Douglas Belchior: “Debate sobre clima é debate sobre direitos humanos”

Enviado por / FonteDe Ecoa

O historiador Douglas Belchior, uma das principais lideranças do movimento negro, tem marcado presença em muitas das discussões mais importantes da sociedade civil e de grupos subnacionais na COP26, em Glasgow.

Um dos criadores do documento colaborativo “Clima e Desenvolvimento: Visões para o Brasil 2030”, que propõe planos concretos para o enfrentamento às mudanças climáticas, ele defende que não se pode discutir mudanças climáticas sem falar sobre justiça racial e direitos humanos.

“Chico Mendes disse que discutir ambientalismo sem discutir classe era como fazer jardinagem. Pois eu digo que justiça climática sem justiça racial também é jardinagem. Temos que ir às profundezas desse debate e manter a vida das pessoas como primeira preocupação”, disse ele a Ecoa.

Hoje (5), ele mediou o evento “Terra, territórios e o enfrentamento ao racismo nas lutas contra a crise climática: o Movimento Negro Brasileiro na COP 26”, no Brazil Climate Action Hub. Foi uma discussão sobre o papel do movimento negro no debate climático e a importância dos territórios quilombolas, que pode ser assistida aqui.

“Debate sobre clima é debate sobre direitos humanos. Diz respeito à vida das pessoas que ocupam territórios e que são, junto com os territórios, vítimas dos interesses econômicos que sugam da natureza tudo o que ela tem de riqueza sem se importar em repor, assim como suga a vida das pessoas. Justiça climática diz respeito ao direito à vida”, disse.

Em suas falas, ele frisa a necessidade de o Estado garantir proteção a todos os povos. “No Brasil, povos indígenas, populações tradicionais, o povo negro, os quilombolas, os povos das águas e das florestas, todos sofrem com a degradação do meio ambiente promovido pelo capital — pelas grandes corporações, latifúndio, agronegócio. É preciso garantir proteção a eles”, completou.

Cobrando ações

Ontem (4), Douglas participou do evento Governadores pelo Clima destacando a importância da justiça climática e o impacto do racismo ambiental no Brasil. Para Ecoa, ele afirmou que é preciso cobrar que as promessas firmadas ali se tornem ações.

“A gente sabe que entre o discurso e a prática tem uma distância enorme, e o papel dos movimentos é pressionar pelo direito à vida das populações originárias e cobrar políticas nos estados. Porque é ali que as regras incidem diretamente sobre a vida das pessoas, e o que a gente percebe é o sucateamento das políticas ambientais e o não cuidado com o meio ambiente”, afirmou.

+ sobre o tema

Prêmio Vladimir Herzog divulga finalistas da 43ª edição; confira

A comissão organizadora do 43º Prêmio Jornalístico Vladimir Herzog...

Rede Globo é expulsa de manifestação dos policiais e bombeiros no Rio

Os repórteres da Rede Globo de TV foram pressionados...

Desemprego em 2014 foi de 4,8%, menor nível desde 2002, segundo IBGE

A taxa de desemprego no ano passado teve média...

para lembrar

spot_imgspot_img

Proposta de Geledés para empoderamento da mulher negra é retomada na ONU

Geledés - Instituto da Mulher Negra, em fala conjunta com as organizações Coalizão Negra por Direitos, Criola e Coletivo Danêji, conseguiu obter bons resultados...

SP inicia campanha de vacinação contra paralisia infantil na segunda

A partir da próxima segunda-feira (27) crianças até cinco anos de idade começam a ser vacinadas contra a Poliomielite (paralisia infantil) no estado de...

Governo define nova data para o ‘Enem dos concursos’; CNU será em 18 de agosto

O Ministério da Gestão divulgou, nesta quinta-feira (23), a nova data para o Concurso Público Nacional Unificado (CPNU), que ficou conhecido como "Enem dos concursos"....
-+=