Entidades criam ferramentas para mulheres com deficiência denunciarem violência doméstica

Enviado por / FonteRede Brasil Atual

Pesquisa mostra que 52% sofreram agressões verbais e outras 37%, físicas

O Fundo de População das Nações Unidas mostra que mulheres com deficiência têm três vezes mais chances de sofrer violência. Para ajudar a combater esse tipo de agressão a ONG Criar Brasil, com o apoio da Fundação Heinrich Boll Brasil e assessoria do Coletivo Feminista Helen Keller desenvolveu uma pesquisa e conteúdos diversos de comunicação.

De acordo com a pesquisa, a violência doméstica afeta mulheres sem distinção. Apesar disso, algumas estão mais expostas que outras, como no caso de mulheres com deficiência, que apresentam maior vulnerabilidade nestas situações, seja pela dificuldade de obter informações, de denunciar, ou por questões impostas pelo próprio corpo.

Com conteúdos acessíveis, o projeto discute a violência doméstica sob o olhar das mulheres com deficiência. Anna Carla Ferreira, da ONG Criar Brasil, relata que apenas 27% das mulheres que responderam à pesquisa disseram nunca ter sofrido ou vivenciado situações violência. “Outro resultado que chama a atenção é sobre a rede de proteção à mulher, a gente vê que ela não funciona. As pessoas vão até à delegacia, pois muitas vezes não sabem ainda sobre o Disque 180, e não tem atendimento. Se for uma mulher que precisa de libras, não tem intérprete na delegacia”, explicou à jornalista Adriana Maria, da TVT.

O conteúdo criado pelas entidades traz cartões virtuais para compartilhamento, podcasts e videos acessíveis para essas mulheres. Além disso, também foi publicado um minidocumento mostrando os detalhes da pesquisa. Segundo as respostas das entrevistadas: 51% disseram que já tiveram a sua deficiência usada forma de ser inferiorizada; 52% foram vítimas de agressões verbais e 37% foram agredidas fisicamente. Outras 35% tiveram seu corpo tocado sem consentimento.

Denúncia e acessibilidade

No final do questionário, as mulheres responderam questões referentes à proteção e ao enfrentamento à violência doméstica e intrafamiliar. Entre as respostas, a pesquisa destacou uma fala sobre os espaços de proteção às mulheres carecerem de conhecer e saber lidar com as deficiências em sua diversidade. “Encontramos barreiras físicas, atitudinais e comunicacionais. Há crenças arraigadas em modelos caritativos, apego ao modelo biomédico e tendência a abordar as realidades das mulheres com deficiência sem levar em consideração elementos psicossociais e culturais, por exemplo. Em suma, nossas vozes dificilmente recebem uma escuta ética, uma recepção que nos permita acessar efetivamente os nossos direitos e dignidade.”

Segundo Cristina Kenne, integrante do Coletivo Helen Keller, conhecer a realidade em que vivem essas mulheres com deficiência é de suma importância. “A construção dessa pesquisa envolveu todos os aspectos de acessibilidade, atitudinais e de comunicação. A proposta é que as informações contidas nesse material possam ser utilizadas como insumos para construção de política o e de acolhimento para erradicar esse problema”, afirmou à TVT.

+ sobre o tema

Motoristas argentinos terão de fazer curso sobre igualdade de gênero para ter habilitação

A Agência Nacional de Segurança Viária da Argentina (ANSV)...

Filmes LGBT com protagonistas Negros

Uma coisa bem difícil é a representatividade negra na...

Reverenciando Sueli Carneiro: A contribuição de seus escritos para o Direito

No dia 15 de julho de 2020, nos encontramos...

Show de Ludmilla no Coachella tem anúncio de Beyoncé e beijo em Brunna Gonçalves; veja como foi

Os fãs de Ludmilla já estavam em polvorosa nas redes sociais...

para lembrar

Bolsa de estudos Marielle Franco

O SIAPARTO tem o prazer de oferecer, em homenagem...

Brasil já tem 61 transexuais e travestis assassinados em 2017

O país segue pelo sexto ano consecutivo como o...

Documentário sobre Clementina de Jesus é exibido gratuitamente na BA

Exibição acontece no CineTeatro Solar Boa Vista, em Salvador,...

No dia da Mulher Negra, queremos projetos que ponham a vida em 1º lugar

Neste dia da mulher negra latino americana e caribenha,...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=