Fátima Oliveira: O feminismo brasileiro ficou menor com a partida delas

“O mundo é mágico. As pessoas não morrem, ficam encantadas”
Na semana passada, perdi duas amigas: Vanete Almeida, 69, no dia 9, em Recife, e Maria Cecília Magalhães Gomes, 66, no dia 10, em Belo Horizonte. O feminismo brasileiro ficou menor com a partida delas. Eram duas faces do feminismo: o rural e o urbano.

Por: Fátima Oliveira

Fiquei num mutismo sem fim, pois nem bem introjetara que não mais veria Vanete sorrir, chega a notícia de que eu não me deliciaria mais com os “poréns” de Cecília. Inconformada com duas perdas, no decorrer da semana, fui acolhida por Guimarães Rosa: “O mundo é mágico. As pessoas não morrem, ficam encantadas”. Foi um alívio, pois rememorar a minha vida com Vanete e Cecília passou a ser um doce privilégio. Agora, elas vivem em minha memória.

Vanete Almeida, pernambucana, educadora popular e dona de um hectare de terra no sertão, conheci no Conselho Nacional dos Direitos da Mulher (CNDM), entre 1999 e 2003. Virei fã ao ouvir sua apresentação às novas conselheiras. Tínhamos uma identidade ideológica grande, e eu adorava ouvi-la contar de suas labutas e apreciava suas gargalhadas cristalinas enormes…
Sobre ela, eu poderia escrever páginas e páginas, mas fiquemos com uma declaração que dei ao “Viomundo”: “Conheci Vanete quando fizemos parte do Conselho Nacional dos Direitos da Mulher. Aprendi a admirá-la e a amá-la pelas convicções pelas quais pautou a sua vida, sobretudo a sua dedicação incondicional ao trabalho com a mulher camponesa e a sua compreensão da sua negritude. Ela gostava de dizer que, fora da esquerda, a luta dos oprimidos não encontraria o caminho da vitória, mas que, às vezes, insistir era muito cansativo, principalmente quando a esquerda escorregava… E ríamos muito porque pensávamos da mesma maneira…”.

Maria Cecília Magalhães Gomes, mineira, historiadora, inscreveu seu nome na história do movimento estudantil, no apoio ao jornal “Movimento”, junto com seu irmão Marcos Gomes, na luta contra a ditadura e pela anistia e na fundação do Movimento Popular da Mulher (Belo Horizonte-MG, 1983) e, desde então, esteve muito presente na luta pelos direitos da mulher em Minas Gerais. A Cecília devemos muito, sobretudo pela delicada preocupação com o bem-estar das mulheres em momentos de dificuldades e de desamparo.

É inesquecível o dia em que ela, há muitos anos, ao telefone, disse-me, em linhas gerais, o seguinte: “Fátima, andei fazendo umas pesquisas que acho que são cruciais para as mulheres. Não posso contar por telefone, vamos nos encontrar”.

Preocupada com a segurança das mulheres nas clínicas clandestinas de aborto, ela decidiu conferir in loco cada uma cujo endereço conseguiu, acho que umas oito. Marcava, pagava a consulta e, antes de ser consultada, pedia para conhecer a clínica e, assim, conferia as condições de higiene e esterilização… Depois, dizia que queria pensar mais… E, assim, coletou informações preciosas que ajudaram inúmeras mulheres, pois quase a metade das clínicas não foi considerada segura, aliás, eram muito perigosas. Era o visionarismo ceciliano em ação, anos antes do estabelecimento do conceito de redução de danos.

Era assim a Cecília: meticulosa, dedicada e com um senso refinado de pesquisadora. A característica mais forte de sua personalidade era a dedicação às causas que abraçava. Recordo com carinho a animação em que ficava quando lia uma crônica minha sobre cavalos. Disse-me várias vezes que um dia iria cavalgar comigo… Não deu tempo. Ficam comigo os versos de sua irmã Clarinha: “Machões da vida,/ mexam-se,/ levantem-se,/ a gueixa pifou…”.

 

 

Fonte: O Tempo

+ sobre o tema

Coalizão de entidades lança campanha por mais negros nos parlamentos

A Coalizão Negra por Direitos, que reúne mais de...

Kenarik Boujikian é nomeada para a Secretaria Nacional de Diálogos Sociais da Presidência

A desembargadora aposentada do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) Kenarik...

Precarização do trabalho rural impacta mais pessoas negras e mulheres

Um relatório da Oxfam Brasil indica que mulheres e pessoas negras...

Em Ceilândia, Anielle Franco anuncia R$ 1,6 milhão para organizações

A ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco, anunciou, nesta...

para lembrar

O Brasil negro e as tendências para 2013 por Athayde Motta

» ATHAYDE MOTTA Diretor do Fundo Baobá para...

Por que Brasil foi obrigado a se desculpar publicamente com quilombolas do Maranhão

O Estado brasileiro reconheceu que violou direitos de comunidades...

Quase 19 milhões de trabalhadores serão contratados em 2010, diz Ipea

Por: MARIANA SALLOWICZ Quase 19 milhões de...

Dinamarca: a xenofobia derrotada

  Frente de centro-esquerda vence coalizão que ajudou a difundir...

OABRJ levará absolvição dos policiais no caso João Pedro ao STF

A Ordem dos Advogados do Brasil do Rio de Janeiro (OABRJ) levará o caso da absolvição dos policiais na morte do jovem João Pedro...

O grande bazar de direitos

Rodrigo Pacheco, presidente do Senado, declarou nesta semana estar "muito entusiasmado com a iniciativa do STF  de, ao invés de simplesmente decidir pela inconstitucionalidade daquilo que...

Mães de vítimas da violência policial em SP, RJ e BA vão à Comissão Interamericana de Direitos Humanos denunciar o Estado brasileiro

Representantes de movimentos de mães de vítimas da violência do Estado e organizações de direitos humanos como Anistia Internacional, Conectas Direitos Humanos, Instituto Vladimir...
-+=