Entre Micheaux e BulBul, o negro por um cinema independente – Por: Luiz Paulo Lima

É com relativa frequência que verificamos nos dias de hoje, diferentemente de um passado recente, sucessivas mostras e lançamentos de produções de cinema independente, onde atrizes, atores, produtores (as) e diretores (as) negros (as) como protagonistas, deram  ao mundo audiovisual uma sensação de inclusão democrática, nessa fantástica linguagem conhecida como a sétima das artes.

As provas disso, são quando as grandes capitais como São Paulo, acolhem  retrospectivas como; Oscar Micheaux: O negro e a segregação racial, realizada no CCBB, com a curadoria de Paulo Ricardo G. de Almeida, onde podemos assistir vinte e cinco do total em torno de quarenta filmes produzidas pelo cineasta entre os anos de 1919 e 1948. Cabe um destaque  relevante,  o cineasta produziu todas essas obras no período pleno de segregação racial nos EUA.

capa-oscar-480x360

Micheaux, polêmico, empreendedor nato, ficou conhecido como pioneiro no gênero ao escrever, produzir, roteirizar, dirigir e distribuir “The Homesteader”, em 1919, primeiro longa-metragem afro-americano. A importância desse filme transpôs as telas, tornando-se num fato politico, econômico, social e cultural naquele período.

Para confirmar suas intenções como cineasta independente, recusou o assédio de  Jorge P. Johnson, gerente da Lincoln Motion Picture Company,,uma empresa “trustes” de produtores e distribuidores  cinematográficos liderada pela Edson Studios, de propriedade de Thomaz Edson, que a partir de 1908 se associaram para controlar por completo da indústria do cinema nos Estados Unidos.

Johnson, queria produzir The Homesteader a todo custo, não porque adorava os afrodescendentes, e sim porque o livro com o mesmo título foi um sucesso literário e ao mesmo tempo inibir iniciativas concorrentes, fora de controle para o setor. Micheaux exigiu condições para as filmagens em Los Angeles: a supervisão total da produção, gravar com oito rolos de filme em vez de três como era de praxe e  defendeu a tese da necessidade de abordar nos conteúdos os relacionamentos inter-raciais.

Para Lincoln essas condições eram inaceitáveis, fazendo com que o autor criasse a sua própria produtora, a Micheux Film and Books Company, onde o cineasta fez de tudo e mais um pouco para produzir seus filmes. Vendia ações de sua companhia para investidores da comunidade afro-americana, negociava com os donos dos cinemas parte do material filmado, pedia dinheiro para concluir e posteriormente entregava-os  concluídos, e não media esforços para mostrar durantes anos a fio, cidade por cidade, suas obras até desfarelar-se pelo desgaste de exibição.

IMG 52571-480x320

Patricia Durães,Paola Prandini,Carlos Nascimbeni e Luiz Paulo lima

Outro momento de encontros com a cinematografia na cidade de São Paulo, ocorreu no final de semana passado, onde tive o prazer de mediar as conversas  sobre o Filme Mulheres Africanas: a rede invisível, do  diretor Carlos Nascimbeni. Evento produzido pela Paola Prandini da Afroeducação com a parceria do Espaço Itaú de Cinema.

Na ocasião, o diretor pode revelar aspectos  importantes referentes a produção do filme, assinado pela CineVideo, onde  explicou os desafios encontrados ao tratar de temas tabus como as “Áfricas”, pela primeira vez.   Mulheres Africanasa rede invisível, é um filme carregado de sensibilidades antes de tudo.A produção executiva tomou a inciativa correta de escolher produtores locais, onde seus conhecimentos sustentaram com qualidade  teórica o roteiro, que segundo o diretor foi construído pari-passo no dia -dia das filmagens.Outro momento de encontros com a cinematografia na cidade de São Paulo, ocorreu no final de semana passado, onde tive o prazer de mediar as conversas  sobre o Filme Mulheres Africanas: a rede invisível, do  diretor Carlos Nascimbeni. Evento produzido pela Paola Prandini da Afroeducação com a parceria do Espaço Itaú de Cinema.

