Estudante defende TCC sobre reconhecimento da beleza da mulher negra em quilombo no Pará

Durante mais de dois anos, a estudante promoveu oficinas de beleza aliadas a ensinamentos sobre a importância do reconhecimento da beleza da mulher negra.

Do G1 

Estudante defende trabalho de pesquisa dentro de quilombo no Pará. — Foto: Divulgação / Parfor

A estudante Edna Monteiro Pinto defendeu o trabalho de pesquisa sobre a beleza da mulher negra, em um quilombo no município de Bragança, nordeste do Pará, na última sexta-feira (15). A apresentação, que foi aprovada pela banca examinadora, era a conclusão do curso de de Licenciatura em Artes Visuais da Universidade Federal do Pará (UFPA) pelo Plano Nacional de Formação de Professores da Educação Básica (Parfor).

Com o apoio da Associação Remanescente do Quilombo do América (Arquia), a estudante , que é quilombola, desenvolveu um trabalho para debater o reconhecimento e empoderamento do corpo da mulher negra começando pela cabeça e pelos cabelos.

O título da pesquisa é “Corpo e beleza da mulher negra e quilombola do América: experiência de cuidado, amor e reconhecimento de si”. Durante mais de dois anos, Edna promoveu, juntamente com a Arquia, oficinas de beleza aliadas a ensinamentos sobre a importância no processo de reconhecimento como mulher negra.

Reconhecimento

Mulher defende TCC sobre a beleza negra em quilombo de Bragança, nordeste do Pará. — Foto: Divulgação / Parfor

Para Rosete de Araújo, presidente da Arquia, o trabalho de Edna foi muito importante para a comunidade. “Eu disse a ela quando chegou aqui, ‘se tu conseguir alcançar duas, três, já é uma vitória. Porque antes as mulheres do quilombo alisavam seus cabelos ou andavam com ele presos e hoje elas estão com seus cabelos soltos, com seus cachos ou com panos, lindas”, afirma.

Para a professora Joana Carmem Machado, pesquisadora da UFPA, a defesa ter sido realizada no quilombo mostra respeito pelos quilombolas.

“O trabalho de Edna é um olhar que se volta em direção à experiência de ser-se negra numa sociedade branca, pois aponta os processos pelos quais mulheres negras denunciam a violência a que são submetidas. A violência com que seus corpos, que são mutilados pela ideologia do embranquecimento e retomam o lugar de fala, os protagonismos dos seus corpos que se constituem em um discurso emancipador, libertário, autônomo e negro”, avalia.

+ sobre o tema

Deborah Riley Draper, cineasta: ‘É estúpido julgar uma pessoa pela cor da pele’

Americana veio ao Rio a convite do consulado dos...

As Ganhadeiras de Itapuã comemoram título da Viradouro no Carnaval carioca

Dezenas de pessoas se reuniram em Itapuã para celebrar...

II Edital Gestão Escolar para a Equidade – Juventude Negra

Vários estudos mostram que há resultados educacionais significativamente piores...

Mulheres pretas que movimentam #10 – Silvana Bahia

Coordenadora de comunicação do Olabi, mestranda em Territorialidades na UFF,...

para lembrar

Violência e Cidadania: Aspectos Relacionados às Mulheres Negras

RESUMO: Frente às discussões atuais acerca do racismo, em...

50 erros de português que você não pode mais cometer

Guia prático para não queimar mais o filme em...

Vanete Almeida, a guerreira do semiárido se encantou

Há menos de um ano recebi um e-mail apreensivo...
spot_imgspot_img

Ser menina na escola: estamos atentos às violências de gênero?

Apesar de toda a luta feminista, leis de proteção às mulheres, divulgação de livros, sites, materiais sobre a valorização do feminino, ainda há muito...

Como a educação antirracista contribui para o entendimento do que é Racismo Ambiental

Nas duas cidades mais populosas do Brasil, Rio de Janeiro e São Paulo, o primeiro mês do ano ficou marcado pelas tragédias causadas pelas...

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...
-+=