negro em Mister Brau

Fiquei muito feliz em poder trazer o feminismo negro...

Conheça a história de Shirley Chisholm, primeira mulher a ingressar na política americana

Tentativas de assassinato e preconceito marcaram a carreira da...

Roda de Conversa: Mulher, raça e afetividades

O grupo de pesquisa Corpus Dissidente promove a roda...

para lembrar

Caneladas do Vitão: Uma vez Anielle, sempre Marielle 2

Brasil, meu nego, deixa eu te contar, a história...

Cida Bento – A mulher negra no mercado de trabalho

Sinceramente eu nunca dei para empregada domestica acho que eu...

Primeira vereadora negra eleita em Joinville é vítima de injúria racial e ameaças

A vereadora Ana Lúcia Martins (PT) é a primeira...

Representantes da AMNB fazem reunião com ministra Luiza Bairros

Por volta do meio dia desta quinta-feira (14), as...
spot_imgspot_img

Ela me largou

Dia de feira. Feita a pesquisa simbólica de preços, compraria nas bancas costumeiras. Escolhi as raríssimas que tinham mulheres negras trabalhando, depois as de...

“Dispositivo de Racialidade”: O trabalho imensurável de Sueli Carneiro

Sueli Carneiro é um nome que deveria dispensar apresentações. Filósofa e ativista do movimento negro — tendo cofundado o Geledés – Instituto da Mulher Negra,...

Comida mofada e banana de presente: diretora de escola denuncia caso de racismo após colegas pedirem saída dela sem justificativa em MG

Gladys Roberta Silva Evangelista alega ter sido vítima de racismo na escola municipal onde atua como diretora, em Uberaba. Segundo a servidora, ela está...
-+=