Estátua do primeiro palhaço negro do Brasil é pichada com símbolo da suástica nazista em Pará de Minas

Estátua é uma homenagem ao artista paraminense, Benjamin de Oliveira. PM ainda procura por suspeitos do ato de vandalismo.

no G1

estátua de Benjamin de Oliveira, o primeiro palhaço negro do Brasil, foi pichada durante o fim de semana com o símbolo da suástica nazista em Pará de Minas. O registro do boletim de ocorrência foi feito neste domingo (3), pela Polícia Militar (PM). Os militares fizeram rastreamento, mas até o momento nenhum suspeito do crime foi identificado.

A estátua é patrimônio público do município em homenagem ao artista paraminense. Ela foi instalada no Parque do Bariri, no Bairro São José, em 2013. O diretor de Cultura de Pará de Minas, José Roberto Pereira, disse que todas as providências estão sendo tomadas para identificar o suspeito.

“A Prefeitura está tomando todas as providências para chegar ao autor desse ato de vandalismo. Além e depredar o patrimônio público, a pessoa cometeu crime de responsabilidade”, reforçou.

O escultor da obra, Alexandre Pinto, que também mora em Pará de Minas, lamenta o fato e fala da importância da obra para a cidade. “A palavra que mais cabe no momento é: lamentável. A pichação de qualquer obra pública já tem suas consequências. Temos um agravante, sendo o símbolo nacional socialismo alemão em cima de uma figura negra e isso não pode ser descartado. Todo preconceito tem que ser duramente repudiado pela sociedade”, destacou.

Reprodução/Tv Integração

 “Benjamin de Oliveira representou um cenário das artes no Brasil e achei que a homenagem que a cidade tinha era muito pequena diante da grandeza dele. Achei por bem fazer esse registro material para que as próximas gerações pudessem ter mais referências em respeito a ele”, completou o escultor.

A Secretaria de Cultura e demais órgãos envolvidos, além do próprio escultor da obra, vão estudar uma maneira de apagar o símbolo pichado na estátua.

Leia também: 

Brasileiro manda carta de apoio a nazistas e eles respondem “não aceitamos latinos”

Benjamim de Oliveira: O primeiro palhaço negro do Brasil

+ sobre o tema

Como as escolas de samba nos ensinam sobre ancestralidade

Desde que foram criadas, escolas de samba têm sido...

Esperança de justiça une mães de vítimas da violência policial no Rio

A longa espera por justiça é uma realidade presente...

Primeira mulher trans a liderar bancada no Congresso, Erika Hilton diz que vai negociar ‘de igual para igual’

A deputada federal Erika Hilton (PSOL-SP) foi aclamada nesta quarta-feira como...

para lembrar

“Vou te bater, seu macaco”. Garçom acusa homem de racismo na região

No começo desta semana, um caso de injúria racial...

10 filmes para refletir sobre consciência negra

    Além dos livros, filmes são uma ótima maneira de...

Triste com atos racistas na Europa, Betão cria campanha na Ucrânia

Por Felippe Costa Mais maduro pela chegada do pequeno...

Empresa é acusada de racismo ao fazer festa que brinca com a escravidão

Uma cerimonialista postou fotos de um ensaio para uma...
spot_imgspot_img

Quanto custa a dignidade humana de vítimas em casos de racismo?

Quanto custa a dignidade de uma pessoa? E se essa pessoa for uma mulher jovem? E se for uma mulher idosa com 85 anos...

Casa onde viveu Lélia Gonzalez recebe placa em sua homenagem

Neste sábado (30), a prefeitura do Rio de Janeiro e o Projeto Negro Muro lançam projeto relacionado à cultura da população negra. Imóveis de...

No Maranhão, o Bumba meu boi é brincadeira afro-indígena

O Bumba Meu Boi é uma das expressões culturais populares brasileiras mais conhecidas no território nacional. No Maranhão, esta manifestação cultural ganha grandes proporções...
-+=