Entidades da luta por direitos da população negra lançam campanha que pede vaga à ministra negra no STF na Times Square, em Nova York

Enviado por / FonteG1, por Lucas Machado

Exibições foram feitas em uma das principais avenidas do mundo, a Times Square, em Nova Iorque, em campanha lançada pelo Instituto de Defesa da População Negra (IDPN) e Coalizão Negra por Direitos.

O Instituto de Defesa da População Negra (IDPN) e a Coalizão Negra por Direitos lançaram a campanha “#PretaMinistra”, com o objetivo de gerar impacto e reflexão sobre a ausência de uma ministra negra no Supremo Tribunal Federal (STF) em Brasília.

Em 132 anos de existência, a mais alta corte do Poder Judiciário do país, nunca teve uma mulher negra entre os ministros.

Como parte da campanha, na segunda-feira (11) e na terça-feira (12), um vídeo com a atriz mirim Lua Miranda foi exibido em um dos telões da Times Square na cidade de Nova York, Estados Unidos.

O vídeo começa com a frase “ela tem um sonho” e, na sequência, Lua diz: “Quando eu crescer, quero ser ministra do STF”. No encerramento, a mensagem que as instituições deixam é a provocação: “Nunca antes na história desse país, uma menina negra conseguiu realizar esse sonho”.

“É importante que a gente avance no entendimento de democracia no Brasil. É impossível sustentar que vivemos numa democracia plena quando, a comunidade negra que representa 56% do país e as mulheres negras que representam 28% da população nacional, nunca foram representados por uma mulher negra no Supremo Tribunal Federal, nos seus 132 anos”, disse Joel Luiz Costa, diretor executivo do IDPN.

As discussões para que uma das vagas do STF seja ocupada por uma mulher negra acontecem desde a indicação do presidente Lula de Cristiano Zanin, ministro que tomou posse em agosto, na vaga do ex-ministro Ricardo Lewandowski, que se aposentou.

Entretanto, há a expectativa de mais uma cadeira vagar, a da ministra Rosa Weber, que também irá se aposentar em outubro. Ela é a atual presidente do STF.

Além da campanha nos Estados Unidos e de ações realizadas no Rio de Janeiro, o IDPN e a Coalizão lançaram, ainda, o curta-metragem “Todo mundo tem um sonho”, que retrata a realidade vivida nos dias atuais neste contexto do cenário político.

O curta é uma produção artística, narrado pela atriz Taís Araújo, e interpretado pelas atrizes Mariana Nunes e Lua Miranda, que deram vida à narrativa das personagens. A mensagem do curta explica o impacto, no presente e no futuro do país, devido à ausência de uma ministra negra no STF, lembrando que a representatividade que importa é a que, nas crianças, possam ter um referencial, inclusive, para idealizar seus sonhos.

O filme foi dirigido por Mayara Aguiar, produzido por Cayo Costa e Jéssica Villardo, e tem roteiro de Joel Luiz Costa e Juliana Nacsimento.

A produção está disponível em uma plataforma de vídeos online, e destaca o contraste da representação de mulheres negras no campo da cultura do país não refletir, também, na representatividade de mulheres negras no judiciário, principalmente, na Suprema Corte, que nunca teve uma ministra negra vestindo sua capa preta.

A reflexão é induzida por meio de um diálogo entre mãe e filha, ao ser apresentado pela mãe um leque de profissões ocupadas por mulheres negras em que a filha poderia se espelhar.

O curta cita a cantora Iza, a linguista e escritora Conceição Evaristo e a atleta olímpica Dayane dos Santos. Porém, ao se tratar do cargo de ministra, sugerido pela mãe, a criança expõe uma interrogação, por sequer ter o direito de sonhar em ser ministra, devido à ausência de uma mulher negra na história do Tribunal.

“O fato de mulheres negras nunca terem ocupado essa cadeira mostra que nossa democracia ainda não alcançou a plenitude. Ao menos não para a população negra. Precisamos erguer a memória de mulheres negras no STF e de pessoas negras no sistema de justiça como um todo”, ressaltou Joel.

Mostra nacional

Cartaz que será exposto nas capitais faz parte da campanha que mede ministra negra no STF — Foto: A COISA FICOU PRETA/Divulgação

Doze capitais brasileiras amanheceram nesta quarta-feira (13), com obras de arte de rua trazendo a reflexão.

A mostra “Juízas negras para ontem” convidou 24 artistas negros, que produziram cartazes que hoje estão distribuídos pelas cidades de Maceió, São Paulo, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, Teresina, Curitiba, Recife, Salvador, Porto Velho, Porto Alegre, Manaus e Brasília, além de São Bernardo do Campo e Diadema, na região metropolitana de São Paulo.

Todas as obras que integram a mostra “Juízas Negras para Ontem” estão sendo impressas e afixadas nas ruas, e poderão ser democraticamente apreciadas pela população em geral.

“Ter uma mulher negra no STF é uma questão de Justiça. Ocupar esse espaço de poder é uma ação de enfrentamento de injustiças históricas e um passo na reparação. Não faz sentido que a suprema corte do poder judiciário nacional não tenha representação equivalente ao que é o povo brasileiro. Desde o período colonial, o Brasil mantém a subalternização e excludência de pessoas negras”, afirma Nina Vieira, diretora de arte que fez a curadoria da mostra e integra o Manifesto Crespo, coletivo que dialoga sobre identidades, gênero e práticas anti-racistas.

+ sobre o tema

Pedagogia de afirmação indígena: percorrendo o território Mura

O território Mura que percorro com a pedagogia da...

Aluna ganha prêmio ao investigar racismo na história dos dicionários

Os dicionários nem sempre são ferramentas imparciais e isentas,...

Peres Jepchirchir quebra recorde mundial de maratona

A queniana Peres Jepchirchir quebrou, neste domingo, o recorde...

Apenas 22% do público-alvo se vacinou contra a gripe

Dados do Ministério da Saúde mostram que apenas 22%...

para lembrar

“Perdi meu emprego por ser negra” conta gerontóloga Thádia Marques

A gerontóloga Thádia Marques, 30 anos, de São Paulo,...

Jéssica Ellen, de ‘Totalmente demais’, fala de racismo: ‘Precisamos ser representados’.

Dandara dos Palmares lutou pela libertação dos negros no...

Primeiro Emprego

Recentemente o jornal O Estado de São Paulo publicou...
spot_imgspot_img

Peres Jepchirchir quebra recorde mundial de maratona

A queniana Peres Jepchirchir quebrou, neste domingo, o recorde mundial feminino da maratona ao vencer a prova em Londres com o tempo de 2h16m16s....

O futuro de Brasília: ministra Vera Lúcia luta por uma capital mais inclusiva

Segunda mulher negra a ser empossada como ministra na história do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), a advogada Vera Lúcia Santana Araújo, 64 anos, é...

Ela me largou

Dia de feira. Feita a pesquisa simbólica de preços, compraria nas bancas costumeiras. Escolhi as raríssimas que tinham mulheres negras trabalhando, depois as de...
-+=