FUNK BRASIL – 40 Anos de Baile

Cultne registrou o musical inédito, “Funk Brasil 40 anos de Baile”que rolou de agosto a setembro de 2012, no Teatro Miguel Falabella, no Norte Shopping, Zona Norte do Rio.

Neste inédito musical, “Funk Brasil 40 anos de Baile” desafiou o público a permanecer sentado enquanto, no palco, embalados pelo ritmo contagiante e ininterrupto de 64 hits, seis atores reviveram momentos marcantes desta expressão tão enérgica e polêmica da cultura nacional. Baseado no livro “Batidão Uma História do Funk”, de Silvio Essinger, o texto, escritopor Pedro Monteiro (de “Os Ruivos”) e João Bernardo Caldeira, remonta a trajetória do gênero desde o início, nos anos 70, febre do soul até sua ascensão junto ao público e à mídia, quebrando gradativamente as barreiras artísticas, econômicas e sociais.

 
Com imagens e edição de Dom Filó e finalização de Pedro Oliveira, Cultne registrou o musical inédito, “Funk Brasil 40 anos de Baile”que rolou de agosto a setembro de 2012, no Teatro Miguel Falabella, no Norte Shopping, Zona Norte do Rio.

Neste inédito musical, “Funk Brasil 40 anos de Baile” desafiou o público a permanecer sentado enquanto, no palco, embalados pelo ritmo contagiante e ininterrupto de 64 hits, seis atores reviveram momentos marcantes desta expressão tão enérgica e polêmica da cultura nacional. Baseado no livro “Batidão Uma História do Funk”, de Silvio Essinger, o texto, escrito
por Pedro Monteiro (de “Os Ruivos”) e João Bernardo Caldeira, remonta a trajetória do gênero desde o início, nos anos 70, febre do soul até sua ascensão junto ao público e à mídia, quebrando gradativamente as barreiras artísticas, econômicas e sociais.

A direção é de Joana Lebreiro, experiente na condução de musicais como “Meu Caro Amigo”, e
“Aquarelas do Ary”. Graças à relevância sociocultural da iniciativa, a temporada foi patrocinada pela Petrobras, através da Secretaria de Cultura do Governo do Rio.

Ambientado em uma inédita peça-baile, no palco, seis atores cantam dança e interpreta os diversos personagens dos 40 anos de funk no Brasil. Os principais hits estão em cena, sob a batuta do diretor musical Marcelo Rezende. No papel de MCs, os mestres de cerimônia do baile, as atrizes Cíntia Rosa e Julia Gorman são as narradoras desta história, que mostra as curiosidades e os melhores momentos do gênero, como o começo de tudo, nos anos 70, com Dom Filó, Big Boy e Gerson King Combo. E a ascensão de Claudinho & Buchecha, DJ Marlboro, Latino, Tati Quebra-Barraco, com as músicas e letras que revelaram o cotidiano das comunidades cariocas para todo o Brasil.

A história começa no Baile da Pesada, anos 70, no Canecão, comandado pelo lendário disc-jockey Big Boy, quando a festa deixa a casa para dar lugar a Roberto Carlos. Da Zona Sul ao subúrbio, o soul toma conta do Rio e surgem dezenas de equipes como Célula Negra, Black Power, Revolução da Mente e Soul Grand Prix, que ocupam localidades
como Leopoldina, Méier, Cascadura, Marechal Hermes, Madureira, Rocha Miranda e Oswaldo Cruz.

 
E é neste contexto que surgem Dom Filó, Mister Funky Santos, DJ Marlboro, Rômulo Costa, Furacão 2000, D‘ Eddy e Grandmaster Raphael, como também os hits como “Melô da Mulher Feia”, “Rap do Pirão”, “Feira de Acari” e as versões e
montagens como “Montagem do Sax” (baseada em “Your Lastest Trick”, de Dire Straits).
 

 
Fonte: CULTNE

+ sobre o tema

Ministra Ana Hollanda já não é hora de subir a Serra, em Alagoas?

Por: Arísia Barros   Alagoas é quase do tamanho da República...

Covid-19: Dois casos confirmados na Guiné-Bissau

Os dois infectados são um cidadão indiano, homem de...

Emicida recebe Flora Matos em São Paulo

O rapper Emicida, um dos nomes mais efervescentes...

para lembrar

spot_imgspot_img

Álbum de Lauryn Hill é considerado melhor da história em lista da Apple Music; veja ranking

Uma lista publicada pela Apple Music elegeu os 100 melhores álbuns de todos os tempos. Em primeiro lugar, a escolha foi para 'The Miseducation...

Mostra Competitiva Adélia Sampaio recebe inscrições de filmes de mulheres negras até 16 de junho

A 6ª edição da Mostra Competitiva de Cinema Negro Adélia Sampaio está com inscrições abertas para filmes dirigidos por mulheres negras de todo o...

Dia 21, Maurício Pazz se apresenta no Instrumental Sesc Brasil

Maurício Pazz, paulistano, nos convida a mergulhar nos diferentes sotaques oriundos das diásporas africanas no Brasil. No repertório, composições musicais do próprio artista, bem...
-+=