Carolina do Brasil

Antes da internet com seus blogs, redes sociais, aplicativos era extremamente difícil expressar para o público a própria voz. As pessoas tinham o que dizer, mas não havia canais simples, baratos e democráticos. Daí o pessoal fora da cereja econômica, social, cultural tinha mínima chance de ser ouvido. Em tal configuração editores, colunistas e repórteres detinham o privilégio de peneirar o que aparecia.

Por Fernanda Pompeu Do Yahoo

Em 1958 o jornalista Audálio Dantas deu grande contribuição às letras pátrias ao revelar um talento literário escondido na favela paulistana do Canindé – arredores do Estádio da Portuguesa. Audálio estava escrevendo reportagem sobre a favela às margens do rio Tietê, quando ouviu uma mulher repreender uns marmanjos brincando no parquinho: Se vocês não caírem fora, vou botá-los no meu livro. A palavra livro acendeu um farol na cabeça do repórter.

Ele foi até o barraco da moradora e encontrou um mar de manuscritos. Catadora de papel, ela separava revistas e cadernos velhos para escrever nos espaços em branco observações, narrar histórias próprias e inventar muitas outras. Dois anos depois da descoberta feita por Audálio foi publicado Quarto de Despejo – que se tornou best-seller. Vendeu no total 80 mil exemplares.

O talento respondia pelo nome de Carolina Maria de Jesus. Nascida em 1914 na mineira Sacramento, ela ofertava num primeiro olhar as condições de migrante, negra, pobre, mãe solteira de três filhos. Uma Carolina entre milhares, uma Maria entre milhões.

Mas por trás do aparente, havia a escritora madura na observação do cotidiano da favela, da negritude, do universo feminino. E principalmente, como ocorre com grandes escritores, Carolina foi tradutora da alma humana para além das circunstâncias sociais e econômicas.

A partir da publicação do Quarto de Despejo, ela ficou famosa. Como ocorre no Brasil a fama lhe rendeu inimigos. A escritora também pagou o preço por não permitir que a rotulassem ora como escritora social, ora como autora alienada. Como Clarice Lispector foi Clarice Lispector, ela era antes e depois de tudo Carolina de Jesus.

Morreu em 1977, esquecida pelas editoras e pela mídia. Mas jamais deixou de escrever – mesmo quando teve que voltar a catar lixo. Hoje, a partir de várias iniciativas, a literatura de Carolina voltou à baila. Tomara que não seja ocultada novamente. Merecemos ler Carolina Maria de Jesus Brasil.

+ sobre o tema

Morre Tia Dodô, a porta-bandeira do primeiro título da Portela

Morreu, nesta terça-feira, Maria das Dores Alves, a Tia...

Me vi no cinema – Por Elisa Lucinda

Se, na primeira vez, o filme “Café com canela”...

para lembrar

Casal sofre homofobia de segurança do Museu Paranaense e são colocadas para fora

Um casal de mulheres decidiu visitar o acervo do...

Corajosas e inocentes: o estupro em zonas de guerra

Começou nesta terça-feira (10), em Londres, uma conferência global...

Quão solitária pode ser a maternidade no século XXI

O estilo de vida urbano e a falta de...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=