Flávia Martins de Carvalho: Negras e Negros no Poder Judiciário

Como produto do GT, em 2021, foi realizada pesquisa sobre Negras e Negros no Poder Judiciário, cujo resultado deve ser lido considerando que, em 2015, o CNJ publicou a Resolução nº 203, que dispõe sobre a reserva a pessoas negras, no âmbito do Poder Judiciário, de 20% das vagas oferecidas nos concursos públicos para provimento dos cargos efetivos do quadro de pessoal dos órgãos do Poder Judiciário e de ingresso na magistratura.

Segundo a pesquisa, de 89 tribunais respondentes, 33 declararam ainda não terem implementado a referida Resolução, a maioria (29 tribunais) em virtude da não realização de concursos públicos no período.

Dentre os 56 tribunais que já adotaram a Resolução, 13 (24,52%) indicaram dificuldades para o seu cumprimento, que vão desde a ausência de critérios objetivos para verificação de quem faz jus às cotas raciais, passando pelas impugnações ao edital ou a alguma fase do concurso, até a inadequação dos sistemas internos para lidar com informações de raça.

Dos 38 tribunais que adotaram a comissão de heteroidentificação como um dos instrumentos para verificação da elegibilidade às cotas raciais, 18 declararam que os membros da comissão não participaram de qualquer oficina envolvendo a temática racial e 4 disseram sequer ter pessoas pretas ou pardas nas suas comissões. Em contrapartida, 18 tribunais declararam que a comissão foi formada por especialistas na temática da igualdade racial e enfrentamento ao racismo, dos quais 13 declararam que esses(as) profissionais participaram de oficinas específicas sobre o tema.

Aqui, é importante compreender as particularidades do racismo no Brasil. De acordo com Lélia Gonzalez, o racismo brasileiro configura-se como racismo por “denegação”, categoria freudiana que explica o “processo pelo qual o indivíduo, embora formulando um dos seus desejos, pensamentos ou sentimentos, até aí recalcado, continua a defender-se dele, negando que lhe pertença” (GONZALEZ, 2018; pág. 321-322). 

O racismo por denegação costuma aparecer nas pesquisas sobre a existência do racismo no Brasil. Pesquisa realizada pelo Instituto Locomotiva, em parceria com o Carrefour, no período de 21 e 22 de março de 2021, revelou que 84% das pessoas entrevistadas consideram o Brasil um país preconceituoso em relação a pessoas negras, mas apenas 4% admitem ter preconceito em relação a essas mesmas pessoas.

Voltando à Resolução CNJ nº 203/2013, a expectativa era de que, em cinco anos, todos os ramos da justiça brasileira já teriam atingido pouco mais de 20% de magistradas e magistrados negros em seus quadros.

A realidade, porém, se mostrou diferente. Em 2018, segundo o Perfil Sociodemográfico da Magistratura, o percentual de pessoas negras na magistratura era de 18,1%, sendo 16,5% pardos e 1,6% pretos. 

Realizada nova projeção, em 2020, verificou-se que, somente no ano de 2044, todos os ramos da justiça teriam atingido o parâmetro de inclusão de 22,2% de pessoas negras na magistratura, o que subsidiou a criação do GT para tratar de questões raciais no âmbito do Poder Judiciário, indicando a necessidade de uma nova pesquisa que abordasse de forma mais detalhada as questões raciais no âmbito do Judiciário.

O resultado dessa nova pesquisa, apresentado em setembro de 2021, evidenciou uma distância ainda maior entre expectativa e realidade do que aquela mapeada em 2018, quando da realização do Perfil Sociodemográfico dos Magistrados. Isto porque, em 2021, apenas 12,8% da magistratura brasileira é negra; sendo 85,9%, branca; 1,2%, amarela; e 0,1%, indígena. Segundo relatório da pesquisa, não foi possível identificar os percentuais de pretos e pardos, pois “vários órgãos não souberam separar a raça preta de parda, categorizando-as como negras, ocasionando perda de dados”.

Embora existam limitações metodológicas para projeções de longo prazo, a pesquisa indica, ainda, que somente entre 2057 e 2059, todos os ramos do Poder Judiciário contarão com pelo menos 22,2% de pessoas negras em seu quadro de magistrados e magistradas.

Atualmente, sou uma das 587 juízas negras em um universo de 11.947 juízes(as), desembargadores(as) e ministros(as) com raça identificada pelos tribunais que compõem o Judiciário brasileiro, o que equivale a 4,91%. Registre-se que, no total, a magistratura conta com 17.553 integrantes, mas nem todos possuem raça identificada, sendo 6.897 (39,29%), do gênero feminino; 10.651 (60,67%), do gênero masculino; e 5 (0,02%), sem gênero informado.

