Dias sem Fim (All Day and a Night)

Recentemente estreou na Netflix o Filme de Joe Robert Cole, All Day and a Night, traduzido para o Brasil como Dias Sem Fim.

O filme narra a história da vida de Jahkor Abraham Lincoln e como as teias do racismo estrutural o levaram a ser condenado à prisão perpétua, por matar um homem e sua namorada.

É muito importante que você entenda que eu acredito que ninguém nesse mundo deve possuir o poder de roubar o direito de vida de outra pessoa. E a minha pergunta é quantas pessoas pretas as autoridades têm matado a sangue frio ou descaradamente em seus falhos sistemas estruturais enquanto você lê essa frase?

Estamos vivendo uma pandemia e segundo o Google Notícias são cerca de 12.000 mortos no Brasil e sabemos muito bem a cor dessas mortes, entretanto a pessoa que representa a maior autoridade no país banaliza a situação e coloca em risco a vida da população.

Em 121 minutos de filme a vida de Jaakor interpretado por Ashton Sanders me fez lembrar os garotos da minha rua, das histórias que meu irmão contava e as vezes eu fingia que não acreditava.A falta de acesso à educação de qualidade, de saúde, empregos, afeto e de liberdade é a prova da constante desumanização do indivíduo negro desde seus primeiros momentos de vida.

Em algumas das cenas Jaakor diz que ‘ Os negros após a escravidão foram ensinados a sobreviver, e não viver”, o governo americano e o brasileiro caminham juntos na corrida para levar o prêmio de quem mata mais vidas pretas por segundo.E ainda escutamos que a abolição da escravatura tem haver com liberdade.

A trama é intensa, verdadeira e para mim como irmã, tia e amiga de garotos negros como os do filme dolorosa. Inúmeras Tommetta estão em cada esquina lutando para sobreviver ao peso que é ser mãe, mulher e preta. Quantas Shantaye tiveram que se submeter a situações abusivas para levar comida pra casa.Histórias como a de Jaakor se repetem muitas vezes e continuam a se repetir em lugares onde o racismo é a principal arma para assaltar vidas negras.


** Este artigo é de autoria de colaboradores ou articulistas do PORTAL GELEDÉS e não representa ideias ou opiniões do veículo. Portal Geledés oferece espaço para vozes diversas da esfera pública, garantindo assim a pluralidade do debate na sociedade.

+ sobre o tema

Racismo na Itália: Em festa do Partido Democrata atiraram duas bananas em Cécile Kyenge

Cécile Kyenge novamente alvo de intolerância racial ...

Professora negra de Minas Gerais é ofendida por mãe de alunas

Áudio com as declarações racistas absurdas da mãe foi...

IDADE PENAL: A sociedade e as lógicas da criminalidade – por Suzana Varjão*

“Criava-se uma geração de predadores que iria aterrorizar São...

RACISMO NA ITÁLIA: Mais um capítulo do racismo na Itália

O prefeito de Brescia, Adriano Paroli, do PDL, informou...

para lembrar

Além de odiar as mulheres, atirador de Santa Bárbara era racista, diz jornal americano

"Como pode garoto negro conquistar uma menina e não...

Bank of America vai indenizar 200 mil negros e hispânicos por racismo

O acordo obedece às acusações de que a Countrywide,...

Tragam-me a cabeça de Lima Barreto

Ancorado no tripé loucura, racismo e eugenia, monólogo com...

Passe Livre desconfia que polícia infiltre agentes para incitar violência em protestos

Representantes do MPL (Movimento Passe Livre) disseram nesta...
spot_imgspot_img

Futuro da gestão escolar

A educação pública precisa de muitos parceiros para funcionar. É dever do Estado e da família, com colaboração da sociedade, promover a educação de todas as...

Educação para além dos muros da escola

Você pode fornecer escolas de qualidade para os mais pobres e, mesmo assim, talvez não veja a mudança na realidade do país que se...

Criança não é mãe

Não há como escrever isto de forma branda: nesta quarta-feira (12), a Câmara dos Deputados considerou urgente discutir se a lei deve obrigar crianças vítimas de estupro à...
-+=