Dona Zica, respeite o nosso cabelo crespo!

Antes de qualquer coisa deixo claro que esse texto não pretende ofender a figura da fundadora do “Instituto Beleza Natural” tampouco as pessoas que fazem uso da sua química ou linha de produtos. Quero apenas externalizar o meu descontentamento e indignação com algumas lamentáveis falas da mesma que já vêm me inquietando há algum tempo.

Por , do Preta & Power

Não defendo o uso da química transformadora utilizada no “Instituto Beleza Natural” e nem ao menos já utilizei as suas linhas de tratamento capilar, no entanto devo admitir que admiro o trabalho da Zica enquanto empreendedora. Admiro-a por ser uma mulher negra, de origem pobre e que conseguiu alcançar o sucesso profissional. Observando por essa ótica vejo que ela pode ser sim uma referência para outras pessoas negras que querem empreender, pois seu exemplo de vida mostra que todos podem alcançar grandes posições. A parabenizo pelas conquistas, mas ainda assim preciso dizer algumas palavrinhas sobre suas revoltantes colocações no que se refere aos cabelos crespos.

Em um vídeo publicado em 2012 no canal do youtube da Endeavor, a empresária Zica Assis e sua sócia Leila contam a história de suas vidas e do surgimento da empresa. Até aí OK. O problema é que ela perdeu uma enorme oportunidade de ficar calada. Como um vídeo fala mais que mil palavras, segue um recorte das principais barbaridades proferidas pela mesma:

Quem quiser assistir o vídeo completo pode clicar AQUI.

Agora que você já escutou essas atrocidades espero que compreenda a minha indignação. Gente, longe de mim querer ser injusta com a Zica. Eu como pessoa do bem que sou, até tento entendê-la. Juro. Não dá pra acusá-la sem tentar compreender o contexto social e histórico no qual ela vivia enquanto teve a ideia de criar o seu produto. Entendo que no passado o cabelo crespo era visto com maus olhos, dificultava o acesso ao mercado de trabalho e derrubava ladeira abaixo a já pouca autoestima das mulheres pretas. A entendo pois um dia também acreditei que o meu cabelo fosse um problema e desde criança aprendi a conviver com a autoestima mutilada pela então infelicidade de ser negra, não ter os traços finos e um cabelo que balançasse quando eu corria contra o vento.

Leia Também: Ex-doméstica assume cachos e se torna exemplo de empreendedorismo

Sim, eu entendo o desejo dela de ter um cabelo diferente do que tem por natureza, o problema é que ela utilizou a sua posição de pessoa pública para afirmar uma realidade que não condiz com uma grande (e cada vez maior) parte das mulheres negras. Ela traz em seu discurso a fala de que todas as mulheres querem o tal do balanço e que só assim elas se sentirão realizadas. Ainda complementa dizendo que esse é a sua “satisfação e felicidade”.

Ooooi? Nós não precisamos de nada disso para nos sentirmos lindas, por quê já descobrimos uma coisa muito mais transformadora: a autoaceitação. Vivemos lutando diariamente para nos livrarmos dos cruéis padrões de beleza que nos são impostos, empoderando as pretas, desmistificando a ideia de que só os “cachos perfeitos” é que são bonitos, e a Zica, uma MULHER NEGRA vem realizar esse desserviço e dizer que o nosso cabelo é um problema? Sorry, não mais Dona Zica!

Nosso black power volumoso é perfeito, ACEITAAA Zicaaa!

tumblr_m2g478tzzc1qgcoxvo1_400

É no mínino ABSURDO um salão que carrega o nome de “beleza natural” querer escravizar mulheres impondo o seu padrão de cabelo como a solução para o nosso problema que nem existe, ao invés de ajudar a libertá-las. Esta solução que você propõe tem preço sim! e nem é barato… O que de fato não tem preço e que nem está a venda no seu salão é a nossa liberdade. Encontramos nossa autoestima em ser nós mesmas, não num produto que mude a estrutura dos nossos fios.

Antes da chuva de críticas, digo mais uma vez que esse texto não é pra ofender a quem utiliza o super relaxante. Pessoas, vocês são livres para fazer o que quiserem com seus cabelos, a única obrigação é ser feliz. A indignação é por conta do modo que esta senhora se refere aos cabelos crespos, zombando, ridicularizando e tentando inferiorizar um grupo de mulheres que aprenderam a se amar com o cabelo que nasceram.

Sobre a frase: “Qualquer cabelo que existir, eu quero fazer.”: Zica, infelizmente eu preciso te dizer que no meu cabelo e no de outras milhares de mulheres negras você não tocará! Acredite, existe (MUITA) felicidade no lado verdadeiramente natural da força <3 . Além disso a nossa Beleza Natural não é comercializada em caixinhas, ela vem de dentro. Nosso cabelo não é só estética, é também resistência e empoderamento.

Perdão pelo desabafo, e por hoje é só.
Beijos crespos e até a próxima :*

+ sobre o tema

Luislinda Valois

Nascida no Estado da Bahia em 1942, Luislinda Dias...

Carol Dartora é eleita a primeira deputada federal negra do Paraná: ‘Resposta histórica’

A vereadora de Curitiba Carol Dartora (PT) foi eleita deputada federal...

SPM e Seppir entregam Prêmio Mulheres Negras Contam Sua História

Dez mulheres negras serão agraciadas com prêmios em dinheiro,...

Leci Brandão tem vida e obra celebrada em musical com direção de Luiz Antonio Pilar e texto de Leonardo Bruno

Nome incontornável da música brasileira, compositora e intérprete de...

para lembrar

A Consulesa Alexandra Loras convida para um Coaching de Empoderamento para Mulheres Negras

A Consulesa Alexandra Loras convida para um Coaching de...

Amazonas de Daomé: As mulheres mais temidas do mundo

Bravas guerreiras da África Ocidental repeliram com sucesso invasores...

Medo

Eles, os terroristas, estão nos vencendo! Por Sueli Carneiro O crescimento...
spot_imgspot_img

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...

“O Itamaraty me deu uma bofetada”, diz embaixadora Isabel Heyvaert

Com 47 anos dedicados à carreira diplomática, a embaixadora Isabel Cristina de Azevedo Heyvaert não esconde a frustração. Ministra de segunda classe, ela se...
-+=