IMG 5205-480x320

Diretor Carlos Nascimbeni e o mediador Luiz Paulo Lima

Complementando as personagens ,a liberiana Leymah Gbwee, vencedora do Prêmio Nobel da Paz  em 2011, a Tanzaniana Mama Sara Masari, empresária de grande prestígio não só nos seu país, Luiza Diogo Ex- Primeira Ministra de Moçambique e a escritora sul-africana  Nadine Gordiner, vencedora do Prêmio Nobel de Literatura em 1991.As grandes estrelas do documentário, foram as diferentes mulheres.africanas, que tiveram nas suas trajetórias de vidas, lutas e vitórias para além do recorte de gênero, dignificaram a condição humana como valor maior. Experiências de vidas por cinco mulheres como a moçambicana Graça Machel, além de estar  Ministra da Cultura e Desenvolvimento, onde desenvolve seu papel funcional e institucional, atua em projetos sociais ligados a condição vida das mulheres africanas e casada com o eterno Presidente Nelson Mandela.

paola

Paola Prandini

Fora esses aspectos significativos de conteúdo, o filme traz soluções como linguagem, importantes do ponto de vista da sua construção narrativa. O documentário apresenta pontualmente a figura da narradora, um belo texto muito bem conduzida pela Zezé Motta, nossa grande atriz e ativista afro-brasileira. Outros destaques são os planos e enquadramentos, panorâmicas e silêncios como na música, compondo os aspectos estéticos muitas vezes ausentes e desconsiderados por outros autores nesse gênero cinematográfico.

Para fechar os trabalhos, um convite para assistirem a Mostra Black Brasil com a Curadoria do diretor e produtor JeffersonD,  como destaque do 24º Festival Internacional de Curtas-Metragens de São Paulo.

Foto-de-Zózimo-por-Luiz-Paulo-Lima

Zòzimo Bul Bul por Luiz Paulo Lima

O grande homenageado este ano será Zózimo BulBul. Polêmico, ator,diretor e produtor, que construiu sua biografia pautada na luta pelos direitos civis, através da imagem do negro no teatro e no audiovisual. Imperdível!!!

Fotos: André Diogo

Serviços

Black Brasil, mostra especial em homenagem ao Zózimo Bulbul e seu cinema negro.

Dia 25\08 ás 21hs 

Local: Espaço Itaú de cinema (Augusta)

Dia 28\08 às 15hs

Local: Cine Olido

Dia 30\08 às 15hs

Local: Centro Cultural São Paulo

Entrada Gratuita

www.kinoforum.org/curtas

Confira aqui os filmes da programação: http://www.kinoforum.org.br/curtas/2013/programacao-programas-especiais

Curadoria: Jeferson De e colaboração equipe Kinoforum. — with Renata MartinsLeonardo Mecchi,William Hinestrosa, Zoe Olivotto, Beth Sá Freire,Janayna Albino, Ida FeldmanPaloma Moreira, Aline Bertotti and Anne Fryszman.

+ sobre o tema

Maguila é internado na ala psiquiátrica do Hospital das Clínicas de São Paulo

O ex-boxeador Adilson “Maguila” Rodrigues está internado na ala...

Os Musicos do Lixão. “Eles nos mandam lixo e devolvemos-lhes música”

Landfill harmonic - La armonía del vertedero - Orquesta...

Poetisas negras: gênero e etnia através dos versos

Para começo de conversa, quantas escritoras negras vocês conhecem?...

para lembrar

Maurício Pestana

Maurício Pestana, publicitário, cartunista, escritor e roteirista, com trabalhos...

‘Rampage’ Jackson pode interpretar Luke Cage no filme dos Vingadores

Ídolo do MMA e ator nas horas vagas revela...

História da Arte ‘Africarte’

A arte africana representa os usos e costumes das...

Morre o ator e cineasta Zózimo Bulbul, aos 75 anos

O ator e cineasta Zózimo Bulbul morreu nesta quinta-feira...
spot_imgspot_img

Novas imagens de Jaafar Jackson como Michael Jackson em cinebiografia chocam web: ‘É o próprio MJ’

Se tem uma cinebiografia que está chamando a atenção dos fãs de cinema ultimamente, essa com certeza é "Michael", longa inspirado na obra e vida de Michael Jackson. Para...

Filmes de Plástico: De  Mar, Amar

Contagem, abril de 1968. Palco da primeira grande greve operária no recrudescer da ditadura militar no Brasil. Contagem semeia Lula em São Bernardo do...

Festival Visões Periféricas anuncia filmes selecionados 

O FESTIVAL VISÕES PERIFÉRICAS confirma a realização da 17ª edição, de 20 a 26 de março, com formato presencial e online e gratuito para todo o Brasil,...
-+=