Em Robben Island, jogar futebol era um ato de resistência

No lugar onde Nelson Mandela foi preso durante a época do Apartheid, praticar o “balompié” se converteu no ato de resistência dos presos políticos. Desde o começo da Copa do Mundo a visita de jogadores e torcedores estrangeiros à ilha se multiplicaram ao ponto que muitos têm de reservar um lugar no ferry boat com vários dias de antecedência. Até o técnico da Holanda anulou uma sessão inteira de treinamento para ir com todo o time à ilha.

Pretoria. Durante o Mundial, os jogadores e turistas vão a Robben Island como numa visita de culto. No lugar onde Nelson Mandela ficou preso praticar futebol se converteu num ato de resistência dos presos políticos.

Nos anos sessenta, o complexo carcerário dessa ilha, a qual se chega em meia hora de ferry boat a partir da Cidade do Cabo, foi concebido para quebrar a resistência dos prisioneiros, tanto física como psicologicamente. Contudo, a paixão pelo futebol os ajudava a resistir.

Primeiro começaram a jogar de maneira discreta nas próprias celas, com bolas de trapos de pano ou de papel. Depois, graças à pressão da Cruz Vermelha Internacional, os presos adquiriram o direito a jogar no lado de fora, em campos improvisados. Em 1967, inclusive, os presos criaram sua própria federação, a “Makana Football Association”, cujo nome foi dado em homenagem a um profeta xhosa enviado à ilha em 1819 por se opor à colonização britânica, que se afogou tentando fugir de seu exílio compulsivo.

A estrutura aplicava ao pé da letra as mesmas regras da Federação Internacional de Futebol (FIFA), publicando todos os relatórios em suas reuniões, dando uma classificação oficial de seu campeonato e registrando por escrito as eventuais “transferências”.

Depois de se ter revelado um zagueiro rude mas disciplinado, o atual presidente sulafricano Jacob Zuma, que “residiu” durante uma déada em Robben Island se converteu em árbitro da Makana FA.

O mais ilustre dos presos da ilha, Nelson Mandela, que passou 18 de seus 27 anos de cativeiro lá, nunca pôde jogar, porque sua situação era de isolamento absoluto.

“Ele tinha o costume de nos observar da janela de sua cela, sobre uma cadeira ou uma caixa. Mas finalmente também isso lhe tiraram, comentou Mark Shinners, que foi hóspede durante 23 anos em Robben Island.

Em dezembro passado, a FIFA homenageou a todos os presos políticos do Apartheid ao organizar seu Congresso executivo na ilha.

“Em Robben Island se escreveu uma página da história da humanidade, uma página importante. Entre as coisas que os ajudaram a suportar (as condições do cativeiro) esteve a criação da Makana Football Association”, destacou na ocasião o presidente da FIFA, Joseph Blatter.

Desde o começo da Copa do Mundo a visita de jogadores e torcedores estrangeiros à ilha se multiplicaram ao ponto que muitos têm de reservar um lugar no ferry boat com vários dias de antecedência.

Além disso, em sinal de respeito, um grupo de torcedores ingleses fixou sua bandeira no que foi o jardim de Mandela. Até o técnico da Holanda anulou uma sessão inteira de treinamento para ir com todo o time à ilha.

Os jogadores puderam visitar as celas e a cancha de areia onde os presos políticos jogavam. “Quando abrimos o portão (de acesso), e sabendo de tudo o que ocorreu aqui, o silêncio se abateu sobre todos nós”, destacou o meio campo da “Orange” Mark van Bommel.

Tradução: Katarina Peixoto

 

Fonte: Carta Maior

+ sobre o tema

Danny Glover: De Hollywood para o Xambá

Como num filme de situações improváveis e interessantes, o...

Poema para um homem negro

por: Adriana Graciano Para Luiz Henrique, que me emociona   Sua beleza desafia...

TERREMOTO HAITÍ: Haitiano sobrevive em escombros um mês após terromoto

Homem de 28 anos foi encontrado nos destroços de...

Deixem meu cabelo em paz

Do lado de lá o "padrão" é cabelo liso. Do...

para lembrar

Morre o pianista Ahmad Jamal, grande influenciador de Miles Davis, aos 92 anos

O pianista de jazz Ahmad Jamal, que influenciou músicos de diversas gerações,...

Filme com Jamie Foxx questiona sistema prisional racista nos EUA

Em Luta por Justiça, Michael B. Jordan é um...

Encontro Marcado com Conceição Evaristo. Museu Afro Brasil .

Encontro Marcado com Conceição Evaristo. Museu Afro Brasil . Por  Monica...

Africanos que fugiram para Europa já pensam em voltar

Imigrantes africanos não param de chegar de barco...
spot_imgspot_img

Violência contra territórios negros é tema de seminário com movimentos sociais em Salvador

Diante da escalada de violência que atinge comunidades negras e empobrecidas da capital e no interior da Bahia, movimentos sociais, entidades e territórios populares...

Tony Tornado relembra a genialidade (e o gênio difícil) do amigo Tim Maia, homenageado pelo Prêmio da Música Brasileira

Na ausência do homenageado Tim Maia (1942-1998), ninguém melhor para representá-lo na festa do Prêmio da Música Brasileira — cuja edição 2024 acontece nesta quarta-feira (12),...

Segundo documentário sobre Luiz Melodia disseca com precisão o coração indomado, rebelde e livre do artista

Resenha de documentário musical da 16ª edição do festival In-Edit Brasil Título: Luiz Melodia – No coração do Brasil Direção: Alessandra Dorgan Roteiro: Alessandra Dorgan, Patricia Palumbo e Joaquim Castro (com colaboração de Raul Perez) a partir...
-+=