Fundo do poço, fim do caminho por Flávia Oliveira

O Rio de Janeiro foi desmoralizado pelo comportamento nefasto de seus líderes políticos

por Flávia Oliveira no O Globo

Foto Marta Azevedo

Eu queria escrever uma carta de amor aos livros, em resposta ao apelo emocionado de Luiz Schwarcz. O presidente da Companhia das Letras propôs que os brasileiros façam da literatura presente de Natal para evitar o colapso das editoras, após os pedidos de recuperação judicial das duas redes de livrarias mais importantes do país, Cultura e Saraiva. Pretendia contar que razões subjetivas influenciam crescentemente o comportamento do consumidor e, por empatia, muita gente está, sim, disposta a comprar livros neste fim de ano. Mas o Rio de Janeiro não deixa. A quinta-feira amanheceu com Luiz Fernando Pezão preso. Rebatizado em memes nas redes sociais — porque a gente perde até o estado, mas mantém a piada — Prezão foi o quarto governador fluminense encarcerado desde 1999 e o primeiro no exercício do mandato.

Por crime eleitoral, Rosinha e Anthony Garotinho já estiveram em prisão preventiva. Sérgio Cabral Filho, chefe da organização criminosa que levou o Rio a nocaute, está detido há dois anos e já beira dois séculos em condenações na primeira instância. Estão ou passaram pelo sistema três ex-presidentes da Alerj e sete deputados; cinco dos seis conselheiros do Tribunal de Contas do Estado; um ex-procurador-geral de Justiça. Algo vai muito mal num território com a cúpula política tão apodrecida.

O Rio de Janeiro foi desmoralizado pelo comportamento nefasto de seus líderes políticos e, sob qualquer aspecto que se observe, decaiu. Chegou ao fundo do poço, o fim do caminho. De epicentro dos investimentos, capital dos megaeventos, potência petrolífera, exportador de políticas públicas de saúde (UPA) e segurança (UPP) tornou-se vexame nacional. Acumula contas públicas em frangalhos, desemprego galopante, indicadores sociais sofríveis, atividade econômica débil. Semanas atrás, o IBGE divulgou os resultados de 2016 do Produto Interno Bruto dos estados. No ano dos Jogos Olímpicos, enquanto o Brasil amargou recessão de 3,3%, a economia fluminense despencou 4,4%. Teve o 19º desempenho entre 27 unidades da federação.

Com o fim — ou a interrupção por falta de dinheiro — das obras de mobilidade urbana, equipamentos esportivos, construção de hotéis e moradias, a indústria de construção despencou 14,7%. A queda no preço internacional do petróleo e o efeito nos royalties reduziram em quase um ponto percentual a participação do Rio no PIB nacional, agora em 10,2%. Se é feia a fotografia de um ano, o que dizer do filme. De 2002 a 2016, a década e meia em que seríamos felizes, a economia local cresceu apenas 1,6% ao ano, lanterna do país. No topo da lista, o Tocantins avançou 5,2% anuais.

No Rio, a taxa de desemprego do trimestre julho-setembro de 2018 foi de 14,6%, sexta maior do país e 2,7 pontos percentuais acima da média nacional. Em um ano, foi o quarto estado em crescimento (9,8%) do trabalho sem carteira assinada. Está com o menor número de empregados formais desde 2012, início da série histórica da Pnad Contínua: 2,750 milhões, quase um milhão abaixo do melhor momento, o segundo trimestre de 2014.

Na penúria, o estado deixou de pagar a aposentados, pensionistas e servidores; entrou em estado de calamidade financeira. O programa de Unidades de Polícia Pacificadora naufragou, e os índices de violência (de homicídios a roubos de carga) explodiram. Desde fevereiro, a segurança pública está sob intervenção federal, que nos primeiros sete meses deixou 1.024 pessoas mortas pela polícia. Na educação, o Rio não cumpriu as metas de 2017 do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica.

Os donos do Rio começaram a balançar em 2013, com as manifestações que levaram Cabral a interromper o segundo mandato antes do fim, para içar o então vice a governador e candidato à reeleição. A manobra política deu certo, mas o projeto de poder naufragou diante das investigações da Lava-Jato e da crise fiscal que tornou Pezão tão ou mais impopular que o presidente Michel Temer, do mesmo MDB. Nas urnas, a população deu o veredicto. Baniu o partido da prefeitura da capital em 2016 e, este ano, elegeu o desconhecido Wilson Witzel (PSC) governador e deixou fora do Legislativo os herdeiros políticos de chefões encarcerados. Agora, é começar de novo.

+ sobre o tema

Uma em cada três mulheres é vítima de violência no mundo, mostra OMS

Uma em cada três mulheres é vítima de abusos...

Uma em 1 milhão

Em março de 2005, Cynthia Howlett, Vera Zimmermann e...

Ilê Aiyê escolhe a Deusa do Ébano 2018 neste sábado

Elas dançam, cantam e exaltam o belo. Todas querem...

Ameaças e violência têm transformado minha vida em uma grande tensão

Dentro da faculdade em que estudo, recebi por meses...

para lembrar

Jovens que aparecem em vídeo agredindo outro por ser gay são indiciados por homofobia

Delegado entendeu que todo o material que foi colhido...

14 comerciais com temática gay pelo mundo sob diferentes pontos de vista

Não é de hoje que os comerciais ganharam temática...

Participantes e cúmplices da violência contra a mulher

A violência contra a mulher que continua presente em...
spot_imgspot_img

‘Abuso sexual em abrigos no RS é o que ocorre dentro de casa’, diz ministra

A ministra das Mulheres, Cida Gonçalves, considera que a violência sexual registrada contra mulheres nos abrigos que recebem desalojados pelas enchentes no Rio Grande...

ONU cobra Brasil por aborto legal após 12 mil meninas serem mães em 2023

Mais de 12,5 mil meninas entre 8 e 14 anos foram mães em 2023 no Brasil, num espelho da dimensão da violência contra meninas...

Após um ano e meio fechado, Museu da Diversidade Sexual anuncia reabertura para semana da Parada do Orgulho LGBT+ de SP

Depois de ser interditado para reformas por cerca de um ano e meio, o Museu da Diversidade Sexual, no Centro de São Paulo, vai reabrir...
-+=