sábado, setembro 18, 2021

Eu dentro de mim

Já que o mundo está em medida de contenção social, acredito estar diante de um dos maiores desafios que o ser humano possa receber da vida, que é o de ter a oportunidade de ficar sozinho e explorar a sua consciência, conhecer quem é essa pessoa que cohabita em meu corpo, ou seja tentar descobrir quem “eu dentro de mim”.

Por Tatiane Cristina Nicomedio dos Santos, enviado para o Portal Geledés

blank
Tatiane Cristina Nicomedio dos Santos (Foto: Arquivo Pessoal)

Então vamos lá, vou iniciar essa descoberta como se fosse um diálogo entre o meu eu e a minha consciência.

– Oi! 

-Você está aí?

– Será que poderia me dizer, ou pelo menos me ajudar a entender, quem sou “eu dentro de mim”?

Sei que não irá responder!!!

A minha mente, neste momento está parecendo um papel em branco…

 No entanto, um papel em branco, para alguns pode significar apenas algo vazio, sem sentido, em contra partida para outros, representa uma oportunidade de escrever algo novo, surpreendente, transformador. 

Continuando nosso diálogo, após uma pequena pausa para uma reflexão, que me pareceu válida, e espero que para você também.

Agora formularei outra pergunta, acredito que está seja mais fácil de iniciarmos uma reflexão:

– Você pode me dizer: o que existe dentro de mim?

– O que eu sinto dentro mim?

– Quem é você dentro de mim?

Talvez, essas questões eu consiga responder!!!!

– O que eu sinto dentro de mim, 

sinto um espaço imenso,

uma sensação de que estou muito cheia, 

mas na verdade estou vazia.

Será que está vazio mesmo?

 Ou sou eu que não consigo enxergar o que existe dentro mim? 

Ou melhor dizendo: “não quero enxergar, porque tenho medo do que vou encontrar dentro de mim!!!!”

Mas afinal do que eu tenho medo?

  Tenho medo de mim?

De encarar o meu eu?

  Não pode ser?

 Mas infelizmente é? Ou será, felizmente?

Espere um pouco! 

Você é capaz de perceber que do nada iniciei um diálogo, com a minha própria consciência!

Nossa, como um papel em branco! Sem nada redigido, mas que aos poucos, alguém usando suas mãos, sua habilidade da escrita, sua inspiração e sua capacidade intelectual, inicia o preenchimento do espaço que estava vazio até então.

Só que dentro de mim não é um papel em branco. 

Então, o que é? 

Talvez, se continuar dialogando comigo posso identificar tudo o que sinto, tudo o existe dentro desse espaço cheio e ao mesmo tempo tendo a sensação que permanece vazio.

Pois bem, voltando a minha conversa interna:

– Agora parece que o diálogo se tornou mais fácil!!!

– Pois tenho a opção, de listar o que sinto dentro mim, e aos poucos, irei descobrindo quem sou eu dentro de mim.

Vou listar o que sinto que existe dentro de mim, representando o que realmente sou:

Sou ódio e amor,

Sou alegria e dor;

Sou rir e chorar,

Sou dormir e acordar;

Sou sentar e levantar,

‘Sou eu dentro de mim’.

Sou saudade e encontro,

Sou ir e ficar;

Sou fixa e móvel,

Sou vida e morte;

‘Sou eu dentro de mim’.

Sou ansiedade e tranquilidade;

Sou depressão e vitalidade,

Sou constante e inconstante;

Sou um iceberg e vulcão,

Sou sim e não;

‘Sou eu dentro de mim’.

Sou alta e baixa,

Sou gorda e magra;

Sou perfeita e imperfeita,

Sou bonita e feia;

‘Sou eu dentro de mim’.

Agora sim, eu pude entender o que sinto e sempre senti, nada mais era do que ‘eu dentro de mim’. 

O vazio que existia, era preenchido com pequenas unidades de tudo que eu sentia em mim. Como são muitas coisas mas tão pequeninas, me faziam sentia vazia.

Na minha mente, sempre acreditava na hipótese de que quando encontrasse o meu eu dentro de mim, me sentiria completamente eu, não faltaria mais nada. Não temeria mal algum, e mesmo se:

Se faltar amor e sobrar dor;

Se faltar ânimo e sobrar direção;

Se faltar sim e sobrar não;

Se faltar coragem e sobrar medo;

Se faltar luz e sobra sobrar sombras, e

Se você quiser ficar ou embora,

Nada mais importa!

Não sou mais escrava do vazio existencial, e de tudo que sempre me leva ao nada!

Acabou!

Me aceito, me amo e me respeito do jeito que sou, pois esse é o meu jeito!

Agora, nada mais importa, pois, o que eu sempre procurei, hoje encontrei!

Sabe o que?

O meu eu!

Sim, finalmente encontrei: ‘Eu dentro de mim’.

Não existe nada mais importante para mim do que acabei de descobrir, sim, agora eu sei quem sou ‘eu dentro de mim’.

Muitos não vão entender, assim como eu também não entendo muitos, mas, agora eu sei quem sou, e isso é o princípio de um novo mundo dentro de mim.

Com o tempo espero conhecer-me melhor, dia-após-dia, mês-após-mês, ano-após-ano, não importa. Não preciso ter pressa, a perfeição leva tempo, tempo bastante para eu ir descobrindo tudo o existe dentro de mim.

Não importa quanto tempo vai passar, uma coisa é certa, a partir de agora e todos os dias da minha vida, vou me dedicar a encontrar cada vez mais ‘eu dentro de mim’.

‘De agora em diante será assim:

Eu dentro de mim,

eu dentro de mim!’

Tatiane Cristina Nicomedio dos Santos

 

Diário de uma negra brasileira na quarentena.

“Meu primeiro texto, fruto do início do distanciamento social, para uns desespero, fome, dor e morte, mas para outros uma oportunidade de fazer algo diferente…”

“A vida como sempre irônica, sínica e autentica, frustrante e intrigante…”

Até sempre.

*Tatiane Cristina Nicomedio dos Santos,  biomedica pela Universidade Anhanguera, pós-graduada em Docência do Ensino Superior pela Universidade Municipal de São Caetano do Sul – USCS e mestra em Biotecnociencia pela Universidade Federal do ABC -UFABC.
Currículo Lattes-  4328450185500917.
** Este artigo é de autoria de colaboradores ou articulistas do PORTAL GELEDÉS e não representa ideias ou opiniões do veículo. Portal Geledés oferece espaço para vozes diversas da esfera pública, garantindo assim a pluralidade do debate na sociedade.

 


RELATED ARTICLES