‘Ele estava tentando viver uma vida nova’: quem era Hiago Macedo, morto em Niterói

Enviado por / FonteBBC

“Ele era um rapaz, preso egresso, tentando viver uma vida nova”, diz a advogada Andrea Kraemer sobre o vendedor de balas Hiago Macedo, de 22 anos.

O jovem foi morto após ser baleado em frente ao terminal de barcas de Niterói (RJ) no início da tarde de segunda-feira (14/2).

De acordo com o portal G1, testemunhas relataram que Hiago oferecia seus produtos quando começou uma discussão com um policial à paisana. Em determinado momento, o militar disparou contra o ambulante. O jovem não resistiu aos ferimentos e morreu no local.

A família do rapaz afirma que ele foi chamado de ladrão enquanto estava oferecendo balas e deu início a uma discussão que terminou com o disparo do militar.

Segundo Andrea Kraemer, um adolescente, que era enteado de Hiago, acompanhou o crime e contou em depoimento sobre o momento do disparo. “Segundo esse menor, o Hiago ofereceu balas a uma pessoa que se recusou a comprar. Depois, essa pessoa saiu reclamando, falando que estava sendo importunada. E esse senhor (que é policial militar) foi em cima do Hiago, deu um empurrão e disparou um tiro à queima-roupa. O Hiago caiu ali e veio a óbito”, detalha a advogada à BBC News Brasil.

Andrea é presidente da Comissão de Direitos Humanos e Cidadania da OAB de Niterói e acompanhou o caso nesta segunda. Para ela, trata-se de uma “situação surreal” na qual o vendedor de balas foi “morto covardemente”.

Em nota à BBC News Brasil na segunda, a Polícia Militar do Rio de Janeiro disse que informações preliminares apontam que o militar avistou uma tentativa de roubo perto dele e reagiu.

“O militar tentou intervir na ação e um dos envolvidos teria investido contra sua integridade, sendo atingido por disparo de arma de fogo. O ferido não resistiu”, diz a nota da PM.

Em comunicado à BBC News Brasil, a Polícia Civil informou que está “ouvindo testemunhas e buscando imagens de câmeras de segurança instaladas na região para esclarecer todos os fatos”.

A concessionária CCR Barcas limitou-se a confirmar, em nota à reportagem, que “houve uma discussão entre dois pedestres nas imediações da estação Arariboia, no Centro de Niterói” e disse que “irá contribuir com as investigações das autoridades policiais”.

O policial militar foi preso na segunda e deve responder por homicídio doloso, quando há a intenção de matar, qualificado por motivo fútil.

Pouco após o crime, pessoas que estavam no local e familiares de Hiago iniciaram um protesto.

‘E a vida do meu primo, custa quanto?’

De acordo com a família de Hiago, o rapaz saía de casa às 5h da manhã para vender as balas. O sonho dele era pagar a festa de dois anos da filha, que, segundo os parentes, aconteceria daqui a quatro dias.

“Ia ser um festão, o menino estava convidando todo mundo. E eu te digo agora: será que essa festa vai acontecer? Será que daqui a quatro dias a filha vai poder falar: mãe, cadê o meu pai e vai abraçar? Não!”, afirmou o primo dele, Jonathan César, em entrevista à imprensa.

“Será que isso aqui vai acabar por aqui mesmo e vão dizer que era mais um vendedor de bala ou um traficante?”, perguntou o rapaz.

De acordo com o G1, a polícia informou que Hiago tinha anotações criminais por tentativa de homicídio, desacato, furto, lesão corporal e outros crimes.

Segundo Andrea, Hiago havia passado um período preso por roubo e lutava para recomeçar a vida. “O ingresso das pessoas que saem do sistema penitenciário não tem política pública que faça eles voltarem a trabalhar, entrar no mercado de trabalho. É muito difícil que deem oportunidades a presos egressos. Se houvesse políticas públicas pra isso, talvez não houvesse tantos casos de reincidência”, diz a advogada.

“Eles ficam a mercê da boa vontade de outro cidadão que não acredita neles. Então, muitos deles fazem trabalhos como esse menino, vendendo balas, até porque não têm uma profissão”, acrescenta a advogada.

A família de Hiago diz que o jovem havia abandonado o crime e nega que ele estava cometendo um roubo no momento em que foi baleado.

“Quer dizer a verdade do que aconteceu? Puxa nas câmeras: o menino foi abordar uma pessoa para vender bala. E no momento em que ele foi abordar uma pessoa, o rapaz chamou ele de ladrão e disse que os meninos da bala vão abordar as pessoas pra poder roubar o celular que está dentro do bolso”, diz o primo de Hiago.

“O policial ao lado se ofendeu e foi discutir com meu primo. O meu primo é sujeito homem, debateu com ele de boca pra boca, ele meteu a mão na arma e deu um tiro só. E aí, a bala dele custa ‘uma é três’ e ‘dois é cinco’. E a vida do meu primo custa quanto?”, completou Jonathan.

A Polícia Militar disse em nota que o suspeito prestou depoimento na Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí (DHNSG), que está investigando o caso, junto com o homem que teria sido a vítima da suposta tentativa de roubo.

A reportagem não localizou a defesa do policial até a conclusão deste texto.

Caso gerou revolta na região

A morte do rapaz causou revolta no local. Segundo relatos, diversas pessoas tentaram parar o trânsito da região pouco após o crime e chegaram a incendiar um colchão na pista, porém o fogo foi apagado por policiais.

Em nota, a PM diz que intensificou o policiamento no local.

De acordo com o G1, familiares e amigos do rapaz assassinado protestaram na porta das barcas. Durante a confusão, um homem teria atirado um objeto na direção dos policiais, que teriam reagido com spray de pimenta nas pessoas que estavam no local.

Ainda conforme o G1, quatro pessoas foram detidas no tumulto próximo às barcas.

+ sobre o tema

‘O Topo da Montanha’ chega ao Sesc com ingressos populares

Sucesso de crítica e público, o espetáculo "O Topo...

A vida sob o olhar de jovens infratores

Segundo a Fundação Casa, cerca de 85% dos...

“Vítimas são culpadas pela violência policial até que se prove o contrário”

Parte das mortes cometidas por agentes do Estado durante o...

para lembrar

“Traficantes de Jesus”: Policia e MPF miram intolerância religiosa no Rio

A Polícia Civil e o MPF (Ministério Público Federal)...

Os jovens negros morrem e as mulheres negras também morrem

Já faz um tempo que o movimento negro vem...

#EuNãoSouUmVírus: epidemia do covid-19 dispara racismo contra asiáticos

"Ai, miga, sai com esse coronavírus daqui", ouviu a...

Obama não conseguiria ser presidente do Brasil, dizem especialistas

GABRIELA MANZIN, da Folha de São Paulo  Eu gostaria de...
spot_imgspot_img

Futuro da gestão escolar

A educação pública precisa de muitos parceiros para funcionar. É dever do Estado e da família, com colaboração da sociedade, promover a educação de todas as...

Educação para além dos muros da escola

Você pode fornecer escolas de qualidade para os mais pobres e, mesmo assim, talvez não veja a mudança na realidade do país que se...

Criança não é mãe

Não há como escrever isto de forma branda: nesta quarta-feira (12), a Câmara dos Deputados considerou urgente discutir se a lei deve obrigar crianças vítimas de estupro à...
-+=