No tribunal onde atuo, sou uma das 23 juízas negras entre os(as) 2.582 integrantes que o compõem. Ou seja, estou entre as 0,89% de mulheres negras que fazem parte da magistratura do maior tribunal do mundo em volume de processos, o Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJSP), que não conta com uma única mulher negra em seu quadro de 33 desembargadoras e de 19 juízas substitutas em 2º grau (aquelas que estão mais próximas de ocupar o cargo de desembargadora por critério de antiguidade). No total, o TJSP possui 928 (35,94%) mulheres; e 1654 (64,05%) homens.

E o que isso significa?

Bem, inicialmente, significa que, no caso do TJSP, se nada for feito, ainda vai demorar muito para termos uma mulher negra ocupando a cadeira de desembargadora, o que pode ser acelerado caso uma mulher negra ingresse pelo quinto constitucional. E embora eu esteja tratando dos números do Tribunal ao qual pertenço, não é diferente em outros tribunais, nem mesmo nos Tribunais Superiores, onde o cenário é também bastante excludente. E pode-se dizer que a história se repete em todo o sistema de justiça.

O Censo Racial de Membros do Ministério Público de São Paulo (MPSP), realizado em 2015, indicou que 4% dos membros do MPSP são negros(as), o que equivale a 56 pessoas em um universo de 1.493 membros, sendo 64% homens e 36% mulheres. Há 8 mulheres negras promotoras de justiça no MPSP, ou seja, 0,5%. De igual forma, Censo realizado pela Defensoria Pública do Estado de São Paulo (DPESP), em 2018, indicou que 8% de seus defensores e defensoras se autodeclararam negros(as).

Ao dar visibilidade ao problema do racismo no âmbito do Poder Judiciário, pergunto-me com alguma frequência: quem se importa?

Quando cheguei nesse espaço de poder, em 2018, achei que poucos(as) se importavam, mas, com o tempo, fui conhecendo caminhos, pessoas, grupos, associações e percebi que não era bem assim.

O grupo que compõe o Encontro Nacional de Juízas e Juízes Negros (ENAJUN), criado em 2017, representou um verdadeiro “aquilombamento” da magistratura negra; um ponto de fortalecimento através da partilha de experiências comuns nos desafios enfrentados por corpos subalternizados que ocupam espaços de poder no Judiciário. 

Desde 2020, o ENAJUN passou a organizar também o Encontro Nacional de Juízas e Juízes contra o Racismo e Todas as Formas de Discriminação (FONAJURD), que conta com a participação da magistratura não negra, pois há muitos(as) juízes(as) não negros(as) verdadeiramente comprometidos(as) com a luta antirracista dentro do Judiciário e que têm se tornado cada vez mais próximos(as) e necessários(as) nessa luta, que não é apenas das pessoas negras, mas de toda a sociedade.

De 25 a 28 de outubro, serão realizados de forma conjunta o V ENAJUN e o II FONAJURD, eventos gratuitos,virtuais e cujas inscrições podem ser feitas no link. Trata-se de um importante evento não apenas para a magistratura negra, mas aberto a todas as pessoas que tenham interesse em participar da luta antirracista e do combate a todas as formas de racismo e discriminação. Sintam-se convidados(as)!

Nos vemos lá!

Nota 1: A pesquisa sobre Negras e Negros no Poder Judiciário está disponível no link.

Nota 2: O texto aqui apresentado é uma versão resumida do artigo “Mulheres negras no Poder Judiciário”, no prelo.

Flávia Martins de Carvalho é juíza de direito no Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, doutoranda em Filosofia e Teoria do Direito pela USP e Diretora de Promoção da Igualdade Racial da Associação dos Magistrados (e Magistradas) Brasileiros (AMB).

+ sobre o tema

Na mira do ódio

A explosão dos casos de racismo religioso é mais um exemplo...

Macetando o apocalipse

Veio de Veveta, também conhecida como Ivete Sangalo, o...

para lembrar

spot_imgspot_img

Após vítima de agressão ser detida, motoboys fazem ato contra o racismo no RS

Após um homem negro ser ferido com uma faca e preso por policiais, o Sindicato dos Motoboys de Porto Alegre, no Rio Grande do...

Abordagem a homem negro no RS: o que se sabe sobre motoboy preso após ser ferido com faca, em Porto Alegre

Uma abordagem policial acabou com um homem negro detido, neste sábado, após denunciar ter sido ferido com faca por um idoso de pele branca, em...

Quem cata suas latinhas é trabalhador?

Todo Carnaval tem seu fim. E com ele toneladas e mais toneladas de lixo... Não importa como você decidiu comemorar o seu Carnaval. Se decidiu cair na folia, lá...
-+=